RESUMO: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA (inclui: Incidências; Anatomia em Radiografia Panorâmica; Princípios de Interpretação; Aspecto Radiográfico de Lesões e Alterações Dentais e Periapicais)
10 pág.

RESUMO: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA (inclui: Incidências; Anatomia em Radiografia Panorâmica; Princípios de Interpretação; Aspecto Radiográfico de Lesões e Alterações Dentais e Periapicais)

Disciplina:Radiologia Odontológica301 materiais3.584 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Resumo: Radiologia (incidências e anormalidades)

Incidências

- Há 3 planos principais de referência para as incidências:

• Plano Sagital

• Plano Axial (ou “basal”)

• Plano Frontal

- Há 3 tipos de incidências propriamente ditas:

• Laterais

• Póstero-Anteriores

• Axiais

- Nós veremos todos estes 3 tipos acima em detalhes!

1) Incidências Laterais:

a) Lateral de Mandíbula para ângulo e ramo de mandíbula:
- Paciente: o plano sagital mediano (ou P.S.M.) do paciente ficará paralelo ao chassi e

inclinado 60° em relação ao plano horizontal;

- Incidência: se dá na região de ângulo de mandíbula do lado oposto ao ramo de

mandíbula que se deseja radiografar;

- Angulação: 0° vertical e 90° horizontal;

- Chassi: 60° em relação ao plano horizontal;

- Distância focal: 50cm;

- Indicação: diagnóstico de corpo estranho ou lesões, fraturas, elementos retidos (inclusos ou impactados), estudo de glândulas

salivares;

OBS: o estudo de glândulas salivares é feito, hoje em dia, mais com a ressonância magnética do que incidências radiográficas;

b) Lateral de Mandíbula para corpo de mandíbula:
- Idêntico ao tipo anterior em todos os aspectos, só muda o posicionamento do paciente:

o ápice nasal ficará voltado para o filme;

c) Modificação de Djian:
- Paciente: P.S.M. paralelo ao chassi e perpendicular ao plano horizontal;

- Incidência: região de ângulo de mandíbula do lado oposto ao que se deseja

radiografar;

- Pode ser usada tanto para ramo & ângulo, quanto para corpo de mandíbula;

- Angulação: - 30° vertical e 90° horizontal;

- Distância focal: 50 cm;

- Chassi: perpendicular ao plano horizontal;

- Usada quando o paciente está impossibilitado de virar a cabeça por algum motivo;

d) Telerradiografia lateral:
- Paciente: P.S.M. paralelo ao chassi e perpendicular ao plano horizontal (ou P.H.); plano de Frankfort paralelo ao P.H.; Camper

10° para cima em relação ao P.H.;

- Incidência: região do trago;

- Angulação: 0° vertical e 90° horizontal;

- Chassi: perpendicular ao plano horizontal;

- Usado para documentação biológica, permite comparações;

- Distância focal 1,52m;

- Indivíduo tem que estar em oclusão habitual e tecidos moles em repouso;

- Indicações: ortodontia (cefalometria), traumas, fraturas, cirurgia ortognática, implantodontia.

2) Incidências Póstero-Anteriores:

a) Telerradiografia Frontal:
- Paciente: P.S.M. perpendicular ao chassi e ao P.H.; plano de Frankfort paralelo ao P.H.;

Camper 10° para cima em relação ao P.H.;

- Incidência: 2cm acima da protuberância occipital;

- Angulação: 0° vertical e 0° horizontal;

- Chassi: perpendicular ao plano horizontal;

- Distância Focal: 1,52m;

- Indicações: ortodontia, cirurgia ortognática, traumatologia, sialografia;

b) P.A. de Mandíbula:
- Paciente: P.S.M. perpendicular ao chassi e ao P.H.; plano de Frankfort 25° para baixo e

paciente com boca aberta;

- Incidência: 2cm abaixo da protuberância occipital;

- Angulação: 0° vertical e 0° horizontal;

- Chassi: perpendicular ao plano horizontal, à frente do paciente;

- Distância focal: 80cm;

- Usada amplamente para comparar um lado com o outro (proporcionalidade);

- Indicações: patologias, corpos estranhos, traumatologia, cirurgia;

c) P.A. de Seio Frontal (‘Caldwell’ ou fronto-naso-placa):
- Paciente: P.S.M. perpendicular ao chassi e ao P.H.; plano de Frankfort 25° para baixo; Camper 15° para baixo em relação ao

P.H.;

- Incidência: 3cm acima da protuberância occipital;

- Angulação: +20° vertical e 0° horizontal;

- Chassi: perpendicular ao plano horizontal à frente do paciente;

- Indicações: patologias, sinusopatias;

d) P.A. de Seios Maxilares (‘Waters-Waldron’ ou mento-naso-placa):
- Paciente: P.S.M. perpendicular ao chassi e ao P.H.; plano de Frankfort 45° para cima; Camper 37° para cima em relação ao P.H.

e paciente com boca aberta;

- Incidência: 2cm acima da protuberância occipital;

- Angulação: 0° vertical e 0° horizontal;

- Chassi: perpendicular ao plano horizontal, à frente do paciente;

- Distância focal: 80cm;

- Indicações: patologias, sinusopatias, traumatologia, cirurgias;

3) Incidências Axiais:

a) Submentovértex (ou Hirtz Invertida):
- Paciente: P.S.M. perpendicular ao chassi e ao P.H.; plano de Frankfort paralelo ao chassi e perpendicular ao P.H;

- Incidência: 4cm abaixo do mento;

- Angulação: 0° vertical e 0° horizontal;

- Chassi: perpendicular ao P.H.;

- Distância focal: 60 a 75 cm;

- Indicações: traumatologia (fratura do arco zigomático), cirurgia, estudo da ATM, estudo da base do crânio, seio esfenoidal, seio

maxilar;

Anatomia Radiográfica da Incidência Panorâmica
- Não confundir incidência panorâmica com corte panorâmico de tomografia (este último fornece um resultado fidedigno);

- A imagem da incidência panorâmica tem uma distorção inevitável de 20 a 30%;

OBS: nesta aula, o professor não passou conteúdo pelo projetor. Ele apenas distribuiu uma folha sulfite com um desenho

esquemático de uma tomada panorâmica, e apontou algumas estruturas anatômicas. Na folha seguinte, poderá observar os

aspectos anatômicos citados e suas respectivas localizações!

Princípios de Interpretação Radiográfica

- O diagnóstico é obtido através da soma de:

Exames Clínicos;

Exames Radiográficos;

Exames Laboratoriais;

- O que é a radiografia? R: É o registro fotográfico de uma imagem produzida pela passagem de uma fonte de raios X através de

um objeto.

- Qual a importância da radiografia? R: Ela auxilia no estabelecimento do diagnóstico, colabora no plano de tratamento e orienta

e acompanha qualquer manobra terapêutica. Descobrir, confirmar, classificar, definir e localizar lesões.

- Nota-se que a imagem radiográfica de um paciente é altamente variável com o tempo, não é algo atemporal. Portanto, não

adianta você ter uma imagem radiográfica do ano 2012 do seu paciente e querer usá-la como referência para fazer uma cirurgia

em 2016.

- A qualidade da radiografia é resultado de um bom padrão: máximo de detalhes, mínima distorção e grau médio de contraste e

densidade. O objetivo de fazer-se o controle de qualidade das imagens é a obtenção de imagens fidedignas frente a níveis

mínimos de exposição.

- Os exames de rotina para odontologia são os intraorais e ou extraorais (estes últimos são geralmente feitos em clínicas

especializadas).

- As radiografias induzem algum risco ao paciente? R: As radiografias intra e extraorais apresentam menos risco ao paciente do

que radiações de fundo ambiental (raios U.V., radiação cósmica, etc.).

Princípios da interpretação radiográfica

1º Princípio:
- A região a ser interpretada deve aparecer totalmente na radiografia e na incidência que melhor reproduza a região.

2º Princípio:
- A radiografia a ser interpretada deve abranger a área alterada e uma área saudável circundante.

3º Princípio:
- Há necessidade de conhecimento da anatomia e suas variações; bem como o conhecimento das entidades patológicas que

podem provocar o aparecimento de imagens radiográficas.

4º Princípio:
- Sempre que se inicia um tratamento odontológico, há necessidade de um levantamento completo dos arcos dentais, e/ou das

regiões edêntulas (se existentes), mesmo que não ocorra uma suspeita clínica.

Visualização de Radiografias
- Negatoscópio;

- Lupas;

- Ambiente escuro;

Órgão Dentário:
Arlene Brandão fez um comentário
  • Radiologia odonto
    1 aprovações
    Carregar mais