A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
Resumo  Questao discursiva   TGA e  Administração, Sistema e Ambiente

Pré-visualização | Página 2 de 9

grande, pois vão ter que moldar alguns elementos do ambiente em gera.
Questão 5/5
O processo de busca pela excelência é um esforço contínuo das organizações. Sendo assim é relevante as organizações considerarem a qualidade como um fator essencial para o alcance da vantagem competitiva. A história da administração da qualidade total se confunde com a história do modelo japonês de administração, pois este é uma combinação dos princípios de técnicas da qualidade total, da administração científica e das tradições culturais japonesas.
Elabore um texto de 4 a 7 linhas, explicando quais tradições japonesas contribuíram para o sucesso do modelo japonês de qualidade total, bem como a influência do contexto histórico japonês no referido modelo.nota: 20.0
	
Resposta: O Japão foi destruído na Segunda Guerra.
- Escassez de recursos causada pela Segunda Guerra Mundial.
- A cultura japonesa é fortemente pautada no espírito de equipe, princípios de disciplina e ética das relações. Esta combinação possibilitou organizações com objetivos compartilhados entre seus membros e coesas, diferentemente da cultura individualista presente nos países ocidentais.
- A história do processo de industrialização do Japão foi marcado pela busca da transferência de tecnologias das ações ocidentais mais avançadas, particularmente Estados Unidos e Alemanha, tanto antes do período da Primeira Guerra Mundial, quanto após a Segunda Guerra Mundial.
- O país destruído e precisando se reerguer implantou em seus setores produtivos o conceito fundamental de evitar o desperdício e de buscar a melhoria contínua, aprimorando sempre seus produtos por meio do “fazer bem feito e na primeira vez”.
- O trabalho em equipe está enraizado desde seus tempos imemoriais, no sistema feudal japonês havia a necessidade de associação para manutenção de sua identidade e amor próprio.
.
Questão 4/5
Em uma pesquisa realizada com 20 indústrias inglesas, Burns e Stalker verificaram a relação existente entre as práticas administrativas e o ambiente externo dessas organizações. Eles concluíram que as organizações seguem dois tipos de procedimentos organizacionais, que resulta ou em um sistema mecanicista ou em um sistema orgânico.
Caracterize cada um desses sistemas, apontando ao menos uma característica que os diferenciem.
	Resposta: O sistema mecanicista, é aquele no qual as especialidades funcionais têm uma classificação rígida, bem como as obrigações, responsabilidades e o poder.- O sistema orgânico, por sua vez, apresenta maior flexibilidade, com responsabilidades, obrigações e poder mais adaptáveis.A hierarquia do comando é bem definida, sustentando um fluxo de comunicação que transmite informações de forma ascendente e ordens em um fluxo descendente.A comunicação ocorre em fluxo contínuo, ascendente e descendente. 
O sistema orgânico é adequado às condições de mudança, que dão origem constantemente a novos problemas e necessidades imprevistas de ação que não podem ser discriminadas ou distribuídas automaticamente a partir dos papéis funcionais definidos dentro de uma estrutura hierárquica. Nessa perspectiva, uma organização com sistemas mecânicos é adequada a ambientes estáveis, enquanto que a um sistema orgânico se mostra mais flexível a novas situações ambientais.
Questão
O pensamento em termos de sistemas, desempenha um papel dominante em uma ampla série de campos, que vão das empresas industriais e dos armamentos até tópicos esotéricos da ciência pura, sendo-lhe dedicadas inumeráveis publicações, conferências, simpósios e curso [...]. Assim, afirma-se que os sistemas estão em toda parte, não importa em qual campo de atuação possa se pesquisar, na física, na psicologia, na tecnologia, entre outros.
Resposta: A Teoria Geral de Sistemas baseia-se no conceito do homem funcional, que tem um papel dentro das organizações e se relaciona com os demais indivíduos, como um sistema aberto. Dessa forma, podemos evidenciar como principal vantagem da abordagem sistêmica as relações da organização com o seu meio ambiente. Mesmo assim, alguns autores criticam este ponto de vista na medida em que não são elencadas aplicações práticas para o funcionamento das empresas, pois não há uma única fórmula que sirva para todas. Entre as principais críticas, podemos citar as próprias características básicas da análise sistêmica, o confronto entre sistema aberto e sistema fechado e o efeito sinergético das organizações
Resposta: Nota: 20.0
A teoria geral dos sistemas é muita ampla e acaba sendo muito grande. cada um deles pensava diferente. um pensava que e o melhor era, trabalhar em equipe, outro a melhor maneira de lidar era o gerente mandava e tinha que obedecer, cada um deveria ter uma função especifica de trabalho, as pessoas devem ser motivadas.
Questão 2/5
O processo mecanicista se dá pela necessidade de progresso contínuo na empresa. A eficiência garante grande parte desse progresso. Mas, assim como muitas das máquinas que possuímos, todas atingem seus limites, necessitando mudanças para atingir uma eficácia efetiva e alavancar.
Um smartphone que hoje lhe traz benefícios pode não causar o mesmo efeito após certo tempo. Com os seres humanos, é diferente. Isso ocorre porque nós, seres humanos, não conhecemos nossos limites, mas os das máquinas sim, e cada vez que elas satisfazem uma geração, é necessária uma mudança para que novas gerações percebam a mesma sensação de progresso da sua antecessora!
Portanto, podemos ser ou fazer qualquer coisa que uma máquina está programada a fazer e ainda ir além. Podemos até fazer máquinas que imitam animais, pois cotidianamente são previsíveis. Humanos não podem ser imitados, pois quando isso ocorre, eles surpreendem novamente.
É importante lembrar que os modelos mecanicistas não são totalmente dispensáveis. Segundo Morgan (2006), eles funcionam muito bem sob algumas condições, cite três dessas condições:
	Resposta: Quando existe uma tarefa pré-determinada a ser desempenhada
Quando o ambiente é estável e previsível o suficiente para garantir que os produtos sejam adequados
Quando se quer produzir todos os exemplares da mesma forma
Quando a precisão e a eficiência são muito valorizadas
Quando as partes humanas da "máquina" precisam ser submissas e se comportar como planejado
Questão 3/5
Leia o texto a seguir:
A integração sistêmica da Teoria Contingencial
CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004, p.548.
 
A Teoria da Contingência leva em conta todas as teorias administrativas anteriores dentro do prisma da Teoria de Sistemas. Os conceitos das teorias anteriores são atualizados, redimensionados e integrados dentro da abordagem sistêmica para permitir uma visão conjunta, molar e abrangente. Como dizem Scott e Mitchell, “a visão contingencial das coisas parece ser algo mais do que colocar vinho velho em garrafas novas”. A relação entre a abordagem contingencial e a Teoria de Sistemas é paralela à relação existente entre a abordagem neoclássica e a abordagem clássica. Os neoclássicos tentaram estender a Teoria Clássica adicionando aspectos das teorias comportamentais, mantendo intactas as premissas básicas da Teoria Clássica. A abordagem contingencial fez o mesmo com relação à Teoria de Sistemas: aceitou as premissas básicas da Teoria de Sistemas a respeito da interdependência e natureza orgânica da organização, do caráter aberto adaptativo das organizações e da necessidade de preservar sua flexibilidade em face das mudanças ambientais. Porém, como a Teoria de Sistemas é abstrata e de difícil aplicação a situações gerenciais práticas, a abordagem contingencial permite meios para mesclar a teoria com a prática dentro da organização.
Chiavenato (2004) ainda destaca que a Teoria da Contingência enfatiza que nas organizações tudo é relativo, tudo depende; e completa que ela foi desenvolvida principalmente a partir dos trabalhos de Burns e Stalker, Lawrence e Lorsch, Chandler e Joan Woodward. Assim, a partir da leitura do texto e

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.