Atencao saude da gestante
236 pág.

Atencao saude da gestante


DisciplinaEnfermagem na Saúde Reprodutiva e Perinatal22 materiais206 seguidores
Pré-visualização50 páginas
incompleta, porque 
os critérios não abrangem todas as condições de exposição (dose, via, idade gestacional), nem 
controlam fatores como exposições concomitantes, estado de saúde da gestante e história familiar. Se 
for considerada a classificação de risco gestacional da Food and Drug Administration (FDA), selecionam-
se preferentemente fármacos pertencentes às categorias A e B. Os da categoria C só devem ser 
administrados à gestante se os benefícios esperados suplantarem os riscos potenciais. 
Fármacos categorizados como D podem ser administrados à gestante somente em condições 
absolutamente necessárias. Finalmente, os agentes da categoria X apresentam definido risco que 
supera qualquer benefício que possa advir de sua prescrição (Fuchs, 2006). 
Categorias de risco para indução de defeitos congênitos segundo o FDA (Fuchs, 2006): 
- Categoria A: estudos controlados em mulheres não demonstraram risco para o feto no 
primeiro trimestre de gestação, e não há evidência de risco em trimestres posteriores. A 
possibilidade de dano fetal parece remota. 
- Categoria B: estudos de reprodução animal não demonstraram risco fetal, mas inexiste 
estudo controlado em mulheres grávidas; ou estudos de reprodução animal mostraram 
algum efeito adverso no feto (que não seja diminuição da fertilidade), não confirmado em 
estudos controlados em mulheres durante o primeiro trimestre (e não há evidência de risco 
em trimestres posteriores). 
- Categoria C: estudos em animais demonstraram efeitos adversos no feto (teratogenia, 
morte fetal ou outro), e não há estudos controlados em mulheres; ou estudos em mulheres e 
animais não estão disponíveis. Esses fármacos só devem ser administrados se o benefício 
justificar o risco potencial para o feto. 
- Categoria D: há evidência positiva de risco fetal humano, mas os benefícios de uso em 
mulheres grávidas podem justificar o uso a despeito do risco (por exemplo, se o fármaco é 
necessário numa situação de risco de vida para uma doença grave, para a qual agentes 
mais seguros não podem ser usados ou não são eficazes). 
- Categoria X: estudos em animais e seres humanos demonstraram anomalias fetais ou há 
evidência de risco fetal baseada em experiências em humanos, ou ambos, e o risco de uso 
do fármaco em mulheres grávidas está claramente acima do possível benefício. O fármaco é 
contraindicado em mulheres que estão ou podem ficar grávidas. 
A Tabela 1 foi elaborada baseada nos medicamentos da Relação Nacional de Medicamentos 
(RENAME) (Brasil, 2007) e nos Programas do Ministério da Saúde voltados à Atenção Primária (Brasil, 
2002; Brasil, 2006; SBPT, 2009). Nesta tabela, as categorias de risco estão expressas entre parênteses. 
A ausência de um determinado fármaco nesta listagem não implica a segurança de uso deste. 
 
MEDICAMENTOS NA GESTAÇÃO E PUERPÉRIO 
 
APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE AÇÕES DE SAÚDE DO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA 
 
103 
Quadro 1. Classificação de risco, segundo o FDA, dos fármacos pertencentes à RENAME e aos Programas do 
Ministério da Saúde, utilizados durante a gestação: 
Grupo farmacológico Fármacos Observações Ref. 
Analgésicos e 
Anti-inflamatórios não 
esteróides 
Paracetamol (B), 
Ácido acetilsalicílico (C/D) 
Ibuprofeno (C/D) 
Ácido acetilsalicílico: evitar doses 
analgésicas nas últimas semanas; doses 
elevadas podem levar ao fechamento do 
ducto arterioso fetal e possivelmente 
hipertensão pulmonar persistente no 
recém-nascido. 
Ibuprofeno: classificado como C no 1º e 
2º trimestres e D no 3º trimestre. Uso 
regular no 3º trimestre pode levar ao 
fechamento do ducto arterioso fetal e 
possivelmente hipertensão pulmonar 
persistente no recém-nascido. 
1,2,3, 
5,6,7 
 
Ansiolíticos Diazepam (D) 7 
Antiácidos Hidróxido de alumínio (C) Hidróxido de 
magnésio (C) 
 2,5,7 
Antiasmáticos Budesonida spray oral (B) Ipratrópio (B) 
Beclometasona spray oral (C) 
Salbutamol spray oral(C) 
Fenoterol (C) 
Budesonida na forma inalada é o 
corticóide de escolha na gestação. 
1,2,4,5,
7 
Antiarrítmicos Digoxina (C) 
Propranolol (C/D)* 
Metoprolol (C/D)* 
Atenolol (D) 
* C/D: C no 1º trimestre e D no 2º e 3º 
trimestres. 
4,7 
Antibacterianos Amoxicilina (B) 
Ampicilina (B) 
Benzilpenicilina benzatina(B) 
Benzilpenicilina potássica (B) 
Cefalexina (B) 
Eritromicina (B) 
Metronidazol (B) 
Nitrofurantoína (B) 
Sulfametoxazol+Trimetoprim(C) 
Ciprofloxacina (C) 
Sulfadiazina (C) 
Neomicina+bacitracina (C) 
Espiramicina (C) 
Doxiciclina (D) 
Nitrofurantoína: pode provocar hemólise 
neonatal e anemia hemolítica neonatal se 
usada a termo. 
Espiramicina: pertence à lista de 
medicamentos especiais da Secretaria 
Estadual de Saúde (para maiores 
detalhes, consultar o Manual de abertura 
de processo na SES, disponível na 
US/SSC). 
Não usar metronidazol no 1º trimestre. 
 
1,2,3,5,
7 
Anticoagulantes Heparina (C) 
Varfarina (X) 
 1,5,6,7 
Anticonvulsivantes Sulfato de magnésio (B) 
Ácido valpróico (D) Carbamazepina (D) 
Fenobarbital (D) 
Fenitoína (D) 
Sulfato de magnésio: há relatos de 
síndrome do mecônio tampão, distúrbios 
neurocomportamentais e depressão 
respiratória em neonatos cujas mães 
receberam sulfato de magnésio, por via 
parenteral e em grandes doses, 
anteriormente ao parto para tratamento 
de eclâmpsia. 
1,2,3,5,
6 
Antidepressivos Amitriptilina (C), 
Fluoxetina (C) 
Lítio (D) 
Imipramina (D) 
 1,2,5,6,
7 
Antidiabéticos Insulina (B) 
Glibenclamida (B) 
Metformina (B) 
Insulina: é a droga de escolha para 
controle de diabetes mellitus durante a 
gestação. 
1,2,4,5, 
6,7 
Antieméticos Metoclopramida (B) 
Prometazina (C) 
 
 1,2,6,7 
Antiespasmódicos Hioscina (C) 1,7 
Antifúngicos Nistatina (A ou C) 
Miconazol (C) 
Nistatina: A para a via vaginal e C para 
as vias oral e tópica. 
2,3,7 
Anti-hipertensivos Metildopa (B) 
Anlodipina (C) 
Nifedipina (C) 
Captopril (C/D)* 
Enalapril (C/D)* 
Propranolol (C/D)* 
Metoprolol (C/D)* 
Atenolol (D) 
* C/D: C no 1º trimestre e D no 2º e 3º 
trimestres. 
1,2,5,6,
7 
Anti-histamínicos Dexclorfeniramina (B) 
Loratadina (B) 
Prometazina (C) 
 1,2,5,7 
ATENÇÃO À SAÚDE DA GESTANTE EM APS 
 
APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE AÇÕES DE SAÚDE DO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA 
 
104 
Grupo farmacológico Fármacos Observações Ref. 
Antisecretores gástricos Omeprazol (C) 1,2,7 
Antiparasitários Metronidazol (B) 
Ivermectina (C) 
Mebendazol (C) 
Pirimetamina (C) 
Ivermectina: uso não recomendando em 
gestantes. 
Não usar metronidazol no 1º trimestre. 
1,2,7 
Antipsicóticos Haloperidol (C) 
Clorpromazina (C) 
 2,6,7 
Antituberculosos Isoniazida (C) 
Rifampicina (C) 
Pirazinamida (C) 
Etambutol (C) 
Estreptomicina (D) 
 1,2,7 
Antivirais Aciclovir (B) 
 
 1,2,7 
Corticosteróides Prednisona (B) 2,5,7 
Diuréticos Hidroclorotiazida (B) 
Furosemida (C) 
Hidroclorotiazida: pode causar 
pancreatite hemorrágica, plaquetopenia e 
depleção de sódio e potássio no feto e 
recém-nascido. 
1,2,4,7 
Escabicidas e pediculicidas Permetrina (B) 7 
Hormônios da tireóide Levotiroxina (A) Administrar a levotiroxina em jejum pela 
manhã. 
Deve-se evitar o uso concomitante com 
sulfato ferroso, carbonato de cálcio ou 
vitaminas por interferência na sua 
absorção. Sugere-se usar esses 
suplementos após o intervalo de, pelo 
menos, 4 horas. 
2,4,7 
Nutrientes Ácido fólico (A) 
Sulfato ferroso (A) 
Vitamina A+D (B) 
 2,5,7 
Reguladores de homeostase 
mineral e metabolismo ósseo 
Carbonato de cálcio Evidências sugerem segurança durante a 
gestação 
7 
1. Barros; 2. Duncan; 3. Brasil 2008; 4. Freitas; 5. Fuchs; 6. Koren; 7. Up to Date 
 
No caso de fármacos não incluídos na classificação do FDA, o prescritor pode recorrer