Eicosanoides

Eicosanoides


DisciplinaBioquímica Básica559 materiais5.029 seguidores
Pré-visualização1 página
Eicosanóides
Carlos Alexandre, Cícero Romão,
Cristina Lima, Damiris Vieira,
Driely Nayanne, Emanuel Leandro
Reginaldo Moreira
Faculdade Santa Maria
Bioquímica I
Glériston Moura
Cajazeiras-PB
2015
DEFINIÇÃO
Eicosanóides
2
São sinais químicos celulares lipídicos similares a hormônios, porém que não entram na corrente sanguínea. 
Controla diversos sistemas do organismo humano, especialmente na inflamação, imunidade e como mensageiro do sistema nervoso central (SNC).
São sinais químicos celulares lipídicos similares a hormônios, porém que não entram na corrente sanguínea, atuando apenas na própria célula e nas células vizinhas (resposta parácrina). Presentes em cada uma das nossas milhões de células, exercem um complexo controle sobre diversos sistemas do organismo humano, especialmente na inflamação, imunidade, e como mensageiros do sistema nervoso central. As redes de controles biológicos que dependem dos eicosanoides estão entre as mais complexas do corpo humano. Os eicosanóides não são transportados pela circulação, exercem seu efeito no local onde são sintetizados e possuem uma curta meia-vida, regulam processos fisiológicos: contração muscular, regulam a pressão arterial, dilatação dos brônquios, contração uterina, reação inflamatória, manifestação da dor e febre, coagulação sanguínea e outros.
2
SÍNTESE
São sintetizados a partir dos ácidos graxos essenciais Ácido Linoleico da família do ômega 6 e do Ácido Linolênico da família do ômega 3.
 
3
\u3a9-6 Pró-inflamatórios
\u3a9-3 Anti-inflamatórios
São moléculas derivadas de ácidos graxos com 20 carbonos das famílias ômega 3 e ômega 6. A síntese de eicosanoides se inicia a partir dos ácidos linoléico e do linolênico sofrendo ação de enzimas dessaturases e alongases, dando origem especialmente ao ácido araquidônico, o precursor da maioria dos eicosanoides.
O ômega 6 dá principalmente origem a eicosanóides pró inflamatórios (aumentam a inflamação) e o ômega 3 dá principalmente origem a eicosanóides anti-inflamatórios (combatem a inflamação).
3
LIBERAÇÃO DE ÁC. ARAQUIDÔNICO DA MEMBRANA CELULAR
Eicosanóides
4
LESÃO
ÁCIDO ARAQUIDÔNICO
Ao primeiro sinal de alerta as membranas das células imunes liberam o ácido araquidônico e produzem diferentes eicosanóides pró inflamatórios. 
O ômega 3 tem um peso maior na função de defesa porque ele é um anti-inflamatório ou seja, combate as inflamações, enquanto o ômega 6 tem maior importância no processo inflamatório e formação de coágulos porque ele é um pró-inflamatório ou seja, aumenta a inflamação. 
A quantidade desses ácidos graxos na dieta de uma pessoa afeta as funções controladas pelos eicosanoides no organismo dela.
4
VIAS DE SÍNTESE
Eicosanóides
5
A síntese destes inicia-se com a liberação de ácidos graxos da bicamada lipidica, esta liberação ocorre através de uma hidrólise catalisada pela enzima fosfolipase, isto ocorre por exemplo em resposta a inflamação e reações alérgicas.
5
TIPOS DE EICOSANÓIDES
Eicosanóides
6
Prostaglandinas;
Tromboxanos;
Leucotrienos;
PROSTAGLANDINAS
 Vasodilatadoras;
 
Relaxa o músculo liso respiratório;
Contraí o músculo uterino;
Aumenta a temperatura corporal;
Eicosanóides
7
As prostaglandinas são vasodilatadoras, promovem a vasodilatação por diminuição do cálcio intacelular do músculo liso.
O músculo liso respiratório é relaxado.
Em baixas concentrações elas aumentam a agregação plaquetária e em altas concentrações inibe a agregação plaquetária.
As prostaglandinas têm o poder da quimiotaxia, atraindo células como macrófagos especializadas na fagocitose de restos celulares resultantes durante o processo inflamatório. Sua ação varia de acordo com o receptor, sendo sua vida útil muito curta.
A prostaglandina (PGE2) é um Eicosanóide do grupo das prostaglandinas. É um derivado do ácido araquidónico e, consequentemente, pertence à série 2 dos eicosanóides, pois possui duas ligações covalentes duplas. É um dos produtos da via metabólica da cascata do ácido araquidónico. São produzidos por quase todas as células, geralmente em locais de dano tecidual ou infecção, pois estão envolvidos em lidar com lesões e doenças. Elas controlam os processos, tais como a inflamação, o fluxo de sangue, a formação de coágulos de sangue e a indução do trabalho de parto. Eles podem ser usados \u200b\u200bpara tratar úlceras do estômago, glaucoma e doença cardíaca congênita em recém-nascidos e para induzir ao parto.
Reduz secreção de ácido gástrico, Aumenta secreção de muco no estômago, Contração do útero durante a gravidez.
7
TROMBOXANOS
Eicosanóides
8
 Vasoconstritor;
Contraí o músculo liso respiratório;
Contraí o músculo uterino; 
São sintetizados nas plaquetas e tem a função na formação de coágulos sanguíneos e na redução do fluxo de sangue no local do coágulo. Tromboxanos são vasoconstritores na circulação sistêmica, mas vasodilatadores na circulação pulmonar, e potentes agentes hipertensivos, além de facilitarem a agregação plaquetária.
8
LEUCOTRIENOS
Eicosanóides
9
 Lípidios da família dos Eicosanóides;
Potentes na constrição da musculatura lisa;
Ações dos leucotrienos: Processos de inflamação crônica e situações alérgicas;
Os leucotrienos são extremamente potentes na constrição da musculatura lisa. Além disso, os leucotrienos participam nos processos de inflamação crônica, aumentando a permeabilidade vascular e favorecendo, portanto, o edema da zona afetada. É produzido a partir de leucócitos em resposta a mediadores inflamatórios e é capaz de induzir a adesão e ativação de leucócitos no endotélio, que lhes permite ligarem-se e atravessar o tecido. são mediadores de processos alérgicos agudos, agem fazendo constrição dos brônquios, por isso utiliza-se um anti-inflamatório contra asma, a fim de inibir os leucotrienos e impedir esta constrição, permitindo assim a respiração do individuo.
9
INIBIÇÃO DOS EICOSANÓIDES
Eicosanóides
10
Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Fármacos anti-inflamatórios, analgésicos e anti-piréticos interferem no metabolismo dos eicosanóides: 
Corticosteróides inibem a enzima fosfolipase, reduzindo assim a disponibilidade de ácido araquidônico e afetando desta forma a síntese de todos os eicosanóides derivados deste ácido graxo.
Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) como a Aspirina®, Indometacina, fenilbutazona, Ibuprofeno, diclofenaco e outros bloqueiam apenas a via de síntese das prostaglandinas, prostaciclinas e tromboxanas, não atuam sobre os leucotrienos. AINEs inibem a COX (ciclooxigenase) que permite a ciclização do ácido araquidônico incorporando um Oxigênio.
Aspirina® em doses baixas previne infartos, pois evita a formação de trombos e coágulos ao impedir a síntese de tromboxanas, que é praticamente o único eicosanóide relacionado a plaquetas
10
REFERÊNCIAS
Eicosanóides
11
PRICILA. Eicosanóides. Disponível em: http://amobioquimica.blogspot.com.br/2011/08/eicosanoides.html. Acesso em: 29 de nov. 2015.
JEAN PAIVA. Eicosanóides. Disponível em: http://biobiocolesterol.blogspot.com.br/2011/11/eicosanoides.html. Acesso em: 29 de nov. 2015.
WIKIPÉDIA, A ENCICLOPÉDIA LIVRE. Prostaglandina. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Prostaglandina. Acesso em: 30 de nov. 2015. 
 BERTRAM, G. Farmacologia Básica e Clínica. Décima Edição. Ltda, 2010. 266-269 p.