Ciclo Da Auto-Sabotagem - Stanley Rosner Patricia Hermes.pdf
120 pág.

Ciclo Da Auto-Sabotagem - Stanley Rosner Patricia Hermes.pdf


DisciplinaPsicologia87.999 materiais590.732 seguidores
Pré-visualização47 páginas
Ou eles ficam tímidos? Qual é a mensagem que você está enviando?
Pode ser de grande valia gastar alguns minutos do dia fazendo um exame minucioso de sua saúde mental. Arrume um tempo e
sente-se calmamente, de preferência quando não houver ninguém à sua volta, em uma sala, sozinho. Pense nos acontecimentos do
dia - ou não. Tente ficar quieto e ver o que aparece. Às vezes as ideias brotam, as conexões se estabelecem. Pode ser um
momento bastante criativo, se você não programar nada. E se, dia após dia, os mesmos pensamentos e acontecimentos brotarem,
é possível que sejam, exatamente, os sintomas recorrentes de um ciclo repetitivo na sua vida. Pode ser que você esteja começando
a lidar com essas repetições.
Outra coisa bastante útil que você pode fazer é manter uma espécie de balanço do que está acontecendo em sua vida íntima,
fazendo anotações. Aqui, não me refiro a um diário propriamente. Ao contrário, você pode usar um bloco de notas. Seja ousado,
solte sua imaginação. Crie poesia. Escreva sobre o chefe medonho, a esposa ridícula, os filhos malvados. (Ninguém nunca, nunca,
nunca deverá ter acesso a esse bloco de notas.) É claro, você ama seus filhos, mas eles o deixam maluco. Escreva isso. Talvez as
brigas com a esposa ou o marido pareçam se repetir várias vezes - o mesmo tema. Ele nunca me escuta; ele entende tudo o que
digo de forma errada; ela me deixa de lado; sexo não existe. Ele é tão desprezível; ela é uma perdulária. Por que me casei com meu
pai? Por que ele tem de beber? O que posso fazer? O que posso fazer para mim7. Estou tão irritado essa manhã, não sei por que,
minha vida é uma droga, estou com tanta raiva de minha mãe, o sol está brilhando, quando é que o inverno vai terminar, onde estão
as meias das crianças, Danny tem futebol hoje à tarde, Paul está me dando nos nervos...
Reler essas notas, ver o mesmo assunto, algumas palavras, dia após dia, diz-nos alguma coisa. Diz-nos que algo está
acontecendo na nossa vida. Pode nos revelar o que está acontecendo na nossa vida íntima. Além de revelar algo, esse bloco pode
ajudar a eliminar os dados insignificantes. Por mais estranho que pareça, escrever sobre essas coisas ajuda a pessoa a ir adiante,
deixando isso para trás. Os dados insignificantes podem ser desprezados. (Quem se importa com as meias?) O elemento principal
brota, exigindo reconhecimento e conscientização. Pode ser uma experiência extremamente libertadora. E, se alguém se sentir
inclinado a optar pela terapia, há uma quantidade suficiente de informações já extraídas de seu inconsciente que o ajudarão a
progredir mais rapidamente nas sessões de psicoterapia.
Além de escrever sobre isso, ler também pode ajudar. Há uma grande variedade de livros de autoajuda no mercado, que,
realmente, oferecem algum insight sobre o que está acontecendo internamente, e sugestões de como obter ajuda. Alguns desses
livros são muito bons; outros, obviamente, nem tanto. Mas vá a uma livraria e folheie alguns. Muitos deles propõem soluções
simplistas que não ajudam em nada. Mas alguns podem oferecer, pelo menos, algumas reflexões sobre como mudar de vida, como
observar os ciclos.
A essa altura, é claro, você já sabe que é preciso muito mais do que conscientização para mudar esses padrões repetitivos. No
entanto, às vezes, a conscientização adquirida pela leitura pode ajudar a pessoa a dar o próximo passo. Às vezes, a pessoa não
está ciente do que está fazendo, como foi sinalizado aqui. Mas ler, apenas ler este simples livro que está em suas mãos, pode levá-
la a considerar os hábitos repetitivos de sua própria vida, e começar a fazer as mudanças necessárias.
Depois de ler e pensar sobre tudo isso, imagine que você decidiu começar seu processo de psicoterapia. Será
necessariamente demorado, doloroso e caro? Talvez sim, talvez não. Algumas repetições podem ser trabalhadas em um período de
tempo muito menor, especialmente se a pessoa já estiver pronta para o processo de exame de consciência. Então, como é que se
encontra e se escolhe um terapeuta? Este não é o assunto deste livro, mas há muitos sites na internet, listagens de profissionais do
ramo que são credenciados e diplomados, que têm as qualificações e o treinamento necessários nessa área. A melhor maneira é,
sem dúvida, por indicação de algum colega ou do médico da família. Ou, então, procurar algumas informações por conta própria.
Informe-se sobre esse profissional. Entreviste-o. Tenha um primeiro encontro e veja se se sente bem, confortável, veja se há alguma
química entre vocês. Como em outros aspectos da vida, temos uma boa impressão de algumas pessoas e, de outras, não. O
mesmo é válido na escolha de um terapeuta. Considere se você se sentiria mais confortável trabalhando com um homem ou uma
mulher. Mas seja cuidadoso: às vezes, você pode querer trabalhar com uma mulher porque não gosta de homens. Talvez fosse uma
boa ideia, então, considerar trabalhar esses problemas com um terapeuta. E, é claro, isto também é válido para as mulheres.
Outra coisa prática a considerar é o preço. Descubra se o profissional está no seu plano de saúde. Não faz sentido começar a
terapia, sentir-se confortável, e depois descobrir que você não pode continuar porque as visitas não estão cobertas pelo plano. (Mas
tenha em mente que a maior parte dos planos de saúde impõe limitações à duração e à frequência do tratamento.)
Todas essas são simples maneiras de começar, talvez até as maneiras necessárias para começar. Mas se você está
realmente determinado a romper o ciclo de repetição, deve começar. Sintonize com sua vida interior. Sintonize com o mundo
exterior. Considere as ocasiões em que você se achou na mesma situação difícil, repetidas vezes.
É assustador começar? Sim. É necessário para romper o ciclo? É.
 Significa, apesar de tudo o que foi mencionado, fazer terapia, começar uma viagem com um profissional \u201cqualquer\u201d que está
habilitado a ajudar, a sinalizar e a esclarecer o significado de suas ações. Significa desenvolver uma relação onde você pode
expressar o que realmente sente, dizer o que realmente quer dizer, sem medo, sem julgamentos. Significa envolver-se em uma
relação autêntica, na qual você não tem de desempenhar papéis ou ser alguém que não é.
Não há pecadores na terapia.
E a viagem sempre vale a pena. Ela pode mudar vidas, e muda. E a viagem, em si, pode até ser musical.
Fim
Nota:
As partes \u201cReferências\u201d, \u201cBibliografia\u201d e \u201cSobre os autores\u201d não foram digitalizadas.
Índice
Agradecimentos
Introdução
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Sheyla
Sheyla fez um comentário
Olá Nessa, seria possível me enviar via e-mail? Oli.sheyla@gmail.com obrigada
0 aprovações
Beatsby
Beatsby fez um comentário
Está aí
0 aprovações
Carregar mais