fisiopatologia e farmacoterapia
222 pág.

fisiopatologia e farmacoterapia


DisciplinaFarmacologia para Enfermagem576 materiais20.319 seguidores
Pré-visualização48 páginas
Intervenção: 
\u2022 Diminuição da dose, descontinuação ou troca 
do antipsicótico instituído; 
\u2022 Administração de anti-parkinsoniano anticolinérgico (benzatropina, tri-
hexifenidilo); 
\u2022 Administração de amantadina (anti-parkinsoniano); 
\u2022 Administração de sedativos: anti-histamínicos sedativos (ex.: difenidramina) 
ou benzodiazepinas (ex.: diazepam). 
 
C \u2013 Pseudoparkinsonismo 
\u2022 Acinésia (ausência de movimento) ou bradicinésia (diminuição da acção 
motora); 
\u2022 Tremor; 
 
Acatísia 
A P O N T A M E N T O S 
76 
FISIOPATOLOGIA E FARMACOTERAPIA I 
 
Discinésias tardias 
\u2022 Movimentos em roda dentada; 
\u2022 Alteração da postura. 
Intervenção: 
\u2022 Diminuição da dose do antipsicótico ou 
descontinuação/troca; 
\u2022 Administração de anti-parkinsoniano 
anticolinérgico (benzatropina, tri-hexifenidilo); 
\u2022 Administração de amantadina (anti-
parkinsoniano); 
\u2022 Administração de sedativos: anti-histamínicos sedativos (ex.: difenidramina) 
ou benzodiazepinas (ex.: diazepam). 
 
D \u2013 Discinésias tardias 
\u2022 Surgem 2 a 4 anos após o inicio da terapêutica; 
\u2022 Instalação à taxa de 2-4%/ano de exposição; 
\u2022 Prevalência de 20-40% em tratamentos crónicos; 
\u2022 Protrusão da língua; 
\u2022 Movimentos mastigadores; 
\u2022 Envolvimento orofacial; 
\u2022 Movimentos anormais: vigorosos, bem organizados, que afectam unidades 
musculares bem definidas (boca-língua-mastigação). 
Intervenção: 
\u2022 Diminuição da dose do antipsicótico ou 
descontinuação/troca; 
\u2022 Suspensão da administração de fármacos com 
efeito anticolinérgico (ex.: anti-parkinsonianos, 
antidepressores); 
\u2022 Administração de diazepam 30-40mg/dia (dose 
elevada) como relaxante muscular. 
 
Pseudoparkinsonismo 
A P O N T A M E N T O S 
 77 
FISIOPATOLOGIA E FARMACOTERAPIA I 
 
E) Sindrome maligno dos neurolépticos 
 Este sindroma constitui uma reacção adversa grave, não relacionada com os efeitos 
extrapiramidais. Surge como consequência da administração de antipsicóticos, embora seja 
considerada muito rara. Possivelmente resulta do antagonismo exercido sobre os receptores 
dopaminérgicos D2 ao nível do hipotálamo, tracto nigrostriado e gânglios basais da espinal-
medula. 
\u2022 Rigidez muscular; 
\u2022 Alteração do estado mental; 
\u2022 Hipertensão; 
\u2022 Instabilidade do SN autónomo. 
Intervenção: 
\u2022 Suspensão imediata da terapêutica; 
\u2022 Abaixamento da temperatura corporal; 
\u2022 Administração de relaxantes musculares (ex.: Benzodiazepinas, Dantroleno, 
Bromocriptina); 
\u2022 Administração de anti-parkinsonianos. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A P O N T A M E N T O S 
78 
FISIOPATOLOGIA E FARMACOTERAPIA I 
 
FÁRMACO ESTRUTURA MOLECULAR FÁRMACO ESTRUTURA MOLECULAR 
CLOROPROMAZINA 
 
PERFENAZINA 
 
DROPERIDOL 
 
PIMOZIDE 
 
FLUFENAZINA 
 
PROCLORPERAZINA 
 
HALOPERIDOL 
N
O
F
OH
Cl 
TIORIDAZINA 
 
LOXAPINA 
N
N
O
N
Cl
 
TIOTIXENO 
N
N
S
S
NO
O
H
 
MOLINDONA 
N
O
O
N
 
TRIFLUOPERAZINA 
 
 
 
A P O N T A M E N T O S 
 79 
FISIOPATOLOGIA E FARMACOTERAPIA I 
 
 Afinidade D2 Afinidade 5-HT2A Semi-vida (h) 
Flufenazina XXXXX XXX 13-56 
Haloperidol XXXXX XXX 12-36 
Tiotixeno XXXX XXX 34 
Trifluoperazina XXXX XX 13 
Loxapina XXXX XXXX 8-30 
Molindona XXXX X 6,5 
Perfenazina XXXX XXXX 9-21 
Cloropromazina XXX XXXX 16-30 
Tioridazina XXXXX XXX 9-30 
 
 
 
 Efeitos 
extrapiramidais 
Efeitos 
anticolinérgicos 
Efeitos 
ortostáticos 
Sedação 
(Receptores 
histamínicos) 
Aumento de peso 
Flufenazina ELEVADO BAIXO BAIXO BAIXO BAIXO 
Haloperidol ELEVADO BAIXO BAIXO BAIXO BAIXO 
Tiotixeno ELEVADO BAIXO BAIXO MODERADO MODERADO 
Trifluoperazina ELEVADO BAIXO MODERADO BAIXO BAIXA 
Loxapina ELEVADO MODERADO MODERADO ELEVADO BAIXO 
Molindona ELEVADO MODERADO BAIXO ELEVADO BAIXO 
Perfenazina ELEVADO BAIXO BAIXO MODERADO MUITO BAIXO 
Cloropromazin
a 
MODERADO 
ELEVADO ELEVADO 
ELEVADO ELEVADO 
Tioridazina BAIXO ELEVADO ELEVADO ELEVADO ELEVADO 
 
 
5.1.6.2. Antipsicóticos atípicos ou de 2ª geração 
Os antipsicóticos de 1ª geração eram bastante eficazes no controlo dos sintomas positivos, 
mas o mesmo não se passava em relação aos sintomas negativos. Surgiram então os 
antipsicóticos atípicos que bloqueiam não só os receptores dopaminérgicos D2 mas também 
receptores serotoninérgicos 5-HT2A e 5-HT2C. 
 
Aripripazole, Clozapina, Olanzepina, Quetiapina, Risperidina e Ziprasidona 
A P O N T A M E N T O S 
80 
FISIOPATOLOGIA E FARMACOTERAPIA I 
 
 
FÁRMACO CARACTERISTICAS ESTRUTURA MOLECULAR 
ARIPRIPRAZOLE 
- Neurolético de nova geração recentemente aprovado; 
- Agonista parcial dos receptores D2; 
- Agonista parcial dos receptores 5-HT1A; 
- Antagonista dos receptores 5-HT2A; 
- Provoca pequeno aumento de peso ou da prolactina; 
- Pode induzir ansiedade, náuseas e insónia; 
- Não possui afinidade para os receptores acetilcolinérgicos. 
CLOZAPINA 
 - Eficácia superior aos antipsicóticos clássicos; 
- Antagonista dos receptores 5-HT2A; 
- Medicamento particular, quer pelo seu perfil de afinidade para os 
diferentes receptores (ex.: único antipsicótico que se liga com maior 
afinidade ao receptores D4 que ao D2), quer pelo facto de ser o 
antipsicótico com maior eficácia demonstrada no tratamento de doentes 
esquizofrénicos resistentes; 
 - Menor incidência de reacções adversas motoras; 
 - Risco de causar alterações sanguíneas graves (agranulocitose \u2013 1%) e 
convulsões, exigindo controlos hematológicos frequentes; 
 - Não aumenta a prolactina; 
 - É utilizado em última opção, quando se verifica que os indivíduos são 
resistentes às restantes alternativas terapêuticas; 
- É utilizado, por exemplo, em situações de discinésias tardias. 
 
OLANZAPINA 
- Antagonista dos receptores 5-HT2A; 
- Melhor incidência de reacções extrapiramidais; 
- Maior probabilidade de causar aumento de peso. 
 
QUETIAPINA 
- Antagonista dos receptores 5-HT2A; 
- Apresenta menor incidência em causar alterações do movimento; 
- Foi utilizado inicialmente no tratamento da doença bipolar e 
esquizofrenia; 
- Elevada frequência do abandono da terapêutica; 
- Pode causar hipotensão ortostática, aumento do peso, tonturas, 
obstipação, xerostomia e dispepsia; 
- Pode determinar aumento das transaminases; 
- Provoca sonolência. 
 
RISPERIDONA 
- Neurolético de nova geração; 
- Antagonista dos receptores 5-HT2A; 
- Bloqueia o efeito agonista 5-HT2A de drogas como o LSD; 
- É bastante utilizado na esquizofrenia; 
- Apresenta menor incidência em causar alterações do movimento; 
- Menor tendência para causar sonolência; 
- Clama maior eficácia no controlo dos sintomas negativos; 
- Maior probabilidade de causar aumento de peso, relativamente aos 
clássicos. 
 
A P O N T A M E N T O S 
 81 
FISIOPATOLOGIA E FARMACOTERAPIA I 
ZIPRAZIDONA 
- O seu mecanismo de acção não está completamente elucidado, sabendo-
se que possui acção antagonista dos receptores 5-HT2A; 
- É capaz de inibir a recaptação de serotonina e de noradrenalina, embora 
a importância deste efeito farmacológico seja desconhecido; 
- Aumenta o intervalo QT em alguns pacientes, podendo aumentar o risco 
para o surgimento de uma arritmia designada de torsades de pointes; 
- Pode ainda causar sedação, insónia, hipotensão ortostática, acatísia e 
outros efeitos extrapiramidais como discinésias tardias. 
 
 
 Afinidade D2 Afinidade 5-HT2A Semi-vida (h) 
Flufenazina XXXXX XXX 13-56 
Haloperidol XXXXX XXX 12-36 
Tiotixeno XXXX XXX 34 
Trifluoperazina XXXX XX