A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
69 pág.
AVALIANDO APRENDIZADO PROC PENAL II  80 QUESTOES

Pré-visualização | Página 1 de 27

Fechar
	
	  DIREITO PROCESSUAL PENAL II
	
	Desempenho: 0,3 de 0,5
	Data: 07/06/2016 11:23:03 (Finalizada)
	
	 1a Questão (Ref.: 201302573537)
	Pontos: 0,0  / 0,1
	Acerca dos institutos da mutatio e emendatio libelli, marque a alternativa incorreta:
		
	
	Segundo entendimento prevalente, a mutatio só é aplicável aos crimes de ação pública.
	 
	A emendatio libelli pode ser aplicada tanto em 1ª quanto em 2ª instância.
	 
	Na emendatio libelli é imprescindível a superveniência de fato não descrito na denúncia ou queixa.
	
	Não se admite mutatio libelli em segunda instância.
	
	A mutatio libelli exige, para seu reconhecimento, a apresentação de aditamento por parte da acusação.
		
	
	
	 2a Questão (Ref.: 201302046751)
	Pontos: 0,1  / 0,1
	"A" foi denunciado pela prática de furto, tendo a denúncia narrado que ele abordou a vítima e, após desferir-lhe socos e pontapés, subtraiu para si a bolsa que ela carregava. Nesse caso:
		
	
	o Juiz poderá dar ao fato classificação jurídica diversa da que constou da denúncia, dando ao Ministério Público e à Defesa oportunidade para se manifestarem e arrolarem testemunhas.
	 
	o Juiz poderá dar aos fatos classificação jurídica diversa, condenando o réu pela prática de roubo.
	
	como o fato foi classificado erroneamente, o Juiz poderá condenar o réu por roubo, devendo, antes, proceder ao seu interrogatório.
	
	o Juiz não poderá condenar o réu por roubo, por ser a pena desse crime mais grave que a do furto.
	
	o processo será nulo se o Juiz condenar o acusado por roubo, porque violado o princípio da correlação entre a sentença e o pedido.
		
	
	
	 3a Questão (Ref.: 201302631090)
	Pontos: 0,0  / 0,1
	(84º Concurso de Promotor de Justiça Substituto Ministério Público/SP) O ato de comunicação processual que convoca as testemunhas para depor e a ciência de atos processuais que se dá ao réu preso intitula-se, respectivamente:
		
	
	Deliberação e intimação;
	 
	Notificação e citação;
	 
	Notificação e intimação;
	
	Intimação e requisição;
	
	Convocação e requisição.
		
	
	
	 4a Questão (Ref.: 201301975403)
	Pontos: 0,1  / 0,1
	Assinale a opção INCORRETA.
		
	
	O juiz criminal pode rejeitar o laudo pericial.
	 
	O juiz criminal deve observar regime de provas legais.
	
	Os jurados no tribunal do júri julgam por íntima convicção.
	
	Na falta de exame de corpo de delito, a prova testemunhal
		
	
	
	 5a Questão (Ref.: 201302655510)
	Pontos: 0,1  / 0,1
	(MPU/MPDFT/Promotor de Justiça Adjunto) No conflito entre o direito à prova e a busca da verdade real, existem normas- dispositivo e normas-princípio que regulam a atividade das partes. A esse respeito, assinale a opção correta.
		
	
	É ilícito o uso processual do conteúdo das gravações feitas por familiares das vítimas do crime de extorsão mediante sequestro, sem autorização judicial.
	
	Em virtude do princípio da proporcionalidade, é válida a apreensão, por mandado judicial, regularmente expedido pela autoridade judicial competente, do produto do crime de roubo, mesmo se, para a localização dessa res furtiva, a polícia tiver empregado tortura contra o suspeito.
	
	É ilegal a busca e apreensão, sem mandado judicial, realizada em automóvel conduzido por pessoa sobre quem pesem fundadas suspeitas de estar na posse de objetos que constituam corpo de delito.
	 
	Já decidiu o STF que não deve haver anulação do processo em que se produziu prova ilícita, se outros elementos de convicção, por si mesmos, forem suficientes para respaldar a condenação do réu.
		
	  DIREITO PROCESSUAL PENAL II
	
	Desempenho: 0,3 de 0,5
	Data: 07/06/2016 11:28:30 (Finalizada)
	
	 1a Questão (Ref.: 201301975453)
	Pontos: 0,1  / 0,1
	(OAB-FGV) Em processo sujeito ao rito ordinário, ao apresentar resposta escrita, o advogado requer a absolvição sumária de seu cliente e não propõe provas. O juiz, rejeitando o requerimento de absolvição sumária, designa audiência de instrução e julgamento, destinada à inquirição das testemunhas arroladas pelo Ministério Público e ao interrogatório do réu. Ao final da audiência, o advogado requer a oitiva de duas testemunhas de defesa e que o juiz designe nova data para que sejam inquiridas. Considerando tal narrativa, assinale a afirmativa correta.
		
	 
	O juiz só deve deferir a oitiva de testemunhas de defesa arroladas posteriormente ao momento da apresentação da resposta escrita se ficar demonstrado que a necessidade da oitiva se originou de circunstâncias ou fatos apurados na instrução.
	
	O juiz deve deferir o pedido, pois apesar de a juntada do rol de testemunhas da defesa não ter sido feita no momento correto, em nenhuma hipótese do processo penal, o juiz deve indeferir diligências requeridas pela defesa.
	
	O juiz não deve deferir o pedido, pois o desmembramento da audiência una causa nulidade absoluta.
	
	O juiz deve deferir o pedido, pois a juntada do rol das testemunhas de defesa pode ser feita até o encerramento da prova de acusação.
		
	
	
	 2a Questão (Ref.: 201302046709)
	Pontos: 0,1  / 0,1
	No que se refere à suspensão do processo prevista no artigo 89, da Lei no 9.099/95, é INCORRETO afirmar que
		
	 
	a decisão judicial que homologa a suspensão condicional do processo interrompe a prescrição e, durante o prazo de suspensão do processo, não correrá a prescrição.
	 
	a suspensão poderá ser revogada se o acusado vier a ser processado, no curso do prazo, por contravenção, ou descumprir qualquer outra condição imposta.
	 
	a suspensão será revogada se, no curso do prazo, o beneficiário vier a ser processado por outro crime.
	 
	além das condições obrigatórias estabelecidas por lei o Juiz poderá especificar outras condições a que fica subordinada a suspensão, desde que adequadas ao fato e à situação pessoal do acusado.
	 
	expirado o prazo de suspensão do processo, sem revogação, o Juiz declarará extinta a punibilidade.
		
	
	
	 3a Questão (Ref.: 201302042121)
	Pontos: 0,0  / 0,1
	No que diz respeito à prova no âmbito do direito processual penal, assinale a alternativa correta:
		
	
	De acordo com a jurisprudência firmada no STJ, o MP está autorizado, desde que para fins de instrução processual penal, a requerer, diretamente, sem prévia autorização judicial, a quebra de sigilo bancário ou fiscal dos agentes envolvidos em delitos sob investigação.
	
	A gravação de conversa telefônica feita por um dos interlocutores, sem conhecimento do outro, ainda que ausente causa legal de sigilo ou de reserva da conversação, é considerada prova ilícita.
	 
	A violação do sigilo telefônico é admitida pela norma constitucional, para fins de investigação criminal ou instrução processual penal, mesmo que a decisão judicial que a determine não esteja devidamente fundamentada e que tenham sido esgotados todos os outros meios disponíveis de obtenção de prova.
	 
	A violação do sigilo telefônico é admitida pela norma constitucional, para fins de investigação criminal ou instrução processual penal, desde que a decisão judicial que a determine esteja devidamente fundamentada e que tenham sido esgotados todos os outros meios disponíveis de obtenção de prova.
		
	
	
	 4a Questão (Ref.: 201302536317)
	Pontos: 0,0  / 0,1
	(TJ-SC - 2009 - Analista Judiciário) A Lei 9.099 de 26 de novembro de 1995 instituiu os Juizados Especiais Cíveis e Criminais, os quais tem competência para conciliação, processo, julgamento e execução, nos limites da indigitada lei. No que respeita aos Juizados Especiais Criminais, é correto afirmar: I. Na reunião de processos, perante o juízo comum ou o tribunal do júri, decorrentes da aplicação