A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
CCJ0051-WL-B-PA-01-TP Argumentação-74675

Pré-visualização | Página 4 de 4

vejo e nem nunca vi nenhuma ilicitude nisso. As audiências são públicas, quem as grava busca o registro de tudo para sua posterior orientação e também, em 
eventuais casos, para o exercício pleno da sua defesa (art.5, LV da CRFB). Filmar recai na mesmíssima hipótese. 
Hoje já existe projeto em curso de implantação ? nas Varas que contam com processos eletrônicos ? de se gravar a voz e filmar a imagem de todos, criando um 
melhor registro ao processo e alcance de uma maior transparência e publicidade. O saldo positivo de se gravar é proporcionar a todos os que participam daquele momento de 
embate jurídico o respeito, a cordialidade, o tratamento polido, evitar ironias, críticas pessoais, assédio processual/judicial, etc. Enfim, não faz mal algum gravar tudo, pois quem 
não deve não teme. (...) 
  
Texto 2[2] 
O autor, de reputação ilibada, dirigiu-se à empresa -ré a fim de adquirir automóvel novo, para comemorar o dia dos pais vindouro, com sua esposa e filha, assinando 
declaração como instrumento comprobatório do termo de responsabilidade assumido (documento nº 137/12). 
Nestes termos, as partes combinaram, de comum acordo, que o automóvel novo estaria disponível para o autor cinco dias depois. No entanto, para absoluta surpresa 
do autor, no dia combinado o automóvel sequer havia chegado à concessionária. Ressalta-se que o autor já havia, nesta data, entregue seu veículo à empresa-ré, encontrando-
se em situação de completo desamparo. 
A esposa do autor, neste ínterim, foi acometida de mal súbito, tendo sido o seu atendimento prejudicado devido à demora para chegar ao hospital, já que teve de ir de 
táxi. A entrada na seção do pronto -socorro do hospital foi registrada às 21 horas do dia17 de junho de 2012, conforme documento em anexo (documento n º ___) e, até a 
consumação do atendimento e respectiva medicação, suportou intensas dores, não podendo sequer se locomover sem auxílio de terceiros. 
 
[1] Disponível em: <hƩp://www.trabalhismoemdebate.com.br/2012/06/advogado-pode -gravar-a-audiencia -sem -avisar-ao-juiz/>. Acesso em: 20 jun. 2012. 
[2] Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/16842/indenizacao-em-relacao-de-consumo-juizado-especial>. Acesso em: 20 jun. 2012. 
 
[1] CAVALIERI FETZNER, Néli Luiza (Org. e Aut.); TAVARES, Nelson; VALVERDE, Alda. Lições de argumentação jurídica. Rio de Janeiro: Forense, 2009, 
capítulo 2. 
Plano de Aula: Teoria e prática da Argumentação Jurídica 
TEORIA E PRÁTICA DA ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA
- Contextualizar a disciplina Teoria e Prática da Argumentação Jurídica como continuidade do
trabalho de produção das peças processuais iniciado na disciplina de segundo período. 
- Reconhecer as diferenças entre texto narrativo e texto argumentativo. 
- Compreender a relevância da narração para a produção da argumentação. 
- Identificar que a parte argumentativa da peça inicial refere-se ao ?Do Direito?. 
NARRAÇÃO 
Qual o Objetivo? Expor os fatos 
importantes do caso concreto a ser 
solucionado no Judiciário. 
Como o fato é tratado? Cada fato 
representa uma informação que 
compõe a história da lide a ser 
conhecida no processo. 
Qual o tempo verbal utilizado? 
Pretérito ? é o mais uƟlizado, porque 
todos os fatos narrados já ocorreram. 
(Ex.: o empregado sofreu um 
acidente); 
Presente ? fatos que se iniciaram no 
passado e que perduram até o 
momento da narração. (Ex.: o 
empregado está sem capacidade 
laborativa); 
Futuro ? não é uƟlizado porque fatos 
futuros são incertos. 
Qual a pessoa do discurso? Utiliza-se 
a 3ª pessoa , por traduzir a 
imparcialidade necessária à aƟvidade 
jurídica. 
Como os fatos são organizados? Os 
fatos são dispostos em ordem 
cronológica, ou seja, na mesma 
ordem em que aconteceram no 
mundo natural. 
Quais seus elementos constitutivos? 
Uma narrativa bem redigida deve 
responder, sempre que  possível, às 
seguintes perguntas: a) O quê? (fato 
gerador); b) quem? (partes); c) onde? 
(local do fato); d) quando? (momento 
do fato); e) como? (maneira como os 
fatos ocorreram); f) por quê? 
(moƟvações da lide). 
Qual a natureza do texto? O texto 
narrativo tem natureza 
predominantemente informativa. 
Sua função persuasiva está atrelada à 
fundamentação. 
Quanto à parcialidade: Uma narrativa 
pode ser simples (imparcial) ou 
valorada, dependendo da peça a 
produzir. 
ARGUMENTAÇÃO 
Qual o Objetivo? Defender uma tese 
(ponto de vista) compaơvel com o 
interesse da parte que o advogado 
representa. 
Como o fato é tratado? O fato 
(informação) narrado é aqui retomado 
com o status de elemento de 
persuasão; é um elemento de prova 
com o qual defende a tese. 
Qual o tempo verbal utilizado? 
Presente ? tempo verbal mais 
adequado para sustentar o ponto de 
vista. (Ex.: o autor deve ser 
indenizado por seu empregador); 
Pretérito ? deve ser usado para 
retomar os fatos (provas / indícios) 
relevantes da narração, com os quais 
defenderá a tese. (Ex.: o autor deve 
ser indenizado por seu empregador 
porque sofreu um acidente no local 
de trabalho); 
Futuro ? deve ser usado ao 
desenvolver as hipóteses 
argumentativas. (Ex.: o trabalhador 
deve receber o beneİcio do INSS, 
pois, caso contrário, não terá como se 
sustentar). 
Qual a pessoa do discurso? Também 
se utiliza a 3ª pessoa , pela mesma 
razão. 
Como os fatos são organizados? Os 
fatos e as ideias são organizados em 
ordem lógica, ou seja, da maneira 
mais adequada para alcançar a 
persuasão do auditório. 
Quais seus elementos constitutivos? 
Antes de redigir uma argumentação 
consistente, tente refletir sobre, pelo 
menos, as seguintes questões: a) Qual 
o fato gerador do conflito? b) qual a 
tese que será defendida? C) com que 
fatos sustentará essa tese? d) Que 
tipos de argumento deverá uƟlizar? 
Qual a natureza do texto? O texto 
argumentativo tem função persuasiva 
por excelência. 
Quanto à parcialidade: Não há como 
defender uma tese sem adotar um 
posicionamento. Toda argumentação 
é valorada. 
Estácio de Sá Página 3 / 3