LIVRO DIGITAL Gestão estratégica de pessoas
184 pág.

LIVRO DIGITAL Gestão estratégica de pessoas


DisciplinaGestão de Pessoas I10.553 materiais80.819 seguidores
Pré-visualização31 páginas
pelo aumento da capacidade de produção. Criou o sistema de produção em massa, que até hoje é utilizado por muitas empresas (RIBEIRO, 2003). 
Para conseguir produzir em grande quantidade e com custos muito reduzidos, possibilitando, a oferta de produtos com preço mais baixo ao mercado, Ford investiu na especialização total do trabalho, fazendo com que cada empregado executasse uma única tarefa e trabalhasse numa posição fixa dentro da linha de produção, eliminando todo desperdício de tempo, com a criação da linha de montagem móvel (MAXIMIANO, 2006). 
 Além disso, Ford simplificou as peças utilizadas na montagem do automóvel, tornando-as padronizadas e intercambiáveis, ou seja, possíveis de serem substituídas, reduzindo assim o número de automóveis defeituosos ao final do processo produtivo (CERTO, 2003).
Fayol, teve uma visão mais holística da organização do que Taylor e Ford, contribuindo com ideias relacionadas à estrutura da organização. Primeiramente, identificou que a administração era uma função distinta das demais realizadas pela organização, devendo ser executada com base em cinco processos básicos: planejamento, organização, coordenação, direção e controle (MAXIMIANO, 2006). 
Posteriormente, preocupado com a adequada execução da função administração nas organizações, Fayol definiu os princípios e deveres dos gerentes. Como consequência, \u201co pensar\u201d foi separado do \u201cfazer\u201d, ou seja, a organização foi dividida em dois grupos distintos de empregados: os gerentes, que planejavam, organizavam, dirigiam e controlavam e os trabalhadores operacionais, que executavam as atividades e eram compelidos a alcançarem as metas da organização (LACOMBE; HEILBORN, 2003). 
Você percebeu como a gestão de pessoas era precária na fase clássica da administração? A visão empresarial era mecanicista, ou seja, a organização era administrada como se fosse uma máquina e os trabalhadores eram mais uma \u201cpeça\u201d da engrenagem para fazer a máquina funcionar de forma eficiente (MORGAN, 2000).
O trabalhador era \u201cdescartável\u201d em função do baixo nível de qualificação (só sabia fazer uma tarefa) e do desconhecimento do processo produtivo como um todo (alienação). Assim, quando não conseguia mais alcançar as metas de produtividade impostas pela organização ou adoecia, por motivos muitas vezes relacionados às condições insalubres de trabalho, era desligado da empresa, sem qualquer direito assegurado e substituído por um novo empregado (MOTTA; VASCONCELOS, 2002).
Além disso, o empregado era pouco valorizado em termos de remuneração e cumpria uma jornada de trabalho bastante longa e exaustiva, geralmente em torno de 12 horas diárias ou até mais (MAXIMIANO, 2006). 
O panorama em relação à gestão de pessoas começou a mudar com o advento da Escola das Relações Humanas, que era contemporânea à Escola Clássica, e tinha como principal objetivo valorizar o empregado e melhorar as condições do ambiente de trabalho. 
Dentre as conquistas da respectiva escola destacam-se a redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias e a garantia de um ambiente de trabalho em melhores condições: com mais luminosidade, com menos ruídos e mais limpo (RIBEIRO, 2006).
Vale também destacar que, nessa época, houve o fortalecimento dos sindicatos, que desde então, passaram a lutar pela conquista de direitos trabalhistas (MOTTA; VASCONCELOS, 2002).
Você pode considerar que as empresas começaram a se preocupar com as pessoas no ambiente de trabalho a partir do surgimento da Escola das Relações Humanas, mas é importante lembrar que os fatores psicólogos e sociais no trabalho somente passaram a ser considerados como um aspecto importante da administração, a partir da descoberta da influência do fator psicológico na produtividade da organização, por meio da pesquisa realizada pelo professor e pesquisador Elton Mayo (MARRAS, 2000).
Esse estudo marca o surgimento da Escola Comportamental, que parte da premissa que a produtividade e o desempenho das organizações dependem muito mais do comportamento das pessoas no trabalho do que dos métodos, ferramentas e técnicas voltados à eficiência, como era pregado pela Escola Clássica (MAXIMIANO, 2006). 
Embora, hoje, essa constatação seja óbvia para nós, essa \u201cnova\u201d forma de olhar para o desempenho da organização detonou, na época, uma série de pesquisas e estudos sobre o assunto, além de modificar de quebra a forma como as organizações vinham administrando as pessoas até então.
Vale destacar que os conceitos trazidos pela Escola Comportamental não alteraram a estru\u200btura do modelo de produção construído por Ford e Taylor, porém, contribuíram para modificar as atitudes dos administradores em relação aos trabalhadores, bem como a forma dos gerentes desempenharem seu papel. 
As contribuições da Escola das Relações Humanas e do Enfoque Comportamental provocam uma harmonização na relação capital/trabalho e começam a despertar em muitas organizações, a consciência da necessidade de investir nos seus funcionários. 
Rapidamente, a partir dos anos 30, as ideias da Escola Comportamental foram incorporadas à educação formal, bem como à dinâmica gerencial de muitas empresas.
Com a consolidação dos conceitos do Enfoque Comportamental, os temas relacionados à valorização das relações humanas no trabalho entraram na pauta das atividades a serem desempenhadas pelos gerentes para melhorar a produtividade dos empregados. 
Ao mesmo tempo, vários desses temas passaram a ser pesquisados em profundidade pela academia, destacando-se entre eles: trabalho em equipe, comunicação, motivação, liderança, negociação, gestão de conflitos, entre outros.
Tenho certeza que você identificou pelo menos um benefício!!! Mas, juntos, vamos comentar sobre alguns deles:
os conceitos derivados da Escola Comportamental auxiliaram as organizações a pensarem sobre como o comportamento individual de cada trabalhador poderia ser induzido ao alcance dos objetivos e metas da organização;
outro ponto que passou a ser discutido pelos gerentes é a influência dos grupos formais e informais sobre o trabalho dos indivíduos; 
finalmente, as empresas passaram a observar como os diferentes estilos de liderança impactavam a relação entre os gerentes e os subordinados, e consequentemente, influenciavam a produtividade individual e coletiva.
Naturalmente, essas mudanças não ocorreram do dia para a noite, elas aconteceram, gradualmente, na medida em que os conhecimentos sobre o comportamento das pessoas no trabalho foram avançando e sendo incorporados pelas empresas. 
O resultado de toda essa mudança de paradigma em relação à valorização das pessoas no trabalho você pode ver hoje, por meio da difusão de uma série de métodos e técnicas que são aplicados pelas organizações para obterem maiores e melhores resultados na gestão de pessoas. 
Continuando nossa retrospectiva sobre as contribuições das Escolas da Administração na evolução da gestão de pessoas, observa-se que todas as escolas que surgiram após o Enfoque Comportamental, não deixaram de levar em conta a importância do fator humano nos resultados produzidos pela organização.
A Escola Japonesa de Administração, que criou e, posteriormente, difundiu para o mundo o Modelo Toyota de Produção, baseou-se no investimento em trabalho em equipe para implantar com sucesso o just-in-time e a produção flexível, que são métodos fundamentais para a eliminação de desperdícios e redução de custos no processo de produção (MAXIMIANO, 2006). 
A Escola da Qualidade, contemporânea ao Toyotismo, destacou a importância da capacitação dos empregados em conhecimentos sobre qualidade e no uso de ferramentas para eliminar as causas verdadeiras dos problemas de produção, permitindo à organização ser mais eficiente, em termos de custos mais baixos e maior produtividade, bem como possibilitou à empresa ser capaz de produzir produtos com maior nível de qualidade. Além disso, esta escola teve um papel fundamental na demonstração do quanto às pessoas são essenciais no processo de melhoria
Agnaldo Cesar
Agnaldo Cesar fez um comentário
se for possível, me envie por e-mail: misquevis
0 aprovações
Tatiane
Tatiane fez um comentário
teria como me mandar por email tatiane_1751@outlook.com fiko muito agradecida desde já.
0 aprovações
Carregar mais