CIRÚRGICAS OTOLÓGICAS (OTOHEMATOMA-TÉCNICAS DE ZEPP - CONCHECTOMIA OU CONCHOTOMIA)
7 pág.

CIRÚRGICAS OTOLÓGICAS (OTOHEMATOMA-TÉCNICAS DE ZEPP - CONCHECTOMIA OU CONCHOTOMIA)


DisciplinaTécnica Cirúrgica Veterinária529 materiais22.051 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Faculdade de Zootecnia, Veterinária e Agronomia \u2013 PUCRS 
Curso de Medicina Veterinária 
Cirurgia Veterinária I 
 
 
 
CIRURGIAS OTOLÓGICAS 
 
 
9) HEMATOMA DO PAVILHÃO AURICULAR (OTOHEMATOMA) 
 
# DEFINIÇÃO: 
 
O hematoma do pavilhão auricular é caracterizado por um aumento repentino do 
volume da orelha, devido ao acúmulo de conteúdo líquido (sangue) na superfície côncava 
(medial) da cartilagem auricular (PINNA), situado entre a pele e a cartilagem. 
 
# ETIOLOGIA: 
 
A causa principal é o trauma, que é decorrente do ato de coçar a orelha, de sacudir a 
cabeça e de esfregar a orelha afetada contra objetos. Normalmente este comportamento está 
associado aos seguintes fatores: 
 
\u2022 otites (bacteriana ou parasitária); 
\u2022 ectoparasitas (sarna, mosca, pulga e carrapato); 
\u2022 corpos estranhos e tumores auriculares. 
 
# DIAGNÓSTICO: 
 
É baseado na apresentação, por ser uma afecção que surge de forma repentina 
(aguda), e pela história clínica (principalmente visando o comportamento do animal nos 
últimos tempos). Na palpação percebesse a presença de conteúdo líquido. 
Diagnóstico diferencial: Abscesso. 
 
# TRATAMENTO: 
 
\u2022 conservativo: consiste na drenagem, lavagem e aspiração do hematoma sob técnica 
de punção asséptica e injeção local de enzimas proteolíticas (2 ou 3 vezes por 
semana). A causa da irritação deve ser determinada e tratada. Este é um tratamento 
mais lento para a recuperação do paciente e só deve ser utilizado em casos de 
otohematomas pequenos (localizados), e nos casos que o tratamento cirúrgico esteja 
contra-indicado. 
 
\u2022 cirúrgico: é o mais eficaz, e o animal deve ser submetido à anestesia geral. A orelha 
é preparada para a cirurgia asséptica (tricotomia, anti-sepsia e colocação de buchas 
de algodão no conduto auditivo), o hematoma é aberto por uma incisão longitudinal 
na face côncava (interna) da orelha. O sangue é removido, a cavidade é curetada e 
lavada exaustivamente, para que sejam removidos todos os depósitos de fibrina e 
coágulos. Se ainda persistir a hemorragia, deve-se procurar o vaso e promover a 
 
Prof. Daniel Roulim Stainki 
34
Faculdade de Zootecnia, Veterinária e Agronomia \u2013 PUCRS 
Curso de Medicina Veterinária 
Cirurgia Veterinária I 
 
 
 
cauterização ou ligadura do mesmo. A sutura de Wolff é recomendada paralela a 
linha de incisão, 2 a 5 mm próximo das bordas, sendo mantidas com a distância de 5 
a 10 mm ao longo de toda a orelha. A incisão deverá permanecer com as bordas 
afastadas permitindo a drenagem de líquidos no pós-operatório. Os pontos deverão 
atravessar toda a espessura da orelha, e a tensão dos mesmos deve ser suficiente 
para manter a posição da pele aderida na cartilagem. O fio indicado é um não 
absorvível (nylon ou polipropileno 2.0 ou 3.0) e o nº de pontos deve ser tantos 
quantos necessário para distribuir uma compressão uniforme sobre toda a orelha. 
Após o hematoma ter sido drenado a causa deve ser tratada. A orelha pode ser 
incluída em uma bandagem compressiva sobre a cabeça. 
 
# PÓS \u2013 OPERATÓRIO: 
 
\u2022 curativo tópico diário para evitar a obstrução o dreno; 
\u2022 remoção dos pontos em 3 semanas. 
 
# COMPLICAÇÕES CIRÚRGICAS: 
 
Retração e enrugamento da cartilagem auricular e o retorno do problema quando a 
causa não for tratada. 
 
 
10) RESSECAÇÃO DA PAREDE LATERAL DO CONDUTO AUDITIVO 
EXTERNO \u2013 TÉCNICA DE ZEPP 
 
# DEFINIÇÃO: 
 
É uma técnica cirúrgica que auxilia no tratamento das otites externas através da 
remoção de parte da cartilagem do conduto auditivo externo. 
 
# OTITE EXTERNA: 
 
É uma inflamação do epitélio do conduto auditivo externo, caracterizado por um 
aumento da produção de cerume e material sebáceo, descamação do epitélio, prurido e dor. 
É a principal indicação para a realização da técnica cirúrgica. 
 
# ETIOLOGIAS DA AFECÇÃO: 
 
\u2022 bactérias (otites purulentas); 
\u2022 parasitas (Otodects cynots); 
\u2022 fungos; 
\u2022 traumas (limpeza inadequada); 
\u2022 reações alérgicas aos produtos de limpeza. 
 
Prof. Daniel Roulim Stainki 
35
Faculdade de Zootecnia, Veterinária e Agronomia \u2013 PUCRS 
Curso de Medicina Veterinária 
Cirurgia Veterinária I 
 
 
 
 
# FATORES PREDISPONENTES: 
 
\u2022 orelhas pendulares com presença de pelos. Ex: Poodles, Cocker Spaniel; 
\u2022 alta umidade no canal auditivo, com a adição do calor e da falta de luz \u2013 estão entre 
os principais fatores predisponentes; 
\u2022 estenose do conduto auditivo. 
 
# DIAGNÓSTICO: 
 
\u2022 exame otológico completo; 
\u2022 cultura e antibiograma. 
 
# TRATAMENTO: 
 
\u2022 clínico: irrigação e limpeza do conduto auditivo externo, uso dos agentes 
ceruminolíticos e antibióticos (tópico e sistêmico), uso dos agentes antifúngicos e 
parasiticidas; 
\u2022 cirúrgico: está indicado quando a otite externa não responde mais à terapia clínica. 
 
O objetivo da cirurgia é promover alterações do meio, por meio do aumento da 
ventilação, diminuindo a umidade, a temperatura e a secreção. Também facilita a drenagem 
dos conteúdos e o tratamento tópico local. 
 
# TÉCNICA CIRÚRGICA: 
 
TÉCNICA DE ZEPP: mediante a anestesia geral e decúbito lateral, o conduto auditivo 
externo é preparado para a cirurgia asséptica (limpeza e anti-sepsia). Uma sonda é 
introduzida no conduto auditivo para determinar a profundidade da incisão. Duas incisões 
verticais são feitas na pele (entre as incisuras pré-trágica e intertrágica \u2013 Fig. 04), maiores 
que o conduto cartilaginoso vertical (aproximadamente 0,5 cm) e são unidas por uma 
incisão horizontal ventral. Este flap cutâneo é dissecado e removido dorsalmente. Se 
necessário, a glândula salivar parótida deve ser rebatida ventralmente. Com uma tesoura de 
Mayo, são feitas duas incisões verticais do conduto cartilaginoso, no sentido dorso-ventral, 
até atingir o conduto auditivo horizontal. Este flap lateral de cartilagem é tracionado 
ventralmente (dobrado) e seccionado, deixando uma sobra para ser suturada ventralmente 
junto à pele. Pontos isolados simples com fio não absorvível monofilamento (2.0 a 3.0) 
estão indicados para unir a borda da cartilagem seccionada com a pele. 
 
# PÓS-OPERATÓRIO: 
 
\u2022 limpeza local diária das secreções e crostas; 
 
Prof. Daniel Roulim Stainki 
36
Faculdade de Zootecnia, Veterinária e Agronomia \u2013 PUCRS 
Curso de Medicina Veterinária 
Cirurgia Veterinária I 
 
 
 
\u2022 uso de anti-sépticos ou antibióticos locais (após antibiograma); 
\u2022 em caso de deiscência dos pontos, a ferida deve ser tratada como ferida aberta 
(cicatrização por contração e epitelização) e usar antibióticos sistêmicos; 
\u2022 retirar os pontos entre 10 e 14 dias. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fig. 04 \u2013 Anatomia da orelha do cão. 
 
 
 
Prof. Daniel Roulim Stainki 
37
Faculdade de Zootecnia, Veterinária e Agronomia \u2013 PUCRS 
Curso de Medicina Veterinária 
Cirurgia Veterinária I 
 
 
 
 
11) CONCHECTOMIA OU CONCHOTOMIA 
 
# DEFINIÇÃO: 
 
É o corte estético de orelhas, feito para dar ao cão a característica externa de sua 
raça ou para o tratamento de algumas afecções auriculares nos animais domésticos. Ex: 
carcinoma de células escamosas no gato. 
 
# PRINCIPAIS INDICAÇÕES: 
 
\u2022 melhorar a aparência estética em algumas raças; 
\u2022 extirpação de neoplasias em felinos. 
 
 
# SELEÇÃO DO PACIENTE PARA A CIRURGIA ESTÉTICA: 
 
\u2022 idade ideal: entre 60 e 90 dias (média: 75 dias), possibilita uma maior probabilidade 
no sucesso estético da cirurgia. 
\u2022 controle parasitário: o animal deve estar livre de endo e ectoparasitos; 
\u2022 vacinas: o animal deve ter recebido pelo menos uma dose de vacina contra 
Parvovirose e Cinomose; 
\u2022 alimentação: deve ser equilibrada; 
\u2022 saúde: antes da cirurgia deve se proceder um exame clínico, verificando o 
hemograma completo e a temperatura, e, ainda,