A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
ADM_FINANCEIRA_II_MODELO_CAPM

Pré-visualização | Página 1 de 2

03/09/2013
1
Instituto Federal de 
Minas Gerais
Campus Ribeirão das Neves
Administração Financeira II
MODELO CAPM
Prof. Vander Ribeiro Almeida
11
e-mail: 
ribeirovander@hotmail.com twitter: @almeidavander
Celular: (31) 9157-6557
Objetivos de aprendizagem:
� Entender Risco e Retorno;
� Compreender o risco e retorno de uma carteira 
de ativos;
� Entender a derivação do beta (β); e
� Modelo de precificação de ativos (CAPM).
2
Modelo CAPM
Modelo CAPM
Contextualização:
Tratando-se de investimentos, e principalmente, no 
mercado de capitais a compreensão e 
consequente prevenção quanto aos riscos
inerentes e retorno esperado, são instrumentos 
que norteiam a tomada de decisões de:
Quanto... Quando... e Onde... investir!!!
3
Modelo CAPM
Contextualização:
existe a probabilidade de obtenção de significativos 
retornos sobre os investimentos, porem as 
probabilidades de perdas são significativas, 
sobretudo em transações com derivativos. 
4
Modelo CAPM
Contextualização:
antes de aplicar as economias, o investidor precisa 
conhecer o preço de mercado do ativo no qual 
irá investir, sua capacidade de gerar futuros 
fluxos de caixa positivos, os riscos envolvidos, 
bem como o retorno esperado, para que o 
investimento seja atrativo.
5
Modelo CAPM
Conceitos:
� Carteira: grupo de ativos;
� Risco: probabilidade de perda financeira;
� Retorno: ganho ou perda total em um 
investimento em certo período;
6
03/09/2013
2
Modelo CAPM
Conceitos:
� Derivativos: valores mobiliários, cuja 
rentabilidade estão vinculadas a ativos que lhes 
servem de referência;
� Probabilidade: chance de um dado evento 
acontecer;
7
Risco
Variabilidade dos retornos associados a 
determinado ativo: 
� Um investimento que garante 20% de retorno ao 
ano representa risco?
� E um investimento de R$ 100 mil, cujo retorno 
pode variar entre 0% e 50% de retorno ao ano?
8
GITMAN (2010)
Retorno
Retorno está relacionado a alguns fatores, como: 
� visão e oportunidade de negócio identificada 
pelo investidor;
� cenário econômico nacional e internacional; 
� experiência do investidor; e
� mensuração dos riscos. 
9
Retorno
O retorno sobre um investimento será quão maior 
quanto aos riscos relacionado. 
Investimentos nas bolsas de valores: existe a 
probabilidade de retornos significativos, podendo 
até mais que triplicar o capital investido, porem 
existe o risco de perdas na mesma proporção.
10
Retorno
Calculando a taxa de retorno:
Rt = FC + Pm – Po
Po
Onde:
Rt = taxa de retorno efetiva, esperada.
FC = fluxo de caixa recebido no período.
Pm = preço de mercado (valor justo).
Po = preço de aquisição do ativo (investimento).
11
Retorno
Exemplo:
Um equipamento foi adquirido por R$ 20.000 e
tem valor de mercado de R$ 21.500. Gerou
entradas de caixa (receitas) de R$ 800 no período,
após imposto:
Rt = FC + Pm – Po = 800 + 21.500 – 20.000 = 11,5%
Po 20.000
12
03/09/2013
3
Retorno
Exercício 1:
Uma linha de montagem foi adquirida por R$
250.000 e tem valor de mercado de R$ 210.500.
Gerou entradas de caixa (receitas) de R$ 80.000
no período, após imposto:
Rt = FC + Pm – Po = 80.000 + 210.500 – 250.000 = 16,2%
Po 250.000
13
Retorno
Exercício 2:
Uma empresa adquirida por R$ 550.000 e tem
valor de mercado de R$ 350.500. Gerou entradas
de caixa (receitas) de R$ 190.000 no período, após
imposto:
Rt = FC + Pm – Po = 190.000 + 350.500 – 550.000 = -1,72%
Po 550.000
14
Risco X Retorno
15
Taxa de 
Retorno
Risco
Beta x
Kx
Risco X Retorno
16
Taxa de 
Retorno
Risco
Beta x Beta y
Ky
Kx
Risco X Retorno
Geralmente os Administradores Financeiros são 
Avessos ao Risco, ou seja, requerem um retorno 
maior para compensar um aumento no risco.
Assim, quanto maior o risco exigem-se ou 
esperam-se um maior retorno.
17
GITMAN (2010)
Mensuração do Risco
Para medir o Risco, faz-se necessária a realização 
de uma Análise de Cenários – quando são 
considerados vários resultados alternativos 
possíveis (cenários) para se ter uma noção da 
variabilidade dos retornos:
pessimista – esperados – otimista 
18
GITMAN (2010)
03/09/2013
4
Mensuração do Risco
Assim, o risco dos ativos pode ser medido pela 
Amplitude dos retornos.
Amplitude = cenário otimista – cenário pessimista
Quanto maior a amplitude (variabilidade) 
maior será o risco
19
GITMAN (2010)
Mensuração do Risco
20
GITMAN (2010)
ANÁLISE DE CENÁRIOS - ATIVOS A e B
INDICADORES ATIVO A ATIVO B
Investimento Inicial 10.000 10.000 
Estimativas de Retorno Anual:
Pessimista 13% 7%
Provável 15% 15%
Otimista 17% 23%
Amplitude 4% 16%
Mensuração do Risco
Probabilidade demonstra a chance de 
ocorrência de um evento ou cenário
21
GITMAN (2010)
Mensuração do Retorno
Com o propósito de mitigar riscos e ter uma 
expectativa realista dos retornos mais prováveis, 
será calculado o retorno médio anual: 
Rm = 1 (R1 + R2 + ... Rn)
n 
Onde:
Rm = retorno realizado de um título no ano (n)
22
BERK, DEMARZO e HARFORD (2010)
Mensuração do Retorno
Retorno médio anual é a média aritmética 
dos retornos realizados de um investimento 
em cada ano. 
23
GITMAN (2010)
Mensuração do Retorno
Exemplo:
O retorno médio do S&P500 para os anos de 2002 
a 2006 foram respectivamente: 
- 22,10%; 28,68%; 10,88%; 4,91% e 15,80%
Rm = 1 (- 22,10 + 28,68 + 10,88 + 4,91 + 15,80)
5 
Rm = 7,63%
24
BERK, DEMARZO e HARFORD (2010)
03/09/2013
5
Mensuração do Retorno
Exercício 1:
Calcule o retorno médio dos Títulos Corporativos 
para os anos de 2002 a 2006, que foram 
respectivamente: 
11,18%; 9,23%; 6,51%; 7,76% e 4,14%
Rm = 1 (11,18 + 9,23 + 6,51 + 7,76 + 4,14)
5 
Rm = 7,76%
25
BERK, DEMARZO e HARFORD (2010)
Mensuração do Retorno
Exercício 2:
Calcule o retorno médio das Ações de baixa 
capitalização para os anos de 2002 a 2006, que 
foram respectivamente: 
13,86%; 51,57%; 17,28%; 7,15% e 19,82%
Rm = 1 (13,86 + 51,57 + 17,28 + 7,15 + 19,82)
5 
Rm = 21,94%
26
BERK, DEMARZO e HARFORD (2010)
Mensuração do Retorno
Exercício 3:
Calcule o retorno médio da
Treasury bill para os anos de 2002 a 2006, que 
foram respectivamente: 
1,61%; 1,03%; 1,43%; 3,30% e 4,97%
Rm = 1 (1,61 + 1,03 + 1,43 + 3,30 + 4,97)
5 
Rm = 2,47%
27
BERK, DEMARZO e HARFORD (2010)
Mensuração do Retorno
Variância (Var): mede a variabilidade dos 
retornos, que consiste na diferença dos retornos 
históricos em relação ao retorno médio (Rm) e 
elevando a diferença ao quadrado.
Var (R) = 1 (R1 – Rm)² + (R2 – Rm)² + ... (Rn – Rm)²
n – 1
28
Mensuração do Retorno
Desvio padrão (σ): mede a dispersão em torno 
do valor esperado, ou seja, o retorno mais 
provável de um ativo.
σ = raiz quadrada da Variância
29
GITMAN (2010)
Mensuração do Retorno
Exercício 1:
Calcule a Variância e o Desvio padrão dos Títulos 
Corporativos para os anos de 2002 a 2006, que 
foram respectivamente: 
11,18%; 9,23%; 6,51%; 7,76% e 4,14%
Var (R) = 1 (R1 – Rm)² + (R2 – Rm)² + ... (Rn – Rm)²
n – 1
30
BERK, DEMARZO e HARFORD (2010)
03/09/2013
6
Mensuração do Retorno
Exercício 2:
Calcule a Variância e o Desvio padrão das Ações de 
baixa capitalização para os anos de 2002 a 2006, 
que foram respectivamente: 
13,86%; 51,57%; 17,28%; 7,15% e 19,82%
Var (R) = 1 (R1 – Rm)² + (R2 – Rm)² + ... (Rn – Rm)²
n – 1
31
BERK, DEMARZO e HARFORD (2010)
Mensuração do Retorno
Exercício 3:
Calcule a Variância e o Desvio padrão da
Treasury bill para os anos de 2002 a 2006, que 
foram respectivamente: 
1,61%; 1,03%; 1,43%; 3,30% e 4,97%
Var