Prof. Carlos Márcio - Roteiro das Aulas - Direito Penal II - 2013-2
75 pág.

Prof. Carlos Márcio - Roteiro das Aulas - Direito Penal II - 2013-2


DisciplinaDireito Penal II10.764 materiais286.125 seguidores
Pré-visualização29 páginas
14 STF. Relator Ministro SEPÚLVEDA PERTENCE. RE 460971/RS. J. 13/2/2007. 
 
 
Roteiro das Aulas - Direito Penal II - 2013-2.docx2 
 22 
 
 
\u201cConsoante orientação pacificada nesta Corte, o prazo máximo de suspensão do lapso 
prescricional, na hipótese do art. 366 do CPP, não pode ultrapassar aquele previsto no 
art. 109 do Código Penal, considerada a pena máxima cominada ao delito denunciado, 
sob pena de ter-se como permanente o sobrestamento, tornando imprescritível a 
infração penal apurada\u201d.15 
 
 Por fim a questão ensejou a edição da Súmula 415 do Superior Tribunal de 
Justiça: \u201cO período de suspensão do prazo prescricional é regulado pelo máximo da pena cominada.\u201d 
 
2.10.7- Modalidades 
 
2.10.7.1- Propriamente Dita 
 
 É calculada levando-se em conta a pena in abstrato e ocorrerá, portanto, antes 
do trânsito em julgado. É a regra do caput do artigo 109. 
 
2.10.7.2- Intercorrente ou Superveniente 
 
 É calculada levando-se em conta a pena in concreto e ocorrerá, portanto, após o 
trânsito em julgado para a acusação, conforme a regra do § 1° do artigo 110. Aplica-se ao lapso temporal 
ocorrido entre a publicação da sentença e o trânsito em julgado. 
 
 Há no entanto, voto do Ministro Marco Aurélio do Supremo Tribunal Federal, 
entendendo que esta hipótese ocorreria somente entre a sentença e acórdãos que a confirmassem. 
 
\u201cA Lei 11.596/2007, ao alterar a redação do inciso IV do art. 117 do CP ("Art. 
117 - O curso da prescrição interrompe-se: ... IV - pela publicação da sentença 
ou acórdão condenatórios recorríveis;"), apenas confirmara pacífico 
posicionamento doutrinário e jurisprudencial no sentido de que o acórdão 
condenatório reveste-se de eficácia interruptiva da prescrição penal. Com base 
nesse entendimento, a Turma indeferiu habeas corpus em que pleiteada a 
declaração de extinção da punibilidade do paciente que, inicialmente condenado 
por abuso de autoridade (Lei 4.898/65, art. 4º, a), tivera sua sentença 
reformada, pelo tribunal de justiça local, para a prática do crime de extorsão, 
sendo este acórdão anulado pelo STJ no tocante à causa especial de aumento de 
pena. Inicialmente, aduziu-se ser juridicamente relevante a existência de dois 
lapsos temporais, a saber: a) entre a data do recebimento da denúncia e a 
sentença condenatória e b) entre esta última e o acórdão que reformara em 
definitivo a condenação, já que o acórdão que modifica substancialmente decisão 
monocrática representa novo julgamento e assume, assim, caráter de marco 
interruptivo da prescrição. Tendo em conta a pena máxima cominada em 
abstrato para o delito de extorsão simples ou a sanção concretamente aplicada, 
constatou-se que, no caso, a prescrição não se materializara. O Min. Marco 
Aurélio ressaltou em seu voto que a mencionada Lei 11.596/2007 inserira mais 
um fator de interrupção, pouco importando a existência de sentença 
condenatória anterior, sendo bastante que o acórdão, ao confirmar essa 
sentença, também, por isso mesmo, mostre-se condenatório. 16 
 
 
 
 
 
 
15 STJ. Relator Ministro JORGE MUSSI. REsp 1113583/MG. 
 
16 STF: HC 92340/SC, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 18.3.2008. (HC-92340) (Informativo 499 do STF). 
 
 
 
Roteiro das Aulas - Direito Penal II - 2013-2.docx2 
 23 
 
2.10.7.3- Retroativa 
 
 
 É calculada levando-se em conta a pena in concreto e ocorrerá, portanto, após o 
trânsito em julgado para a acusação, conforme a regra do § 1° do artigo 110. Aplica-se aos lapsos temporais 
ocorridos da sentença. 
 
2.10.7.4- Virtual, in perspectiva ou retroativa antecipada 
 
 É calculada levando-se em conta a pena que se imagina será aplicada ao réu 
em eventual condenação. Embora aceita por muitos juízes 17 é refutada pelos Tribunais, tendo o Superior 
Tribunal de Justiça editado a Súmula 438 acerca do assunto: \u201cÉ inadmissível a extinção da punibilidade 
pela prescrição da pretensão punitiva com fundamento em pena hipotética, independentemente da existência 
ou sorte do processo penal\u201d. 
 
2.10.8- Prescrição da Pena de Multa (art. 114) 
 
 Aplicável somente na hipótese da prescrição da pretensão punitiva. No caso de 
trânsito em julgado da sentença penal condenatória, o não pagamento da pena multa aplicada isolada ou 
cumulativamente implica no envio do crédito para a Fazenda Pública que o executa nos termos da Lei de 
Execução Fiscal. 
 
 Quando cominada em conjunto com a pena privativa de liberdade prescreve em 
conjunto com esta. Quando cominada isoladamente prescreve em dois anos. 
 
 
2.10.9- Prescrição da Pretensão Executória 
 
2.10.9.1- Termo inicial 
 
Art. 112 - No caso do Art. 110 deste Código, a prescrição começa a correr: 
 
I - do dia em que transita em julgado a sentença condenatória, para a 
acusação, ou a que revoga a suspensão condicional da pena ou o livramento 
condicional; 
II - do dia em que se interrompe a execução, salvo quando o tempo da 
interrupção deva computar-se na pena. 
 
Anote-se o precedente do Superior Tribunal de Justiça: 
 
\u201cO termo inicial da contagem do prazo prescricional da pretensão 
executória é o trânsito em julgado para ambas as partes, porquanto 
somente neste momento é que surge o título penal passível de ser 
executado pelo Estado. Desta forma, não há como se falar em início da 
prescrição a partir do trânsito em julgado para a acusação, tendo em vista 
a impossibilidade de se dar início à execução da pena, já que ainda não 
 
17 A Turma Julgadora Criminal dos Juizados Especiais Criminais de Goiânia confirmou decisão que reconheceu a chamada prescrição virtual 
ou antecipada. O processo é oriundo do 3º Juizado Especial Criminal, do Parque Atheneu. Os juízes Jesseir Coelho de Alcântara e Wilson 
Safatle Faiad votaram favoravelmente, ficando o primeiro como redator do acórdão, vencida a relatora, juíza Liliana Bittencourt. A ementa 
ficou redigida da seguinte maneira: "Fato. Lesão Corporal. Prescrição Virtual. Tendo o fato ocorrido em 3/8/2002, registrado o TCO, e a 
denúncia protocolizada em 21/11/2002, sem recebimento ainda por nunca ter sido realizada audiência de instrução e julgamento, já teria 
operado a prescrição da pretensão punitiva do Estado, pois o máximo da pena a ser imposta seria inferior a um ano, prescrevendo em dois 
anos. A prescrição virtual, perspectiva, projetada ou antecipada pode ser reconhecida antecipadamente, com base na provável pena 
concreta, que será fixada pelo juiz, no momento futuro de eventual condenação. Fundamenta-se no princípio da economia processual, que 
norteia os Juizados Criminais, muito mais importante que a falta de previsão legal, uma vez que nada adianta movimentar inutilmente a 
máquina judiciária com processos que já nascem fadados ao insucesso, nos quais, após condenar o réu, reconhecer-se que o Estado não 
tem mais o poder de puni-lo, devido à prescrição." (João Carlos de Faria) Fonte: Site do TJGO, seção notícias, dia 22/03/2005. 
 
 
 
Roteiro das Aulas - Direito Penal II - 2013-2.docx2 
 24 
 
haveria uma condenação definitiva, em respeito ao disposto no artigo 5º, 
inciso LVII, da Constituição Federal.\u201d 18 
 
 
2.10.9.2- Causas interruptivas 
 
Art. 117 - O curso da prescrição interrompe-se: 
V - pelo início ou continuação do cumprimento da pena; 
VI - pela reincidência. 
 
2.11- Previsão no Anteprojeto do Código Penal 
 
TÍTULO VIII 
EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE 
Extinção da punibilidade 
Art. 107. Extingue-se a punibilidade: 
I \u2013 pela morte do agente; 
II \u2013 pela anistia, graça ou indulto; 
III \u2013 pela retroatividade de lei que não mais considera o fato como criminoso; 
IV \u2013 pela prescrição, decadência ou perempção; 
V \u2013 pela renúncia do direito de queixa ou pelo perdão aceito, nos crimes de ação privada; 
VI \u2013 pela