CIRÚRGICAS OTOLÓGICAS (OTOHEMATOMA-TÉCNICAS DE ZEPP - CONCHECTOMIA OU CONCHOTOMIA)
7 pág.

CIRÚRGICAS OTOLÓGICAS (OTOHEMATOMA-TÉCNICAS DE ZEPP - CONCHECTOMIA OU CONCHOTOMIA)


DisciplinaTécnica Cirúrgica Veterinária529 materiais22.053 seguidores
Pré-visualização2 páginas
observar se o animal está 
apresentando vômito, diarréia ou presença de pústulas no abdome; 
\u2022 avaliação clínica das orelhas: averiguar a posição, a apresentação anormalmente 
grandes e se mostran-se excessivamente espessas ou se contém dobras anormais; 
\u2022 parecer e relato ao proprietário: após observar todos estes aspectos, devemos fazer 
um relatório ao proprietário sobre a possibilidade do sucesso da cirurgia, dos riscos 
ao paciente e dos cuidados pós-operatórios. 
 
# INSTRUMENTAL NECESSÁRIO: 
 
\u2022 material para hemostasia; 
\u2022 material para diérese; 
\u2022 material para síntese; 
\u2022 campo e material auxiliar; 
\u2022 clampe de orelha reto ou curvo (material específico). 
 
 
 
 
Prof. Daniel Roulim Stainki 
38
Faculdade de Zootecnia, Veterinária e Agronomia \u2013 PUCRS 
Curso de Medicina Veterinária 
Cirurgia Veterinária I 
 
 
 
# ANESTESIA: 
 
Por se tratar de uma cirurgia estética, todo cuidado é pouco, e o animal deverá 
permanecer imóvel durante todo o procedimento, necessitando desta forma uma anestesia 
geral. 
 
# TÉCNICA CIRÚRGICA: 
 
Após o preparo do paciente, o mesmo é colocado em decúbito esternal, com o 
focinho apoiado sobre uma almofada. O comprimento das orelhas pode ser medido com o 
auxílio de uma régua esterilizada, a olho, marcando-se com uma agulha, um lápis 
dermatológico ou coincidindo a borda livre cranial da orelha sobre o canto medial do olho. 
As duas orelhas são colocadas juntas, nivelando-se as pontas, quando então a 
marcação de ser igualada. O ponto de referência superior é feito desta forma e o inferior 
deve passar pela incisura intertrágica. 
Após a colocação do clampe de orelhas, a secção é feita com bisturi de maneira 
magistral, envolvendo a pele externa, a cartilagem e a pele interna da orelha. A porção da 
orelha seccionada deve ser guardada para posterior medida. 
O clampe é removido e a hemostasia dos ramos da artéria e veia auricular cranial e 
caudal são feitos por pinçamento e force-torção. O brinco (extremidade mais ventral da 
cartilagem conchal que permanece após a secção) é, então, aparado de maneira a concluir a 
incisão estética. 
Para a secção da outra orelha, a porção seccionada anteriormente pode ser usada 
como referência de medida na colocação do clampe. 
Após a secção e hemostasia da segunda orelha, as duas devem ser comparadas, 
examinando-as com uma vista anterior e posterior, a fim de ser avaliada a estética do 
animal. A sutura deve ser feita com fio não absorvível monofilamentoso 3.0 ou 4.0, com 
uma sutura contínua simples, evitando-se atingir a cartilagem auricular. Os pontos devem 
iniciar sempre pela pele da face medial da orelha, facilitando a cobertura da cartilagem pela 
pele da face lateral que é mais móvel. 
 
# PÓS-OPERATÓRIO: 
 
\u2022 etapa fundamental para o sucesso da cirurgia, o proprietário deve ser instruído a 
acompanhar ativamente esta etapa; 
\u2022 manter as orelhas eretas, usando-se bandagens ou armações por um período entre 15 
a 20 dias; 
\u2022 adaptar uma proteção para que o animal não coce a ferida cirúrgica; 
\u2022 limpeza diária e aplicação de anti-sépticos; 
\u2022 retirada dos pontos de pele aos 8 dias de pós-operatório. 
 
 
 
 
Prof. Daniel Roulim Stainki 
39
Faculdade de Zootecnia, Veterinária e Agronomia \u2013 PUCRS 
Curso de Medicina Veterinária 
Cirurgia Veterinária I 
 
 
 
LEITURA COMPLEMENTAR: 
 
BOJRAB, M.J. Cirurgia dos pequenos animais. 2 ed. São Paulo: Roca, 1986. 
 
OTT, R.L. Ears. In: ARCHBALD, J. Canine surgery. 2 ed. Santa Barbara: American 
Veterinary Publications, 1974. cap. 6, p. 263-290. 
 
HENDERSON, R.A. , HORN, R.D. The pinna. In: SLATTER, D. Textbook of small 
animal surgery. 2 ed. Philadelphia: Saunders Company, 1993. cap. 115, p. 1545-1559. 
 
VAN SLUIJS, F.J. Atlas de cirurgia de pequenos animais. São Paulo: Manole, 1992, 
141p. 
 
 
Prof. Daniel Roulim Stainki 
40