Psicologia Sócio Histórica
23 pág.

Psicologia Sócio Histórica


DisciplinaTeorias e Sistemas em Psicologia329 materiais4.149 seguidores
Pré-visualização2 páginas
crítica e a 
Psicologia Sócio-Histórica.
\u2022 Banchs (1987) aponta quatro enfoques diferentes nas 
produções da Psicologia Social. 
\u2022 Tem um caráter de construção e transformação dentro 
da História da Psicologia Social. 
\u2022 Falta de hegemonia em relação ao desenvolvimento das 
diversas posturas entre os países da América Latina e no 
Brasil.
BANCHS E AS PROPOSTAS 
DA PSICOLOGIA SOCIAL
\u2022 Psicologia Social Psicológica: 
\u2022 Concepção fortemente ligada aos processos psicológicos 
indivíduais. 
\u2022 Psicologia Social Sociológica: 
\u2022 Relacionada às questões da interação social, processos 
situacionais e da relação da estrutura social com os indivíduos. 
\u2022 Possui ainda um caráter mecanicista, pois mantinha uma 
dicotomia indivíduo versus sociedade. 
\u2022 Defende e estuda a influência do social no indivíduo. 
BANCHS E AS PROPOSTAS 
DA PSICOLOGIA SOCIAL
\u2022 A partir deste momento foram formulados e sistematizados 
conhecimentos na direção de uma recuperação da história do 
indivíduo e do caráter constitutivo de suas relações sociais. 
\u2022 Tem-se duas propostas de Psicologia que seguiram o 
desenvolvimento da Psicologia Social Soviética: 
\u2022 1960: Psicologia Social Marxista Latino-Americana 
\u2022 1970-80: Psicologia Social Crítica. 
\u2022 " recuperar o indivíduo na intersecção de sua história com a história de sua sociedade" (Lane) 
Psicologia Social na América Latina 
e no Brasil
\u2022 Procura-se consolidar uma Psicologia Social com bases 
materialistas-históricas, voltada para a realização de trabalhos 
comunitários. 
\u2022 No Brasil é Silvia Lane que inicia o movimento. Para ela, os 
avanços da estão relacionados à época da crise teórica e 
metodológica da Psicologia Social, que assumiu um caráter 
político, dado o contexto das ditaduras militares e da 
repressão, injustiças e opressões vividas nos anos 60 e 70. 
\u2022 Questiona-se como a Psicologia Social poderia trazer 
subsídios para as transformações sociais, não só reformulações 
teóricas, mas metodológicas e de de atuação.
Psicologia Social na América Latina 
e no Brasil
\u2022 Concretiza-se uma revisão critica das escolas psicológicas: apoiaram-se em 
fundamentos marxistas e em neo-marxistas e voltados para trabalhos 
comunitários. 
\u2022 Os avanços da Psicologia Social na Amaerica Latina estão diretamente 
relacionados à crise teórico e metodológica da Psicologia Social, a qual assumiu 
um caráter político: época da ditadura militar, injustiças e repressão, anos anos 60 
e 70. 
\u2022 No final da década de 70 e início de 80: acesso as obras sem inglês dos trabalhos 
de Vygotsky, Luria e Leontiev. 
\u2022 Algum tempo depois nasce a Psicologia Sócio-Histórica. 
\u2022 Prática em comunidades. 
Psicologia Sócio-Histórica 
\u2022 Concepção do Homem como um ser histórico-social. 
\u2022 Não nasce formado ou possuindo essência pronta e imutável. 
\u2022 "Ele se constrói como homem a partir das relações que estabelece com o meio 
e com os outros homens, num movimento dialético em que faz parte de uma 
totalidade e vai transformando-se em sua essência por um processo de 
complexificação e multideterminação. 
\u2022 Não é a consciência que determina a vida, mas a vida que determina a 
consciência (Marx&Engels) 
\u2022 Vygotsky defende que a vida consciente e o comportamento do homem só 
podem ser compreendidos a partir da vida social. 
\u2022 Homem é ativo, histórico e social.
Psicologia Sócio-Histórica 
\u2022 O homem é um ser real e concreto, que pertence realidade material, ele 
é uma formação desta realidade, expressão de sua totalidade, porque é 
ao mesmo tempo determinada por essa realidade que o contém e 
determina a realidade. 
\u2022 Essencialmente um ser social: relação de mediação entre o homem e a 
sociedade. Não existem separadamente, mas são diferentes. 
\u2022 Relação dialética homem-mundo. 
\u2022 O homem atua sobre a realidade para satisfazer as suas necessidades: A 
linguagem é um instrumento desta atuação. 
\u2022 Linguagem é uma produção histórica social, e o homem se apropria 
dela.
Psicologia Sócio-Histórica 
\u2022 O desenvolvimento da linguagem e dos Significados permite a representação 
da realidade, o que possibilita se trabalhar com a atividade no campo da 
consciência. 
\u2022 A origem da consciência e da linguagem está na atividade concreta dos 
homens. 
\u2022 A matéria prima da consciência é a linguagem:"este homem irá significar suas 
experiências e são estas significações que constituirão sua consciência, 
mediando assim suas formas de sentir, pensar e agir." 
\u2022 O psiquismo se constrói na transformação do plano social no plano 
psicológico. 
\u2022 Apropriação das significações construídas socialmente para significar nossas 
experiências, sentimentos, desejos...
Psicologia Sócio-Histórica 
\u2022 Método de conhecimentos pensado a partir destes pressupostos teóricos e 
epistemológicos 
\u2022 A pesquisa na abordagem Sócio-Histórica partem da concepção dialética da 
realidade: movimento permanente , e conhecer significa conhecer suas 
transformações, seu processo e sua contradição. 
\u2022 A verdade no materialismo dialético será sempre absoluta e sempre relativa. 
\u2022 Conhecer um objeto será: compreender seus processos de movimento interno 
(contradições), desvendar e explicar as determinações (mediações) deste 
movimento. 
\u2022 A partir da palavra (signo) pode-se buscar explicações da história individual, 
mas ao mesmo tempo, dadas as mediações sociais, pode-se apreender neste 
discurso individual aspectos da história social, ideologia, memória coletiva...
Psicologia Sócio-Histórica 
\u2022 Metodologia será a qualitativa em detrimento a quantifica. 
\u2022 Exemplo: 
\u2022 Pesquisa-Ação: pesquisador insere-se na realidade ou grupo a ser 
estudado, 
\u2022 Constrói junto propostas e define o processo a ser seguido de 
acordo com o movimento do grupo 
\u2022 Pesquisador torna-se parte da totalidade 
\u2022 Pesquisa Participante: há um plano de ação/intervenção 
previamente organizado pelo pesquisador.