SALMONELOSE

SALMONELOSE


DisciplinaMicrobiologia Veterinária698 materiais8.621 seguidores
Pré-visualização1 página
SALMONELOSE
Destrinchando a doença
ALICE MARIA MELO DO NASCIMENTO
AMANDA BARROS RIBEIRO
SUZANA RIOS
VICTÓRIA HANNAH ARAÚJO DE A. PASSOS
A DOENÇA
Causada por \uf0e0 Salmonella.
Caracterizada por gastroenterocolite aguda.
Ingestão de água e alimentos contaminados \uf0e0infecção. 
 Mucosas do aparelho respiratório superior e conjuntiva.
Comum em animais jovens e animais idosos.
2
NOTA: animais jovens, em especial potros, podem se contaminar através de coprofagia.
A DOENÇA
Pode ser entérica ou septicêmica.
Também fica nos linfonodos \uf0e0 maioria eliminada pelos mecanismos de defesa do corpo.
Infecção latente \uf0e0 fica na vesícula biliar e não é excretada.
3
Transporte.
Superlotação.
Prenhez.
Temperaturas extremas.
Privação de água.
Infecções intercorrentes.
Alteração de ração.
Procedimentos cirúrgicos.
Se ativa por estresse em situações como:
4
Intestino Grosso
Intestino delgado
Esôfago
Estômago
Reto
Boca
ceco
Salmonella fica presente principalmente :
Sistema digestivo do cavalo
Fonte: www.resumaodeveterinaria.com.br
Mostra de linfonodos no furão.
Fonte:www.resumaodeveterinaria.com.br
5
Estresse por transporte.
Fonte: ovinosycaprinosahora.blogspot.com
Estresse por superlotação de curral.
Fonte: www.beefpoint.com.br
AGENTE ETIOLÓGICO
Salmonella sp. 
 Mais de 2.500 sorotipos.
Diferença entre agente etiológico e sorotipo.
6
NOTA: Existe a exceção da Salmonella typhi.
CARACTERÍSTICAS DO AGENTE ETIOLÓGICO
Gram-negativas.
Em forma de bacilos.
Maioria são móveis \uf0e0 flagelos.
Não esporulada; não capsulada.
Não fermentam lactose.
São destruídas por pasteurização.
Resistem a raios solares indiretos e congelamento.
7
Salmonella
Fonte: www.webmd.com
CURIOSIDADE
Existem duas espécies: Salmonella enterica e Salmonella bongori.
A Salmonella enterica se divide em 6 subespécies.
Salmonella enterica \uf0e0 principal causadora
Após a subespécie, se classifica o sorotipo.
8
Exemplo: S. enterica subsp. enterica sorotipo Typhimurium
ESPÉCIES ACOMETIDAS E SEUS AGENTES
Acometem uma ampla gama de espécies:
9
SALMONELLA DUBLIN EM BOVINOS
CONSEQUÊNCIAS DA INFECÇÃO
Excreção pelas fezes (subclínico).
Portadores latentes.
Doença entérica aguda ou crônica.
Septicemia.
Aborto.
Doenças das articulações, osteomelite e gangrena seca.
10
SINAIS E SINTOMAS
Manifestação de 6 a 72hrs.
Sorotipos persistem nos tecidos do animal sem manisfestações clinicas.
Manifestações dos sintomas das doenças devido a fatores estressantes.
3 tipos de síndrome classificadas de acordo com a gravidade, cada uma com seus sinais e sintomas.
11
SINAIS E SINTOMAS
SALMONELOSEENTÉRICA
SALMONELOSE SEPTICÊMICA
Atacaa maioria dos animais, independente da idade.
Pode ocorrer em todotipo de animais, sendo mais comum em potros e bezerros.
Causa febre, depressão, anorexia ediarréiafétida
Morte em 48hrs.
Segue por perda de peso,desidratraçãoe casos de abortos.
Sobreviventes passam pordiarréiaintensa, artrite, meningite e pneumonia.
12
SALMONELOSE EM AVES DOMÉSTICAS
Salmonelose em aves = Paratifo.
Podem infectar ovários e serem transmitidas pelos ovos.
Pulorose ou diarréia branca bacilar.
Tifo aviário.
13
EPIDEMIOLOGIA 
Fezes de origem humana e animal.
Consumo de água e alimentos contaminados.
Contato com animais infectados.
Altas temperaturas favorecem a propagação.
Animais jovens e idosos são mais atingidos.
14
Podem sobreviver mais de nove meses em solos úmidos e protegidas da luz.
PATOGENIA
Características gerais associadas com a virulência:
Habilidade de invadir células e replicar-se.
Resiste à digestão e destruição.
Adere na superfície da célula \uf0e0 forma invaginação.
Cresce dentro das células do hospedeiro.
LPS (lipopolissacarídeos).
15
FATORES DE RISCO
Idade.
Imunossupressão.
Anemia.
Menor acidez gástrica.
Febre alta
16
DIAGNÓSTICO
Diagnósticos laboratoriais.
Testes sorológicos.
Autópsia.
Histórico da doença na propriedade.
Isolamento de salmonelas por amostra sanguínea.
17
Teste sorológico.
Fonte: www.lookfordiagnosis.com
TRATAMENTO
Terapia antibiótica.
Terapia antimicrobiana.
Terapia de reposição de fluidos.
18
PREVENÇÃO
Medidas para eliminação de Salmonella em rebanhos bovinos e ovinos.
Controle ambiental.
Prevenção clínica da doença.
19
CONCLUSÃO
É causada por Salmonella.
Se desenvolve em algumas horas no aparelho gastrointestinal.
Acomete várias espécies com uma infinidade de sorotipos.
Pode invadir a corrente sanguínea.
Tem tratamento.
20
REFERÊNCIAS
ETTINGER, S. J.; FELDMAN, E. C. Tratado de Medicina Interna Veterinária \u2013 Doenças do cão e do gato. 5ed. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan, vol1, 2004.
HIRSH, D. C.; ZEE, Y. C. Microbiologia Veterinária. 3ed. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan, 2003. 
Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar (APECIH). Esterilização de Artigos em Unidades de Saúde. São Paulo, 1998.
COSTA,A.O.; CRUZ, M.S.S.; MASSA,N.G.  Esterilização e desinfecção: Fundamentos básicos, processos e controles. São Paulo. Cortez, 1990.
STANIER, R.Y.; DOUDOROFF, M.; ADELBERG, E.A.  Mundo dos micróbios. São Paulo. Edgard Blücher Ltda, 1969.
QUINN, P.J.; MARKEY, B.K; CARTER, M.E.; DONNELLY, W.J.; LEONARD, F.C. Actinomicetos. In: QUINN, P.J.; MARKEY, B.K; CARTER, M.E.; DONNELLY, W.J.; LEONARD, F.C. (Ed.). Microbiologia veterinária e doenças infecciosas. Porto Alegre: Artmed, 2005.
21