Jesus-Huerta-de-Soto-moeda-credito
658 pág.

Jesus-Huerta-de-Soto-moeda-credito


DisciplinaEconomia Monetária684 materiais15.163 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Wercke, vol. 2, \u201crefutatio omnium haeresium\u201d, ed. P. Wendland, leipzig, 1916.
75a Violação dos Princípios Jurídicos do Contrato de depósito Monetário irregular ao longo da História
que, na altura, já começava a ser um grupo numeroso e influente em 
roma. no entanto, Calisto apropriou-se de forma fraudulenta dos de-
pósitos recebidos e, não sendo capaz de os devolver atempadamente, 
tentou fugir por mar e até se suicidar. depois de várias peripécias, foi 
castigado e condenado a trabalhos forçados nas minas da sardenha, 
de onde foi milagrosamente libertado graças aos bons ofícios da cristã 
Márcia, concubina do imperador Cômodo. trinta anos depois, no 
ano de 27 e já livre, é eleito papa, tendo morrido como mártir ao ser 
atirado a um poço pelos pagãos numa revolta popular que teve lugar 
no dia 14 de outubro de 222.32
Percebemos agora a razão por que até os santos Padres tenham 
feito referência à profissão dos banqueiros, cujas grandes tentações 
mostram conhecer muito bem quando os exortam nas Constituições 
apostólicas dizendo: \u201cBanqueiros, sede honrados!\u201d,33 uma admoesta-
ção de moralidade para os banqueiros que houve já quem pretendesse 
remontar até às sagradas escrituras e que os primeiros cristãos usa-
vam constantemente para recordar os banqueiros das suas debilida-
des e não os deixar cair em tentação.
aS \u201cSociateS argentarie\u201d
Uma peculiaridade do sistema bancário no mundo romano foi o 
aparecimento das chamadas sociedades de banqueiros (sociates ar-
gentarie). estas sociedades eram constituídas com base na contribui-
ção de bens por parte dos sócios banqueiros para o capital social que 
servia de garantia para as dívidas. Contudo, uma vez que os bancos 
eram instituições de interesse público especial, ficou estabelecido, 
no direito romano, que os sócios das sociedades bancárias deviam 
garantir os depósitos com todo o seu patrimônio.34 a responsabilida-
32 Juan de Churruca, \u201cla quiebra de la banca del cristiano Calisto (c.a. 185-190)\u201d, Seminarios complutenses 
de derecho romano, Fevereiro-Maio 1991, Madrid 1992, pp. 61-86.
33 \u201cGinesthe trapezitai dókimoi\u201d. Ver \u201corígenes y movimiento histórico de los bancos\u201d, em Enciclopedia 
universal ilustrada europeo-americana, espasa Calpe, Madrid 1973, tomo Vii, ob. cit. p. 478.
34 Ver Manuel J. García-Garrido, \u201cla sociedad de los banqueros (societas argentaria)\u201d, in Studi in honore 
di Arnaldo Biscardi, vol. iii, Milão 1988, especialmente as pp. 380-383. a responsabilidade ilimitada dos 
sócios das sociedades bancárias no direito romano encontra-se estabelecida, entre outros lugares, no 
texto que já citamos de Ulpiano (Digesto, 16, 3, 7, 2-3) e em outro de Papiniano (Digesto, 16, 3, 8), em que 
se estabelece que os banqueiros fraudulentos respondem não só com o \u201cdinheiro depositado que se en-
controu nos bens do banqueiro, mas também com todos os bens do defraudador\u201d. (Cuerpo de derecho civil 
romano, ob. cit., vol. 1, p. 837). atualmente, houve autores que propuseram a reintrodução do princípio de 
responsabilidade ilimitada dos banqueiros, com o objetivo de incentivar um comportamento prudente. 
Contudo, este requisito não é condição necessária nem suficiente para atingir um sistema bancário sol-
vente. não é condição necessária, uma vez que negócios bancários com um coeficiente de caixa de 100% 
eliminaria as crises bancárias e as recessões econômicas de forma mais eficaz. tão-pouco é suficiente, 
76 Jesús Huerta de soto
de ilimitada e solidária dos sócios foi, portanto, um princípio geral 
do direito romano, estabelecido com a finalidade de minorar os 
efeitos dos abusos e das fraudes que estes cometiam e de reforçar a 
capacidade de os depositantes recuperarem os seus bens em caso de 
comportamentos irregulares.35
os argentarii desenvolviam a sua atividade num local especial ou 
taverna. registavam nos livros os diferentes débitos e créditos das 
contas correntes dos seus clientes. os livros dos banqueiros roma-
nos faziam fé ante os juízes e deviam ser mantidos em conformidade 
com o estabelecido pela editio rationum, que estipulava a forma como 
os banqueiros deviam datar e gerir as contas.36 os banqueiros eram 
também conhecidos como mensarii (de mensa ou balcão, lugar onde, 
inicialmente, levavam a cabo as atividades de câmbio). tal como hoje 
a licença bancária, a mensa era transmissível, sendo que aquilo que 
dado que, apesar de os acionistas responderam ilimitadamente pelas suas dívidas, se atuarem com um 
coeficiente de reservas fracionadas, não serão capazes de evitar que surjam crises e recessões econômicas 
de modo recorrente.
35 outra característica interessante da vida econômica do império romano é a sobrevivência do siste-
ma bancário em alguns grandes templos com influência significativa, como o de delos e delfos, o de 
artemisa em sardes e, sobretudo, o templo de Jerusalém, que tradicionalmente era um lugar onde os 
hebreus, ricos e pobres, depositavam o seu dinheiro. é neste contexto que deve entender-se a exclusão 
dos cambistas do templo de Jerusalém tal como é descrita no evangelho segundo são Mateus, 21, 12-16, 
onde se pode ler que Jesus, ao entrar no templo, \u201cvirou as mesas dos cambistas e os postos dos vendedores 
de pombas. e lhes disse: está escrito: a minha casa será chamada casa de oração. Mas vós estais a fazer 
dela uma cova de bandidos!\u201d em s. Marcos, 11, 15-17 pode ler-se um texto idêntico. o evangelho de s. 
João, 2, 14, 16 é um pouco mais explícito, uma vez que indica que Jesus, depois de encontrar \u201cno templo 
os vendedores de bois, ovelhas e pombas, e os cambistas nos seus lugares, fez um chicote de cordas, mandou-
-os a todos para fora do templo e espalhou o dinheiro dos cambistas e virou as suas mesas\u201d. a tradução destas 
passagens evangélicas não é muito feliz, tal como a tradução do Digesto de Garcia del Corral. em vez do 
termo \u201ccambistas\u201d devia ter sido utilizado o termo \u201cbanqueiros\u201d, mais em consonância com o sentido 
literal da edição vulgata latina, que refere expressamente, no evangelho de são Mateus, que vemos: \u201cEt 
intravit Iesus in templum et eiiciebat omnes vendentes et ementes in templo, et mensas numulariorum, et cathedras 
vendentium columbas evertit: et dicit eis: Scriptum est: Domus meã domus orationis vocabitur: vos autem fecistis 
illam speluncam latronum.\u201d Ver a Biblia Sacra iuxta Vulgatam Clementinam, alberto Colunga y laurencio 
turrado (eds.), Biblioteca de autores Cristianos, Madrid 1994, san Mateo, 21, 12-13, p. 982. estes textos 
evangélicos confirmam que o templo de Jerusalém funcionava como um verdadeiro banco público, que 
recebia depósitos de hebreus ricos e pobres. a admoestação de Jesus Cristo poderia ser entendida como 
um protesto contra os abusos advindos de uma prática ilegítima (abusos consistentes, como já sabemos, 
no uso do dinheiro que lhes era depositado para custódia). além disso, as passagens bíblicas ilustram 
muito bem a simbiose que já na altura havia entre o sistema bancário e a autoridade pública pois tanto os 
sumos sacerdotes como os escribas ficaram indignados com o comportamento de Jesus (todos os itálicos 
foram, claro, acrescentados). Ver La Biblia de Jerusalén, editorial desclée de Brouwer, Bilbao 1970, pp. 
1686, 1724, 1777 y 1794. sobre a importância do templo de Jerusalém como um banco de depósito para 
os hebreus, pode consultar-se M. rostovtzeff, Historia social y econômica del Imperio Romano, ob. cit., tomo 
i, p. 380.
36 Jean lambert, na sua obra Historia Econômica (de los orígenes a 1789), tradução espanhola de armando 
sáez, editorial Vicens-Vives, Barcelona 1971, p. 58, nota que \u201ca praescriptio equivalia ao atual cheque. 
Um capitalista encarregava um de fazer o pagamento de um empréstimo em seu nome e o banco fá-lo-ia 
depois da apresentação de uma ordem de pagamento chamada praescriptio.\u201d
77a Violação dos Princípios Jurídicos do Contrato de depósito Monetário irregular ao longo da História
se