Psicologia Sócio Histórica
23 pág.

Psicologia Sócio Histórica


DisciplinaTeorias e Sistemas em Psicologia419 materiais5.775 seguidores
Pré-visualização2 páginas
PSICOLOGIA SÓCIO-HISTÓRICA:UMA 
TENTATIVA DE SISTEMATIZAÇÃO 
EPISTEMOLOGICAS E METODOLÓGICA.
Bases Epistemológicas: Marx e o 
materialismo histórico e dialético.
\u2022 Karl Marx (1818-1883): sua obra está intimamente relacionada ao contexto 
histórico, político e social em que viveu. 
\u2022 Seu pensamento está fortemente comprometido com a classe trabalhadora. 
\u2022 Entre o final do séc. XIX e o início do séc. XX. 
\u2022 Acenda do capitalismo: reorganização mundial. 
\u2022 Trabalhadores lutavam por transformações de caráter socialista, que não se 
concretizam. 
\u2022 A obra de Marx constitui-se em : análises sociais, históricas, econômicas e 
políticas que contribuíram também para a produção do conhecimento 
filosófico.
Bases Epistemológicas: Marx e o 
materialismo histórico e dialético.
\u2022 Marx recupera a proposição de dialética de Hegel para compreender o real 
e para construir o conhecimento. 
\u2022 Aplica a dialética hegeliana a concepção materialista formando a 
perspectiva materialista dialética, sob a qual propõe a compreensão do 
realidade, da sociedade e do homem: 
\u2022 O homem atua praticamente e conscientemente sobre anatareis, 
construindo um mundo objetivo e a si mesmo visando as suas necessidades. 
\u2022 O homem se diferencia dos demais animais por produzir seus próprios 
meios de sobrevivência. 
\u2022 Desta organização se busca conhecer a história e a realidade, partindo-se de 
indivíduos reais, concretos, inseridos e determinados pela realidade objetiva:
Bases Epistemológicas: Marx e o 
materialismo histórico e dialético.
\u2022 Relações sociais da produção: relação do homem com a 
natureza, com sua produção a partir desta e com outros 
homens o que constituirá a base material da sociedade (infra-
estrutura), e determina a forma de organização concreta dos 
homens. 
\u2022 Junto com a infra-estrutura se desenvolve um conjunto de 
idéias que expressam e servem para a reprodução do sistema: 
a superestrutura da sociedade (instância política e ideológica) 
\u2022 Relação entre a infra-estrutura e superestrutura: 
determinante, mas não imediata.
Bases Epistemológicas: Marx e o 
materialismo histórico e dialético.
\u2022 Relação dialética: 
\u2022 a infra-estrutura determina a superestrutura, de tal forma que 
sempre os indivíduos são determinados pelas relações de 
produção, pela atividade produtiva e por relações sociais e 
políticas determinadas. 
\u2022 Através do trabalho o homem se constrói como homem e 
constrói a sociedade, transformando-a e fazendo a história. 
\u2022 " Não é a consciência dos homens que determina o seu ser, 
mas, ao contrário, é o seu ser social que determina sua 
consciência". 
Bases Epistemológicas: Marx e o 
materialismo histórico e dialético.
\u2022 A base de toda a sociedade, de sua formação, valores, idéias, transformações está nas 
condições materiais. A vida determina a consciência e as idéias surgem da realidade 
material, sempre em transformação. Assim os conceitos dominantes se universalizam 
por conta dos interesses da classe dominante, que estão a serviço da manutenção do 
sistema. 
\u2022 Ideologia enquanto alienação do homem: atribuição das determinações da existência 
do homem e da organização da sociedade desvinculada das bases materiais. 
\u2022 Concepção materialista dialética da realidade: fenômenos são constituídos e 
transformados a partir de múltiplas determinações que lhe são constitutivas, as quais 
são determinadas e fazem parte de outras relações. 
\u2022 A realidade é concebida como matéria , havendo a primazia do Ser sobre o Pensar. 
Cada parte da realidade, cada fenômeno, constituiu-se em uma formação material, 
que expressa a totalidade que a contêm e a determin, ao mesmo tempo é 
determinada por ela.
Bases Epistemológicas: Marx e o 
materialismo histórico e dialético.
\u2022 "As coisas se constituem de contradições e transformações 
constantes, as quais não se manifestam diretamente..... A 
aparência, ou manifestação imediata do fenômeno, é a parte 
dele, não não expressa diretamente sua totalidade" 
\u2022 Para conhecer a essência do fenômeno é necessário ir além da 
aparência, desvendando suas determinações. 
\u2022 A produção do conhecimento deve partir do real e procurar as 
leis de transformação do fenômeno e sua relação com a 
totalidade, reinserindo-o à realidade. A realidade sempre será 
relativa ao momento histórico específico. A cada momento se 
tem uma verdade, uma essência superada pelo tempo.
Primórdios da Psicologia Sócio-
Histórica.
\u2022 Psicologia Sócio-Histórica surge no início do séc. XX, na 
União Soviética no momento em que procurava 
reconstruir suas teorias científicas a partir do marxismo e 
vinculada às demandas práticas referentes aos problemas 
sociais e econômicosda Rússia pós-revolucionária. 
\u2022 Dentro desta produção destaca-se Vygotsky (1896-1934) 
que deu os primeiros passos para a construção da 
Psicologia Sócio-Histórica. Seus seguidores foram: Luria 
(1902-1977) e Leontiev (1903-1979). 
Vygotsky 
\u2022 1924: insatisfeito com as correntes da psicologia soviética. Havia uma crise 
mundial da Psicologia, pois as escolas apresentavam um reducionismo - ou 
elementarista, negando a consciência, ou modelos subjetivistas desvinculados das 
condições materiais que o constituíam. 
\u2022 Vygotsky propõe uma teoria histórico-cultural para lidar com a dualidade da 
objetividade versus a subjetividade. 
\u2022 Propõe uma Psicologia guiada pelos princípios e métodos do materialismo 
dialético: sua produção buscava descrever e explicar a construção do psiquismo e 
comportamento humano a partir das funções psicológicas superiores 
(pensamento, linguagem e consciência), guiando-se pelo princípio da gênese social 
da consciência. 
\u2022 Tem forte influência do Marxismo: concepção marxista de homem e realidade. O 
ser humano constrói a si mesmo nas relações que estabelece com a realidade, na 
medida em que é determinado por esta, atuasobre ela e a transforma.
Vygotsky 
\u2022 Critica a tentativa de compreender as funções superiores 
através dos animais ou o desenvolvimento natural 
humano onde as funções superiores resultam de um 
processo de maturação. 
\u2022 Enfatiza a origem social da linguagem e do pensamento, 
onde a cultura é parte do desenvolvimento, e a visão das 
funções psicológicas como produto da atividade cerebral. 
\u2022 Os fenômenos são entendidos como processo em 
movimento e mudança. O homem atua sobre a realidade 
por meio de instrumentos, transformando-a e a si próprio.
Vygotsky 
\u2022 Nega-se qualquer tentativa de uma explicação da natureza humana 
universal e imutável. 
\u2022 O conhecimento deve apreender, a partir do aparente, as determinações 
constitutivas do objeto. 
\u2022 A origem e a base do movimento individual estão nas condições sociais 
de vida historicamente formadas. 
\u2022 Não há natureza humana: o homem se constrói na relação com a 
realidade pelo meio social imediato e no processo cultural 
historicamente produzido. 
\u2022 Assim a condição humana é uma construção sócio-histórica das relações 
sócias e da ação do homem sobre a realidade. 
Psicologia Social crítica e a 
Psicologia Sócio-Histórica.
\u2022 Durante muito tempo a Psicologia Social esteve pautada 
pelos estudos sobre a atitude, sua mensuração e 
transformações, e também sobre aspectos e processos 
ligados ao funcionamento grupal. 
\u2022 Nos meados da década de 60 começa-se a questionar a 
eficácia da Psicologia Social, apontando para uma crise do 
conhecimento psicossocial, considerado ineficiente para 
intervir, explicar e prever comportamentos sociais. 
Psicologia Social crítica e a 
Psicologia Sócio-Histórica.
\u2022 Críticas importantes deste período à Psicologia Social: 
\u2022 Tradição pragmática americana, 
\u2022 Caráter ideológico e reprodutor de interesses da classe 
dominante. 
\u2022 Embasamento positivista que limitava a compreensão do 
homem em sua totalidade.
Psicologia Social