ines da silva moreira
167 pág.

ines da silva moreira


DisciplinaServiço Social e Terceiro Setor76 materiais1.327 seguidores
Pré-visualização44 páginas
a Prefeitura Municipal de Sumaré, 
através do Fundo Social de Solidariedade , Secretaria Municipal de Ação Social, 
Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria de Obras e Infraestrutura Urbana, 
Departamento de Água e Esgoto (DAE), Empresas locais, Comunidades e 
Entidades, tendo como objetivo esclarecer para a população a importância das 
obras e mobilizá-la através da Educação Ambiental. 
 
Foto 1 - Estação de Tratamento de Água (ETA II) 
Fonte: DAE (2013). 
 
A cidade de Sumaré está localizada na região sudeste do Estado, 
distante 114 km da cidade de São Paulo e integrante da Região Metropolitana de 
Campinas (RMC), sendo a segunda maior cidade da região. Tem acesso por 
importantes vias rodoviárias (D. Pedro I, Anhanguera, Bandeirantes) e por um 
grande aeroporto internacional (Viracopos). De acordo com o Instituto Brasileiro de 
Geografia e Estatística (IBGE), população estimada em 241.437 habitantes, de 
acordo com senso do IBGE (2010). 
O desenvolvimento da cidade de Sumaré, está ligado aos processos de 
imigração; os primeiros imigrantes trabalhavam nas culturas do café e 
posteriormente imigrantes oriundos de várias partes do país vieram em busca de 
76 
 
trabalho ou moradia por conta do processo de industrialização que se iniciou nos 
anos 1950. Intensificação desta imigração se deu a partir dos anos de 1970, 
representada por população de baixa renda vinda do interior de São Paulo, Paraná, 
Região Nordeste e Minas Gerais, em busca de emprego e de melhor qualidade de 
vida. 
 
Foto 2 - Mapa da Cidade de Sumaré-SP 
 
Fonte: Prefeitura Municipal de Sumaré (2013). 
 
O Município é considerado como de grande atividade econômica, 
predominantemente industrial, operando nos setores automotivo, metal-mecânica, 
plástico e borracha, e químico. No setor agrícola apresenta expressiva produção de 
cana-de-açúcar, tomate (segundo produtor nacional) e batata inglesa. Os segmentos 
de comércio e de prestação de serviços encontram-se em crescimento, com 
destaque recente para o setor de armazenagem e transportes, instalação de hotéis, 
magazines, escolas etc. É hoje o segundo mercado consumidor dentre as 19 
cidades da Região Metropolitana de Campinas segundo (IBGE, 2010). 
O Projeto Semear existe há vários anos no município, ampliado em 
2008 com objetivo de vincular-se ao Programa de Aceleração do Crescimento \u2013 
PAC em Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário como Projeto Semear II. 
O projeto se realiza sob a direção da Secretaria Municipal de Inclusão, 
Assistência e Desenvolvimento Social, com objetivo de esclarecer a população da 
importância das obras, esforçando-se por mobilizá-la para processos amplos e 
participativos de Educação Ambiental. 
O Trabalho Técnico-Social pretende valorizar e revelar potencialidades 
individuais e grupais, fortalecendo vínculos familiares e comunitários, propiciando 
77 
 
condições para o exercício da participação comunitária e para a elevação da 
qualidade de vida da população que lá reside. 
O projeto beneficiará a população com o abastecimento de água e 
tratamento de esgoto, buscando resolver um problema que vem sendo um 
transtorno para a cidade, principalmente para a camada menos favorecida, há 
muitos anos. Tem por objetivo esclarecer a comunidade sobre a importância dessas 
obras, desenvolver diversas ações junto às escolas, Centros de Referência as 
Assistência Social (CRAS), crianças e jovens e capacitando-os em jardinagem, 
paisagismo, bem como mantendo oficinas sobre educação ambiental. Essas 
atividades acontecem nos CRAS e no Centro de Educação Ambiental (CEA) e no 
viveiro de mudas do Horto Florestal do Município. Conta com uma equipe 
multidisciplinar de educadores ambientais, composta por dois biólogos, duas 
psicólogas e duas assistentes sociais, além de duas pessoas que trabalham no 
viveiro de mudas. 
 
Foto 3 \u2013 Viveiro de mudas no Horto Florestal \u2013 jovens do CRAS 
 
Fonte: Prefeitura Municipal de Sumaré (2007). 
 
O projeto visa também capacitação de bolsistas em técnicas de 
jardinagem, na limpeza e manutenção do Jardim do Projeto Semear, construção do 
terrário, manutenção do viveiro de mudas, da área de reflorestamento do Jatobá, 
assim como na recuperação dos jardins do Centro de Educação Ambiental do Horto 
Florestal. 
78 
 
Foto 4 \u2013 Recuperação dos jardins - Centro de Educação Ambiental Horto 
Florestal (CEA) 
 
Fonte: Prefeitura Municipal de Sumaré (2007). 
 
Em 2010, o projeto teve como meta a formação de um \u201cColetivo 
Educador\u201d, para o qual foram convidadas as demais secretarias municipais, 
entidades, projetos e instituições que atuavam em educação ambiental no município, 
para que juntas pudessem planejar, programar, implementar e avaliar processos 
continuados de formação de educadores ambientais populares, para intervir na 
realidade local. 
O Coletivo Educador Ambiental acolhe todas as iniciativas de educação 
ambiental, sejam elas individuais ou coletivas, públicas ou privadas. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
79 
 
Foto 5 \u2013 Coletivo Educador de Sumaré/SP 
 
Fonte: Prefeitura Municipal de Sumaré (2007). 
 
 
3.1 Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 
 
O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) foi lançado em 28 de 
janeiro de 2007, pelo Presidente da República na época, Luiz Inácio Lula da Silva. 
Foi aprovado como modelo de desenvolvimento no Brasil de forma 
integrada, que passa pelo conceito de sustentabilidade social e ambiental, de 
acordo com as potencialidades e vulnerabilidades dos recursos que se dispõe. 
É um programa do governo federal visando estimular o crescimento da 
economia brasileira, através de investimento em obras de infraestrutura, em portos, 
rodovias, aeroportos, redes de esgoto, geração de energia, hidrovias, ferrovias, 
abastecimento de água, obras sociais, escolas, moradias, hospitais, creches e 
conjunto de ações em projetos ambientais. 
 
O PAC revela uma ação governamental planejada com vistas a retomada 
da capacidade orientadora do Estado na questão do crescimento 
econômico do país, através do incremento da taxa de investimento público e 
privado em áreas consideradas estratégicas. Dessa forma, o governo busca 
ter papel de destaque no processo de crescimento, através da indução e do 
direcionamento dos investimentos e da economia do país. Tais medidas 
podem significar uma mudança qualitativa no papel a ser desempenhado 
pelo Estado na sociedade brasileira, através do distanciamento em relação 
ao discurso liberal das \u2018vantagens do livre mercado\u2019 na alocação dos 
investimentos. (DIEESE, 2007, p. 3). 
 
80 
 
Uma vez aprovado o Manual de Instruções para a Aprovação e 
Execução dos Programas e Ações do Ministério das Cidades inserido no programa 
PAC, pela Portaria nº 411 de 28 de agosto de 2008, que prevê melhoria das 
condições de vida das famílias de baixa renda e apoio à elaboração de planos 
habitacionais e de interesse social, composto por dois eixos que norteiam sua 
implantação, sendo um na área de infraestrutura, como hidrelétricas e estradas, e 
outro com obras direcionadas para a urbanização de favelas e saneamento e 
esgotamento sanitário. 
Teve a Caixa Econômica Federal, juntamente com o Ministério das 
Cidades, para estruturar as principais instituições responsáveis pelo financiamento 
do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Dessa forma alguns projetos 
foram formulados por essas instituições compreendendo as diretrizes para a 
execução do trabalho social no PAC de forma detalhada. 
Esse Programa vem ao encontro da necessidade de acelerar de forma 
sustentável o crescimento da economia global, e em promover investimento em