Aula - Termodinâmica Básica
35 pág.

Aula - Termodinâmica Básica


DisciplinaFenômenos de Transporte I12.621 materiais111.724 seguidores
Pré-visualização1 página
1
PRINCÍPIOS
DE
TERMODINÂMICA
2
calor força,movimento
TERMODINÂMICA
Conceitos Básicos
3
Energia potencial gravítica,
mgh
Energia cinética de rotação
das pás
Energia interna das
moléculas de água
Conceitos Básicos
4
Temperatura
INTERPRETAÇÃO MICROSCÓPICA:
Medida da energia cinética média dos átomos ou 
moléculas que constituem o sistema.
GASES: energia cinética de translação
SÓLIDOS: energia cinética de vibração
5
Escalas de Temperatura
6
Escala Celsius
( ) ( ) 273,15oT C T K= \u2212
273,15 0,01
 0 273,15
o
o
K C
K C
\u2192
\u2192 \u2212
7
Escala Rankine e Fahrenheit
( ) 1,8 ( )oT R T K=
( ) ( ) 459,67o oT F T R= \u2212
( ) 1,8 ( ) 32o oT F T C= +
Escala Rankine
Escala Fahrenheit
8
Lei Zero da Termodinâmica
SISTEMA C
SISTEMA
 A
SISTEMA
 B
SISTEMA C
SISTEMA
 A
SISTEMA
 B
A temperatura é a propriedade que é comum a sistemas que se 
encontram em equilíbrio térmico (mesma classe de equivalência).
Dois sistemas (A e B) em equilíbrio térmico com um terceiro 
sistema (C) estão também em equilíbrio térmico um com o 
outro.
9
Gás ideal
As moléculas não interagem entre si. 
Os choques entre as moléculas e as paredes do recipiente são 
perfeitamente elásticos (não há perda de energia). 
As dimensões das moléculas são desprezíveis em comparação 
com o volume do recipiente.
O movimento das moléculas é permanente e totalmente 
aleatório.
Estado de um gás: conjunto de diversas variáveis 
macroscópicas
10
Transformações gasosas particulares
Diagrama P X V de uma transformação isotérmica
Transformação isotérmica (lei de Boyle-Mariotte)
11
Transformações gasosas particulares
Diagrama P X V de uma transformação isobárica
Transformação isobárica (lei de Gay-Lussac)
12
Transformações gasosas particulares
Diagrama P X V de uma transformação isovolumétrica
Transformação isovolumétrica (lei de Charles)
13
Lei geral dos gases ideais
Equação de Clapeyron
Valores mais usados para a constante universal dos gases ideais R: 
R = 0,082 atm.L/mol.K
R = 8,31 J/mol.K
14
Sistema Termodinâmico
Certa quantidade de massa delimitada por uma fronteira. 
Vizinhança do sistema: O que fica fora da fronteira
15
Sistema Termodinâmico
SISTEMA ABERTO
Sistema que não troca massa com a vizinhança, mas 
permite passagem de calor e trabalho por sua fronteira.
SISTEMA FECHADO
Sistema que não troca energia nem massa com a sua 
vizinhança.
16
Transformação
VARIÁVEIS 
DE 
ESTADO
P1
V1
T1
U1
ESTADO 1
TRANSFORMAÇÃO
VARIÁVEIS 
DE 
ESTADO
P2
V2
T2
U2
ESTADO 2
17
Processos
\u201cCaminho\u201d descrito pelo sistema na transformação
VARIÁVEIS 
DE 
ESTADO
P1
V1
T1
U1
ESTADO 1
TRANSFORMAÇÃO
VARIÁVEIS 
DE 
ESTADO
P2
V2
T2
U2
ESTADO 2
Processos Durante a transformação
Isotérmico temperatura constante
Isobárico Pressão constante
Isovolumétrico volume constante
Adiabático É nula a troca de calor com a vizinhança.
18
Transformações
\u394U = U2 \u2013 U1
Variação Energia 
Interna
W > 0 \u2192 sistema realiza trabalho
W < 0 \u2192 sistema sofre trabalho
Q > 0 \u2192 sistema recebe calor 
Q < 0 \u2192 sistema perde calor
Sistema Fechado
19
Primeira Lei da Termodinâmica
Q = W + \u394U
20
Variação da Energia Interna
Q = W + \u2206U 
Gás
\u394U depende 
apenas de \u394T 
 Como U é uma variável de estado, \u394U não depende do processo.
Expansão nula \u2192 W = 0
Q = \u2206U 
21
Variação da Energia Interna
A energia interna de um gás é função apenas da 
temperatura absoluta T.
\u394T = 0 \u2192 \u394U = 0
\u394T > 0 \u2192 \u394U > 0
\u394T < 0 \u2192 \u394U < 0
22
Variação da Energia Interna
23
Calor
O calor, Q, que passa pelas fronteiras 
do sistema depende do processo.
24
Trabalho
\u2206U = Q - W
O trabalho que atravessa a fronteira 
depende do processo?
25
Trabalho
W = F.d
Sendo,
F = P.S
Logo,
W = P.S.d
Fazendo,
S.d = \u394V = V2 \u2013 V1
Assim,
W = P.\u394V
W depende de como a 
pressão e volume 
mudam no processo.
26
Processo isovolumétrico
Q = m cV (T2-T1)
\u2206V = 0 \u2192 W = 0 \u2192 \u2206U = Q
cV = Calor específico a volume constante
Transformação a volume constante
27
Processo isobárico
Transformação a pressão constante
Q = m cP (TB - TA)
W = Po [VB-VA] \u2192 Q = W + \u2206U
cP = Calor específico a pressão constante
28
Processo Isotérmico
Transformação à temperatura constante
Êmbolo movimentado lentamente
\u2206T=0 \u2192 \u2206U = 0 
Q = W + 0
Q = W 
29
Processo adiabático
Transformação sem troca de calor
Movimento rápido do êmbolo.
Q = 0
W
Área sob o gráfico 
O processo ocorre tão rapidamente que o 
sistema não troca calor com o exterior.
Q = W + \u2206U 
Q = 0 \u2192 \u2206U= - W
W = -\u2206U Compressão adiabática
Trabalho transforma-se em calor
30
Processos cíclicos
Wciclo > 0 \u2192 Qciclo > 0
O sentido do ciclo no diagrama P×V : horário. 
O sistema recebe Q e entrega W 
31
Processos cíclicos
3. Wciclo = \u3a3W = área 12341
1a Lei da Termodinâmica
Qciclo = Wciclo + \u2206Uciclo 
Qciclo = Wciclo
1. \u2206Uciclo = \u3a3\u2206U = 0 pois Tfinal = Tinicial
2. Qciclo = \u3a3Q
32
Segunda lei da termodinâmica
É impossível construir um dispositivo que, operando em um ciclo 
termodinâmico, converta totalmente o calor recebido em trabalho. 
W
Esquema de máquina térmica. A segunda lei garante que 
há perda de calor na realização de trabalho.
33
Segunda lei da termodinâmica
| W |
Rendimento de máquinas térmicas
Nenhuma máquina térmica apresenta 100% de rendimento.
34
Ciclo de Carnot
Carnot descobriu o ciclo teórico capaz de extrair o máximo 
rendimento de uma máquina térmica.
O ciclo de Carnot compreende duas 
transformações isotérmicas (linhas azuis) 
e duas transformações adiabáticas 
(linhas vermelhas).
35
Ciclo de Carnot
Rendimento do ciclo de Carnot
T é a temperatura em Kelvins