A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
25 pág.
apostila aulaorj OABdeBolso

Pré-visualização | Página 8 de 9

da 
creche Arca de Noé. Pedro, divorciado, 
pai de Júlia e Bruno, com cinco e sete 
anos de idade respectivamente, alunos 
da creche, atravessava a faixa de 
pedestres para buscar os filhos, quando 
é atropelado pelo carro de Felipe. Pedro 
fica gravemente ferido e vem a falecer, 
em decorrência das lesões, um mês 
depois. Maria, mãe de Júlia e Bruno, 
agora privados do sustento antes pago 
pelo genitor falecido, ajuíza demanda 
reparatória em face de Felipe, que está 
sendo processado no âmbito criminal 
por homicídio culposo no trânsito. 
 
21 
www.espacojuridico.com 
Com base no caso em questão, assinale a 
opção correta. 
A) Felipe indenizará as despesas 
comprovadamente gastas com o mês de 
internação para tratamento de Pedro, 
alimentos indenizatórios a Júlia e Bruno 
tendo em conta a duração provável da vida 
do genitor, sem excluir outras reparações, a 
exemplo das despesas com sepultamento e 
luto da família. 
B) Felipe deverá indenizar as despesas 
efetuadas com a tentativa de 
restabelecimento da saúde de Pedro, sendo 
incabível a pretensão de alimentos para seus 
filhos, diante de ausência de previsão legal. 
C) Felipe fora absolvido por falta de provas 
do delito de trânsito na esfera criminal e, 
como a responsabilidade civil e a criminal 
não são independentes, essa sentença fará 
coisa julgada no cível, inviabilizando a 
pretensão reparatória proposta por Maria. 
D) Felipe, como a legislação civil prevê em 
caso de homicídio, deve arcar com as 
despesas do tratamento da vítima, seu 
funeral, luto da família, bem como dos 
alimentos aos dependentes enquanto 
viverem, excluindo-se quaisquer outras 
reparações. 
5. (OAB/XVI EXAME) Mediante o 
emprego de violência, Mélvio esbulhou a 
posse da Fazenda Vila Feliz. A vítima do 
esbulho, Cassandra, ajuizou ação de 
reintegração de posse em face de Mélvio 
após um ano e meio, o que impediu a 
concessão de medida liminar em seu 
favor. Passados dois anos desde a 
invasão, Mélvio teve que trocar o 
telhado da casa situada na fazenda, pois 
estava danificado. Passados cinco anos 
desde a referida obra, a ação de 
reintegração de posse transitou em 
julgado e, na ocasião, o telhado 
colocado por Mélvio já se encontrava 
severamente danificado. 
Diante de sua derrota, Mélvio 
argumentou que faria jus ao direito de 
retenção pelas benfeitorias erigidas, 
exigindo que Cassandra o reembolsasse. 
A respeito do pleito de Mélvio, assinale a 
afirmativa correta. 
A) Mélvio não faz jus ao direito de retenção 
por benfeitorias, pois sua posse é de má-fé e 
as benfeitorias, ainda que necessárias, não 
devem ser indenizadas, porque não mais 
existiam quando a ação de reintegração de 
posse transitou em em julgado. 
B) Mélvio é possuidor de boa-fé, fazendo jus 
ao direito de retenção por benfeitorias e 
devendo ser indenizado por Cassandra com 
base no valor delas. 
C) Mélvio é possuidor de má-fé, não fazendo 
jus ao direito de retenção por benfeitorias, 
mas deve ser indenizado por Cassandra com 
base no valor delas. 
D) Mélvio é possuidor de má-fé, fazendo jus 
ao direito de retenção por benfeitorias e 
devendo ser indenizado pelo valor atual 
delas. 
6. (OAB/SALVADOR) Manoel, em 
processo judicial, conseguiu impedir 
que fosse penhorado seu único imóvel, 
sob a alegação de que este seria bem de 
família. O exequente, então, pugna pela 
penhora da vaga de garagem de Manoel. 
 
22 
www.espacojuridico.com 
A esse respeito, assinale a afirmativa 
correta. 
A) A vaga de garagem não é considerada 
bem de família em nenhuma hipótese; 
portanto, sempre pode ser penhorada. 
B) A vaga de garagem que possui matrícula 
própria no registro de imóveis não pode ser 
penhorada, por ser acessória ao bem 
principal impenhorável. 
C) A vaga de garagem só poderá ser 
penhorada se existir matrícula própria no 
Registro de Imóveis. 
D) A vaga de garagem que não possui 
matrícula própria no registro de imóveis não 
constitui bem de família para efeito de 
penhora. 
7. (OAB/V EXAME) Heitor, solteiro e pai 
de dois filhos também solteiros 
(Roberto, com trinta anos de idade, e 
Leonardo, com vinte e oito anos de 
idade), vem a falecer, sem deixar 
testamento. Roberto, não tendo 
interesse em receber a herança deixada 
pelo pai, a ela renuncia formalmente por 
meio de instrumento público. Leonardo, 
por sua vez, manifesta inequivocamente 
o seu interesse em receber a herança 
que lhe caiba. Sabendo-se que 
Margarida, mãe de Heitor, ainda é viva e 
que Roberto possui um filho, João, de 
dois anos de idade, assinale a 
alternativa correta. 
(A) Roberto não pode renunciar à herança, 
pois acarretará prejuízos a seu filho, João, 
menor de idade. 
(B) Roberto pode renunciar à herança, o que 
ocasionará a transferência de seu quinhão 
para João, seu filho. 
(C) Roberto pode renunciar à herança, e, 
com isso, o seu quinhão será acrescido à 
parte da herança a ser recebida por 
Leonardo, seu irmão. 
(D) Roberto pode renunciar à herança, 
ocasionando a transferência de seu quinhão 
para Margarida, sua avó, desde que ela 
aceite receber a herança. 
 
Direito Constitucional: Cristiano Lopes 
01. (FGV: OAB – X Exame Unificado) Em 
relação aos remédios constitucionais, 
assinale a afirmativa correta. 
A) O habeas data pode ser impetrado ainda 
que não haja negativa administrativa em 
relação ao acesso a informações pessoais. 
B) A ação popular pode ser impetrada por 
pessoa jurídica. 
C) O particular pode figurar no polo passivo 
da ação de habeas corpus. 
D) O mandado de segurança somente pode 
ser impetrado quando as questões jurídicas 
forem incontroversas. 
02. (FGV: OAB – XII Exame Unificado) A 
Constituição declara que todos podem 
reunir-se em local aberto ao público. 
Algumas condições para que as reuniões 
se realizem são apresentadas nas 
alternativas a seguir, à exceção de uma. 
Assinale-a. 
A) Os participantes não portem armas. 
B) A reunião seja autorizada pela autoridade 
competente. 
 
23 
www.espacojuridico.com 
C) A reunião não frustre outra reunião 
anteriormente convocada para o mesmo 
local. 
D) Os participantes reúnam-se 
pacificamente. 
03. (FGV: OAB – XII Exame Unificado) 
João, 29 anos de idade, brasileiro 
naturalizado desde 1992, decidiu se 
candidatar, nas eleições de 2010, ao 
cargo de Deputado Federal, em 
determinado ente federativo. Eleito, e 
após ter tomado posse, foi escolhido 
para Presidir a Câmara dos Deputados. 
Com base na hipótese acima, assinale a 
afirmativa correta. 
A) João não poderia ter-se candidatado ao 
cargo de Deputado Federal, uma vez que 
esse é um cargo privativo de brasileiro nato. 
B) João não poderia ser Deputado Federal, 
mas poderia ingressar na carreira 
diplomática em que não é exigido o requisito 
de ser brasileiro nato. 
C) João poderia ter-se candidatado ao cargo 
de Deputado Federal, bem como ser eleito, 
entretanto, não poderia ter sido escolhido 
Presidente da Câmara dos Deputados, eis 
que esse cargo deve ser exercido por 
brasileiro nato. 
D) João não poderia ter-se candidatado ao 
cargo de Deputado Federal, mas poderia ter 
se candidatado ao cargo de Senador da 
República, mesmo sendo brasileiro 
naturalizado. 
04. (FGV: OAB – XVIII Exame Unificado) 
Ao proferir um discurso em sua cidade 
natal, José, deputado federal pelo 
Estado E, afirma, de forma contundente, 
que um país democrático tem por regra 
inviolável escolher o chefe do Poder 
Executivo por meio de eleições diretas. 
Complementa sua fala