Melhoramento genético aplicado a produção animal - Jonas Carlos Campos Pereiro
298 pág.

Melhoramento genético aplicado a produção animal - Jonas Carlos Campos Pereiro


DisciplinaMelhoramento Animal347 materiais2.678 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Assim sendo, os indivíduos são avaliados
pelos seus fenótipos, no caso por quaisquer características que podem ser
observadas ou mensuradas. O fenótipo não é o resultado somente da
constituição genética do indivíduo, mas também da interação dos seus genes
com os vários efeitos não genéticos ou de ambiente. Não faz sentido perguntar
se uma característica é hereditária ou ambiente. Para que os genes possam
provocar o desenvolvimento de uma característica é preciso que disponham de
ambiente adequado. Por outro lado, as modificações que o ambiente pode
causar no desenvolvimento de uma característica são limitadas pelo genótipo do
indivíduo. É preciso reconhecer, todavia, que a variabilidade observada em
algumas características pode ser causada pelas diferenças gênicas entre os
diversos indivíduos. A variabilidade de outras características pode, ao contrário,
ser, principalmente, conseqüência das diferenças nos ambientes aos quais os
indivíduos foram expostos. Quanto mais o ambiente influencia nas ações dos
genes, menos exata será a estimativa do genótipo do indivíduo. Nas
características econômicas (peso e ganho em peso, produção de leite, número
de leitões por leitegada, produção de ovos etc.) o progresso que pode ser
alcançado está na dependência da melhor ou pior precisão em avaliar os
genótipos, tendo por base o fenótipo dos indivíduos.
Métodos estatísticos apropriados permitem estimar o quando da variação
fenotípica é devida às diferenças genéticas entre os indivíduos e o quanto é
devido às diferenças de natureza ambiente.
63
Herdabilidade
Entre os componentes da variância hereditária a mais importante é
Quando no numerador são incluídas as variâncias aditiva, dominância e
eDistasia em relação à variância fenotípica, tem-se a herdabilidade no sentido
Se não há interação herança x meio, a variância fenotípica passa a ser:
A variância hereditária pode ser desdobrada em:
aquela devida aos efeitos aditivos dos genes
com a variância total ou fenotípica
restrito Logo, pode-se escrever que:
chama-se herdabilidade no sentido
Esta variância relacionada
desde que
que pode ser assim representada:amplo
Divisão das Variâncias
Fenótipo (P) = Herança (H) + Meio (M) + Herança-Meio (HM).
Em termos de variância, tem-se que:
onde
variância fenotípica
variância devido às diferenças de herança entre indivíduos
variância devido às diferenças de meio ambiente entre os indivíduos
variância devido à interação entre herança e meio ambiente
onde
:
 variância hereditária
variância devida aos efeitos aditivos dos genes
variância devida aos efeitos da dominância
variância devida aos efeitos epistáticos
66
Esta expressão assume que é nula a covariância entre pai e mãe ou
entre genótipo e ambiente.
As progênies de diferentes reprodutores acasalados com diferentes
reprodutrizes constituem-se em famílias de meio-irmãos, que apresentam 25%
A estrutura da população para análises que envolvem meio-irmãos
paternos, como no caso de bovinos e ovinos (animais uníparos), pode ser
expressa pelo seguinte modelo matemático:
67
As análises de variância permitem separar as diferenças genéticas entre
os reprodutores e a correlação, assim obtida, quando multiplicada por quatro
permite estimar a herdabilidade da característica. A Tabela 6.1 ilustra o esquema
da análise de variância para estimação da herdabilidade.
O valor de k corresponde ao número médio de progênies por reprodutor.
Nada mais é do que um fator de ponderação. Comumente, os reprodutores
possuem diferentes números de progênie no mesmo rebanho. Assim sendo, o
valor de K deve considerar essa situação prática. Pode, então, ser assim
expresso:
Onde
número médio de filhos (as) por reprodutor.
número de reprodutores.
número total de progênies consideradas.
somatório do quadrado do número de progênie de cada reprodutor
corresponde a variância entre famílias de meio-irmãos. Assim,
Portanto, dividindo-se pela variância fenotípica total tem-se que:
de seus genes em comum. O componente de variância entre reprodutores
Se a variância das características consideradas nos pais e na progênie
for a mesma tem-se que r e b se eqüivalem. Nesta situação, a herdabilidade
2b), visto que cada pai ou mãe fornece apenas a metade de sua herança pars
cada filho. Este método não pode ser usado para um dos pais no caso de
características que não se manifestam naquele sexo; ou para características
que só podem ser medidas com eliminação do indivíduo, antes que ele possa se
reproduzir.
2. Semelhança entre meio-irmãos
será igual a 2 vezes os coeficientes de correlação e regressão
é igual a % . Comprova-se esta
afirmativa ao se considerar a covariância entre observações de dois meio-
genótipos do reprodutor (pai) e da reprodutriz (mãe) e
ambiente, tem-se que :
irmãos,
respectivas mães de
os efeitos de
individualmente.
média geral ou efeito comum a todos os indivíduos.
efeito do reprodutor " i " avaliado como desvio da média geral.
:
 erro aleatório ou residual associado com o indivíduo "j" dentro de
A covariância entre meio-irmãos
como as(HS = termo inglês para meio-irmão, "half sib")
(D = dam, que quer dizer mãe), sendo Gs e Gd os
reprodutor.
Suponha os seguintes números desiguais de progênie por reprodutor:
Reprodutor N.° de Progênie
A 8
B 4
C 5
D 6
E 8
68
69
O valor de K será:
A herdabilidade (h2) será igual a 4 t, ou seja
onde
variância atribuída ao efeito do reprodutor.
variância ambiente (erro aleatório).
A precisão da estimativa de herdabilidade é dada pelo erro-padrão, que
pode ser calculado pela seguinte fórmula:
Esta estimativa de herdabilidade não inclui os efeitos de dominância, de
epistasia e efeitos maternos.
Em geral, os meio-irmãos são mais contemporâneos do que os pais e
filhos, visto que são nascidos e criados numa mesma época, o que evita a
introdução de erros devido às diferenças de meio ambiente entre pais e filhos.
Meio-irmãos maternos têm maior componente de meio que os meio-irmãos
paternos, pelo menos em mamíferos e aves, onde as condições temporárias de
meio são mais semelhantes do que aquelas observadas entre meio-irmãos
paternos.
A grande desvantagem deste método é a necessidade de se multiplicar
por quatro a correlação entre os meio-irmãos. Se as correlações ambientes
estão presentes, elas também serão quadruplicadas, tornando os valores da
herdabilidade demasiados altos ou mesmo baixos.
As vantagens deste método estão no fato de que pode ser usada para
características que não se manifestam em um sexo e para características que
podem ser medidas pela eliminação do indivíduo (características de carcaça, por
exemplo).
Considerando os dados da ANOVA apresentados anteriormente na
Tabela 2.1 tem-se que:
/ariância de meio ambiente.
Interpretação: 38% de variação dos pesos à oitava semana de idade são
devidos às diferenças genéticas aditivas entre as aves.
Outros exemplos de avaliação da herdabilidade através da correlação
entre meio-irmãos paternos.
Tabela 6.2 - Análises de variância entre meio-irmãos paternos para peso ao
nascer na raça Caracu e intervalo do primeiro para segundo partos na raça
Guzerá
A correlação intra-classe (t) é dada pela expressão: variância atribuída aos efeitos do reprodutor
k = n° médio de progênie por reprodutor
onde
A herdabilidade (h2) será:
68
O valor de K será:
A correlação intra-ciasse (t) é dada pela expressão:
A herdabilidade (h2) será igual a 4 t, ou seja
c| = variância atribuída ao efeito do reprodutor.
ai = variância ambiente (erro aleatório).
A precisão da estimativa de herdabilidade é dada pelo erro-padrão, que
pode ser calculado pela seguinte fórmula:
Esta estimativa de herdabilidade não inclui os efeitos de dominância, de
epistasia e efeitos maternos.
Em geral, os meio-irmãos são mais contemporâneos do que os pais e
filhos, visto que são nascidos