A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
Resumo  Questao discursiva   TGA e  Administração, Sistema e Ambiente

Pré-visualização | Página 6 de 9

o novo local de trabalho, e convivendo com seus novos colegas. Entretanto, após dez meses ela decidiu pedir para sair do emprego. Ela não suportava mais a forma como seus colegas a tratavam e sua dificuldade de inserção no grupo social.
Após examinar os fatos da Situação 1 e Situação 2, elabore um texto de 5 a 7 linhas explicando porque Tereza pediu para sair do seu emprego. Para sua explicação, utilize as ideias da Escola das Relações Humanas de Elton Mayo.
Dentre as conclusões da Escola das Relações Humanas, a que merece mais destaque nesse caso é que o nível de produção é resultante da integração social dos trabalhadores. Tereza não se sentia integrada e consequentemente não se sentia aceita pelo grupo, por isso a produtividade estava muito baixa. 
A Escola de Relações Humanas mostra a importância do trabalho em grupo. Autores como Mary Parket Follett e Chester Barnard apresentam que a força da sociedade está na equipe e não no indivíduo.
No caso da Tereza, apesar de ter um emprego com uma boa remuneração financeira e estabilidade, ela não se adaptou ao novo local de trabalho pelo fato de não ser aceita socialmente.
(CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da Administração. 7.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. – capítulo  5)
Questão 4/5
A administração científica teve um entusiasta chamado Henry Ford (1863 – 1947) que tinha como ideia potencializar a produção gastando menos tempo e recursos. Seu objetivo era produzir carros de baixo custo para atingir a população menos favorecida, que por sinal era a maioria. Ford revolucionou a maneira de se trabalhar dentro de fábricas de produção em massa, criou sistemas mais rápidos de produção, motivava seus funcionários com salários mais altos em comparação com outras fábricas e ainda vendia seus carros em um sistema de prestações, algo que nem era imaginado para época.
COELHO, F. Princípios de Ford vistos nos dias atuais, 2015. Disponível em: <http://www.administradores.com.br/artigos/empreendedorismo/principios-de-ford-visto-nos-dias-atuais/86952/>.
A partir do que se descreve dos princípios empregados e difundidos por Henry Ford, tanto nas aulas quanto no livro-base da disciplina, a partir de uma perspectiva crítica, faça um paralelo com as questões apresentadas naquela época com o que se apresenta na gestão nos dias de hoje.
Analisando o fordismo de forma mais crítica, verifica-se que este se liga à modernidade, com um estilo burocrático e racionalista, pois nesse modelo de produção, a sociedade garante a todos a participação no trabalho coletivo e divide os benefícios entre todos, porque a sociedade é organizada por gerentes particulares ou públicos, construindo o mundo de acordo com a sua ciência.
Questão 2/5
A Teoria de Contingência tem por ideal que para se atingir a eficácia em uma empresa, não deve se seguir apenas a uma linha organizacional, apenas a um modelo de administração. Para isso, um verdadeiro líder, é aquele que consegue preparar e trabalhar com um mesmo grupo de pessoas, com as mesmas características em situações adversas, percebendo qual linha de raciocínio adotar para cada obstáculo que terá que enfrentar.
 
SIMÕES, S. Abordagem Contingencial. Portal Administradores, 2009. Disponível em: <http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/abordagem-contingencial/30414/>
A partir do que se aborda sobre a Teoria da Contingência apresente o que a mesma defende, no contexto das organizações atuais.
A teoria da contingência preconiza que não existe uma melhor forma ou única maneira de gerir, pois os fatores que impactam e determinam as decisões a serem tomadas são inúmeros e depende do ambiente interno e do ambiente externo. Os caminhos dependem também dos objetivos de cada organização que são, obviamente, influenciados pelas variáveis do ambiente.
PROVA DISCURSIVA
O cenário mundial apresenta diversas turbulências que afetam o ambiente empresarial, as organizações que não querem ser tragadas por estes eventos devem buscar a iniciativa da mudança em suas estruturas operacionais e administrativas, com atitudes estrategicamente planejadas e, sobretudo com coragem para radicalizar processos e "quebrar" culturas tradicionais. NÃO. Não estamos falando de "empreendedorismo", estamos falando de um conceito da ciência da Administração com características inovadoras e fundamentação teórica aceitável: a REENGENHARIA.
 NEWTON, F. Reengenharia: uma ferramenta eficaz da Ciência da Administração. Portal Administradores, 2011. Disponível em: http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/reengenharia-uma-ferramenta-eficaz-da-ciencia-da-administracao/54830/
A partir do material das aulas, bem como o que se apresenta no enunciado, apresente três benefícios para o emprego da Reengenharia, no contexto da gestão atual.
	- Provoca o aumento da capacidade da organização em produzir, de acordo com as especificações individuais, os produtos e serviços, mantendo a economia da produção em massa;
- Propicia o aumento da satisfação do cliente com o produto ou o serviço;
- Torna fácil e agradável, para o consumidor, negociar com determinada empresa;
- Quebra barreiras organizacionais, trazendo o consumidor para dentro dos canais de informação;
- Reduz o tempo de resposta ao consumidor, elimina erros e reclamações, bem como diminui o intervalo de tempo entre o desenvolvimento e a manufatura de produtos e serviços;
- Provoca melhoria da qualidade de vida, no ambiente de trabalho e o incentivo à contribuição individual para que as pessoas obtenham experiências em serem ‘donas’ de seu trabalho;
- Possibilita o aumento da participação e da utilização dos conhecimentos da organização.
Resposta: Nota: 20.0
Fazer com que seus colaboradores permaneçam na empresa, fazendo um com planejamento, para que a empresa cresça sem medo,que todos possam ajudar dando ideias novas, criando novas técnicas de aprendizado.
Uma organização que aprende é aquela que se ocupa em criar, adquirir, transferir conhecimentos e alterar comportamentos com base nesses novos conhecimentos. Organizações que aprendem se preocupam com a solução sistemática de problemas, com a experimentação de novas ideias, com o aprendizado com base na experiência e em fatos históricos, com o aprendizado baseado em experiências alheias e com rápida transferência de conhecimentos dentro da empresa como um todo.
SANTOS, L. F. B. Evolução do Pensamento Administrativo. Curitiba: Editora InterSaberes, 2013.
A partir das características de uma organização que aprende, apresente pelo menos duas características inerentes a tal perspectiva.
	O Pensamento Sistêmico: cada membro da empresa compreende a natureza de seu trabalho e como este se encaixa no processo de fornecimento de produtos finais ao cliente;
A Visão Comum: todos os membros possuem uma visão comum do propósito da empresa e um sincero comprometimento a fim de alcançar esse propósito;
O Desafio aos Modelos Mentais: os membros da empresa constantemente desafiam o modo como são feitos os negócios e os processos de pensamento que as pessoas utilizam para solucionar problemas da empresa.
A Aprendizagem em Grupo: juntos, os membros de uma empresa trabalham, desenvolvem e programam soluções para novos problemas.
O Compromisso Pessoal: todos os membros da empresa são comprometidos no sentido de obter uma rica e profunda compreensão do seu trabalho.
Resposta: Nota: 16.0
As organizações aprendem com cada colaborador, cliente, fornecedores, pois cada um tem uma maneira diferente de lidar. Vejamos então pela teoria x que é passado, e teoria y geração nova, com ideias novas, vontade de aprender. ter agilidade, em aprender e não ter medo de arriscar.
A administração da interculturalidade ou da multiculturalidade parte da compreensão do que vem a ser a cultura organizacional e quais elementos a caracterizam. A cultura organizacional emerge como um discurso forte da administração, dos anos 1980, em razão da intensa publicação acadêmica e da movimentação dos pesquisadores da área, inspirados pelo ganho de produtividade

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.