1001 Questoes Comentadas Direito Administrativo CESPE

@direito-administrativo-i ESTÁCIO
#Direito#concurso#Administrativo#CESPE#1001

Pré-visualização

desempenhada. 
Errou a questão ao afirmar que o Brasil adotou a concepção subjetiva 
de serviço público, uma vez que tais critérios adotados isoladamente 
são insuficientes para conceituar serviço público. A concepção de 
serviço público, de origem doutrinária, deverá contar ambas as noções, 
podendo ser definida como toda atividade prestada pelo Estado ou por 
seus delegados, basicamente sob regime de direito público, com vistas à 
satisfação de necessidades essenciais e secundárias da coletividade.  

382. Correto. A Lei 8.987/95, em seu art. 2º, IV, define permissão de 
serviço público exatamente como diz a questão: “permissão de serviço 
público é a delegação a título precário, mediante licitação, da prestação 
de serviços públicos, feita pelo poder concedente à pessoa física ou 
jurídica que demonstre capacidade para seu desempenho, por sua 
conta e risco”. 

383. Errado. A Lei 8.987/95, em seu art. 2º, IV, assim define a 
permissão de serviço público: “é a delegação a título precário, mediante 
licitação, da prestação de serviços públicos, feita pelo poder concedente 
à pessoa física ou jurídica que demonstre capacidade para seu 
desempenho, por sua conta e risco”. 

384. Errado. A questão trouxe a definição de permissão de serviços 
públicos, determinada pela Lei 8.987/95, que em seu art. 2º, IV, assim 
define o referido contrato: “é a delegação a título precário, mediante 
licitação, da prestação de serviços públicos, feita pelo poder concedente 
à pessoa física ou jurídica que demonstre capacidade para seu 
desempenho, por sua conta e risco”. 

385. Errado. Dispõe a Lei 8.987/95, em seu art. 18-A, que o edital 
poderá prever a inversão das fases de habilitação e julgamento das 
propostas. Doutro lado, segundo o regime da Lei nº 8.666/93, em regra, 
a fase externa, genericamente, se divide em: I – publicação do edital; II – 
habilitação; III – julgamento e classificação; IV – homologação; V – 
adjudicação.  

386. Errado. A primeira parte da assertiva está correta ao prever o foro 
de eleição no contrato de concessão (Lei nº 8.987/95, art. 23, XV), já a 
segunda parte está errada ao dizer que não é possível o emprego da 
arbitragem, uma vez que a Lei nº 8.666/93, art. 54, dispõe que “os 
contratos administrativos de que trata esta Lei regulam-se pelas suas 
cláusulas e pelos preceitos de direito público, aplicando-se-lhes, 
supletivamente, os princípios da teoria geral dos contratos e as 



   
   

   
   

   
   

1001 Questões Comentadas - Direito Administrativo - CESPE 
Leandro Cadenas Prado & Patrícia Carla de Farias Teixeira 

128

disposições de direito privado”. Dessa forma, é possível a utilização 
da arbitragem para solução de conflitos oriundos de contratos 
administrativos, ainda mais quando fundamentados no interesse 
público secundário, instrumental, que se concretiza sob a égide do 
Direito Privado e se resolve em relações patrimoniais. Ressalte-se que, 
no âmbito das PPPs, a Lei nº 11.079/2004, em seu art. 11, III, autoriza 
expressamente que o instrumento convocatório preveja o emprego dos 
mecanismos privados de resolução de disputas, inclusive a arbitragem, 
a ser realizada no Brasil e em língua portuguesa, nos termos da Lei no 
9.307, de 23 de setembro de 1996, para dirimir conflitos decorrentes ou 
relacionados ao contrato. 

387. Errado. Dispõe a Lei nº 11.079/04, art. 5º, III, que nos contratos 
de parceria público-privada haverá a repartição dos riscos entre as 
partes, inclusive os referentes a caso fortuito, força maior, fato do 
príncipe e álea econômica extraordinária. Portanto, a responsabilidade 
nesse tipo de contrato é solidária entre as partes, ao contrário do que 
assevera a questão. 

388. Errado. A primeira parte da assertiva está correta ao afirmar que 
a exploração direta de atividade econômica pelo Estado só será 
permitida quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou 
a relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei (CF, art. 173, 
caput). Porém o art. 177 da Carta Magna é claro ao admitir o monopólio 
em nome da União. 

389. Correto. Na Constituição, encontram-se exemplos de serviços 
públicos exclusivos, como o serviço postal e o correio aéreo nacional 
(art. 21, X), os serviços de telecomunicações (art. 21, XI), os de rádio-
difusão, energia elétrica, navegação aérea, transportes e demais 
indicados no art. 21, XIII, e ainda o serviço de gás canalizado (art. 25, § 
2º). 

390. Correto. A Lei nº 8.987/95, art. 2º, II e III, estabelece as 
concessões reguladas por esta lei, ditas concessões comuns, divididas 
em concessões de serviço público simples e concessões de serviço 
público precedidas de execução de obra pública. Já a Lei nº 11.079/04, 
art. 2º, caput, aduz que a parceria público-privada é o contrato 
administrativo de concessão na modalidade patrocinada ou 
administrativa. 

391. Errado. A Lei nº 11.079/04, art. 2º, § 4º, II, objetiva parcerias de 
grande vulto, vedando a celebração de contrato de parceria público-
privada cujo valor seja inferior a R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de 
reais). 



   
   

   
   

   
   

1001 Questões Comentadas - Direito Administrativo - CESPE 
Leandro Cadenas Prado & Patrícia Carla de Farias Teixeira 

129

392. Errado. Nos termos do § 6º do art. 37 da Constituição Federal, as 
pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras 
de serviços públicos têm responsabilidade civil objetiva pelos danos 
que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros. Assim, a 
responsabilidade subsidiária do poder concedente independe da 
existência de culpa concorrente. 



   
   

   
   

   
   

1001 Questões Comentadas - Direito Administrativo - CESPE 
Leandro Cadenas Prado & Patrícia Carla de Farias Teixeira 

130

CAPÍTULO 6 – REGIME JURÍDICO DOS SERVIDORES PÚBLICOS 
FEDERAIS 

393. (CESPE/ABIN/2008) Constitui objetivo fundamental da República 
Federativa do Brasil a promoção do bem de todos, sem preconceitos de 
origem, raça, sexo, cor, idade ou quaisquer outras formas de 
discriminação. Dessa forma, contraria a CF a exigência, contida em 
editais de concursos públicos, sem o devido amparo legal, de limite de 
idade mínima ou máxima para inscrição. 

394. (CESPE/MS/Analista/2010) O edital do concurso público é o 
instrumento idôneo para o estabelecimento do limite mínimo de idade 
para a inscrição no concurso. 

395. (CESPE/ABIN/2008) Conforme entendimento do STF, o exame 
psicotécnico, para ser admitido em concursos públicos, deve estar 
previsto em lei e conter critérios objetivos de reconhecido caráter 
científico, sendo prescindível a possibilidade de reexame na esfera 
administrativa. 

396. (CESPE/TRF-5/Juiz/2009) As regras sobre aposentadoria e 
estabilidade, constantes dos artigos 40 e 41 da CF, se aplicam ao 
pessoal das sociedades de economia mista que exercem atividade 
econômica. 

397. (CESPE/PC-RN/2009) Os três anos de atividade jurídica exigidos 
pela CF ao candidato para inscrição definitiva em concurso de ingresso 
na carreira do MP contam-se da data da colação de grau e não da 
conclusão do curso superior de direito, e incluem o tempo de curso de 
pós-graduação na área jurídica concluído com êxito pelo candidato. 

398. (CESPE/TCU/2007) Nos termos da lei federal que dispõe sobre o 
regime jurídico dos servidores públicos civis da União, a conduta do 
administrador público no sentido de fraudar a licitação e desviar 
dinheiro público sujeita-o à pena de demissão, a ser aplicada pelo 
presidente da República, sendo pacífica a jurisprudência do STF no 
sentido da indelegabilidade dessa atribuição. 

399. (CESPE/TRF-5/Juiz/2009) Conforme entendimento do STF, o 
presidente da República pode delegar aos ministros de Estado, por meio 
de decreto, a atribuição de demitir, no âmbito das suas respectivas 
pastas, servidores públicos federais.