LIVRO DIGITAL Gestão estratégica de pessoas
184 pág.

LIVRO DIGITAL Gestão estratégica de pessoas


DisciplinaGestão de Pessoas I10.597 materiais80.955 seguidores
Pré-visualização31 páginas
Hall, 2003.
DUTRA, J. S. Administração de carreira: uma proposta para repensar a gestão de pessoas. São Paulo: Atlas, 1996.
DUTRA, J. Competências: conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas, 2004.
GIL, A. Gestão de Pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, 2001. 
HANASHIRO, D; ZACARELLI, L.; TEIXEIRA, M.; GODOY, A. Gestão do fator humano: uma visão baseada em stakeholders. São Paulo: Saraiva, 2007.
KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. Having Trouble with Your Strategy? Then map it. Harvard Business Review, Sept./Oct. 2000. 
LACOMBE, F.; HEILBORN, G. Administração: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, 2003.
LAWLER III, E. Strategic Pay: aligning organizational strategies and pay systems. San Francisco: Jossey-Bass, 1990. 
MARRAS, J. Administração de recursos humanos: do operacional ao estratégico. São Paulo: Futura, 2000
MILKOVICH, G.; BOUDREAU, J. Administração de recursos humanos. São Paulo: Atlas , 2000.
MONTAGUE, S. Beyond balanced scorecards: you can´t use a golf scorecard for a tennis match. Understand the game you´re playing before you fix on key measures. Performance Management Network Inc. august,1999.
NEELY, A.; ADAMS, R., Measuring operations performance: past, present and future. In: Neely, A. (Ed.). Performance measurement \u2013 past, present and future. Centre for Business Performance, Cranfield, pp.419-426. 2000.
NIVEN, P.R. Balanced scorecard step-by-step \u2013 maximizing performance and maintaining results. New York, John Wiley & Sons, Inc., 2002.
LACOMBE, F.; HEILBORN, G. Administração: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, 2003.
RIBEIRO, A. L. de. Gestão de pessoas. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.
ROEST, P. The golden rules for implementing the balanced business scorecard. Information Management & Computer Security. MCB University Press.1997. 
SHIBA, S.; PURSCH, T.; STASEY R. Introduction to Hoshin Management. Center for Quality of Management Journal. v. 4. n. 3, Fall, 1995.
STAVROU, E; KLEANTHOUS, T; ANASTASIOU, T. Leadership Personality and Firm Culture during Hereditary Transitions in Family Firms: Model Development and Empirical Investigation. Journal of Small Business Management. v. 43, n. 2, p. 187-206, Apr/2005.
TACHIZAWA, T.; FERREIRA, V.; FORTUNA, A. Recrutamento, seleção e contratação de pessoal. In: TACHIZAWA, T.; FERREIRA, V.; FORTUNA. Gestão com pessoas: uma abordagem aplicada às estratégias de negócios. 2 ed. Rio de Janeiro: FGV, 2001
WOOD JÚNIOR, T; PICARELLI, V. Remuneração e Carreira: por habilidades e competências. São Paulo: Atlas, 1999. 
WOOD JÚNIOR, T; PICARELLI, V. Remuneração Estratégica. São Paulo: Atlas, 2004. 
ULRICH, D. Measuring human resources: an overview of practice and a prescription for results. Human Resource Management, v. 36, n. 3, p. 303-320, 1997.
	
A universidade corporativa pode ser definida como uma entidade educacional desenhada estrategicamente pela organização, para cultivar a aprendizagem individual e organizacional, mantendo sua capacidade competitiva (ALLEN, 20002).
Estudar a evolução da gestão de pessoas do ponto de vista histórico, possibilita entender o contexto em que as mudanças relacionadas à administração de pessoas ocorreram, bem como permite identificar os fatores que contribuíram para a formação de cada uma das fases
A educação corporativa compreende todas as atividades realizadas para identificar, modelar, difundir e aperfeiçoar as competências essências da organização, tende com ponto de partida desenvolvimento das competências e capacidades individuais do colaborador (DESSLER, 2003).
As organizações voltadas ao aprendizado, também conhecidas como learning organization, são capacitadas a criar, adquirir e transferir conhecimento, modificando seus comportamentos em função dos novos conhecimentos incorporados pela empresa (GARVIN, 1993).
A aprendizagem pode ser conceituada como um processo de mudança, provocado por estímulos diversos, mediado por emoções, que pode ou não gerar mudanças no comportamento da pessoa. (FLEURY; FLEURY, 2004).
O processo de aprendizagem organizacional envolve não só a elaboração de novos mapas cognitivos, que possibilitam compreender e que está ocorrendo no ambiente externo e interno à organização, como também a definição de novos comportamentos que comprovam a efetividade do aprendizado (FLEURY; FLEURY, 2004).
É fundamental que o coaching/mentoring oriente os colaboradores em relação às escolhas quanto à carreira e que os encorajem a melhorar continuamente (MARRAS, 2000
O líder é um instrumento do grupo, por isso, quem quiser candidatar-se a posições de liderança deve aprender a sintonizar-se com os problemas e interesses e motivações dos colaboradores (DAVIS; NEWSTROM, 1992).
Motivos Externos:
estímulos ou incentivos do ambiente
Motivos Internos:
necessidades, aptidões, valores e outros
Motivação
A teoria de Maslow é particularmente importante no ambiente de trabalho porque mostra que as pessoas não necessitam apenas de recompensas financeiras, mas também de respeito e atenção (GIL, 2001) 
\ufffdPAGE \ufffd47\ufffd
Agnaldo Cesar
Agnaldo Cesar fez um comentário
se for possível, me envie por e-mail: misquevis
0 aprovações
Tatiane
Tatiane fez um comentário
teria como me mandar por email tatiane_1751@outlook.com fiko muito agradecida desde já.
0 aprovações
Carregar mais