A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
(20160822114043)Modificações Fisiológicas da Gravidez (1)

Pré-visualização | Página 1 de 9

Durante a Gravidez
Palávras-chave
Anemia fisiológica da gravidez
Contrações de Braxton-Hicks
Linea nigra
Movimentos fetais sentidos pela
mãe
Rech-ic hIAI intra- uterino
Sinai ue Chadwick
Sinal de Goodell
Sinal de Hegar
Trime-,ì,e
Objetivos da aprendizagem
Após estudar o conteúdo deste capítulo, o leitor deverá ser capaz de:
1. Definir as palavras -chave.
2. Discutir as alterações fisiológicas que ocorrem na mulher durante a gravidez.
3. Estabelecer as diferenças entre sinais de gravidez subjetivos (de presunção ), obje-
tivos (de probabilidade) e diagnósticos (de certeza).
4. Explicar as alterações emocionais e psicológicas que ocorrem durante a gravidez.
Reflexões
Quando uma mulher descobre que está grávida, ela precisa proteger e nutrir o feto,
fazendo escolhas sensatas.
A gravidez é um evento normal da vida e envolve ajustes
consideráveis físicos e psicológicos para a mãe. A gravidez é
descrita em esquemas específicos de tempo . O trimestre é uma
divisão da gravidez em três partes iguais de 13 semanas cada
(Lowdermilk & Perry, 2004). Em cada período, ou trimestre,
ocorrem muitas adaptações que facilitam o crescimento do feto.
As mais óbvias são as alterações fisicas para acomodar o feto em
crescimento. No entanto, as gestantes também sofrem mudanças
psicológicas à medida que se preparam para a maternidade.
Sinais e sintomas da gravidez
Tradicionalmente, os sinais e sintomas da gravidez são agrupa-
dos nas seguintes categorias: de presunção, de probabilidade e de
certeza (Tabela 10.1). No entanto, os únicos sinais que podem
determinar uma gravidez positiva com 100% de acurácia são os
sinais positivos.
Sinais subjetivos (de presunção)
Os sinais de presunção são os sentidos pela própria mulher. O si-
nal de presunção mais óbvio da gravidez consiste na ausência de
menstruação (catamênio). Contudo, apenas estar com a menstrua-
ção atrasada ou ela não vir por 1 mês não é um sinal de certeza de
gravidez , porém, se acompanhado por náuseas , fadiga, aumento
da sensibilidade nas mamas e polaciúria consistentes , a gravidez é
muito provável . Os sinais de presunção são os indicadores menos
confiáveis da gravidez, porque podem ser causados por outros dis-
túrbios que não uma gestação (Murray et al., 2006).
Tabela 10.1 Sinais e sintomas da gravidez
Por exemplo, a amenorréia pode ser causada por menopau-
sa precoce, disfunção endócrina, desnutrição, anemia , diabetes
melito, corrida de longa distância, câncer ou estresse . Náuseas
e vômitos também podem ter outras etiologias , como distúrbios
gastrintestinais , intoxicação alimentar, infecções agudas ou dis-
túrbios da alimentação . A fadiga pode ser causada por anemia,
estresse ou infecções virais . O aumento da sensibilidade mamá-
ria pode decorrer de mastite cística crônica, alterações pré-mens-
truais ou uso de anticoncepcionais orais . Por fim, a polaciúria
pode ter diversas causas não-relacionadas com a gestação, como
infecção, cistocele, distúrbios estruturais, tumores pélvicos ou
tensão emocional (Olds et ai., 2004).
Sinais objetivos (de probabilidade)
Os sinais de provável gestação são aqueles detectados no exame
fisico realizado por um profissional de saúde. Os sinais de pro-
babilidade freqüentes consistem em amolecimento do segmento
uterino inferior ou istmo (sinal de Hegar), amolecimento da cér-
vice (sinal de Goodeli) e coloração azul-arroxeada da mucosa
da vagina e do colo uterino ( sinal de Chadwick). Outros sinais
prováveis incluem alterações na forma e no tamanho do útero,
aumento do abdome e contrações de Braxton -Hicks.
Além desses sinais fisicos, os testes para gravidez também
são considerados um sinal provável de gestação. Existem diver-
sos testes para esse fim (Tabela 10.2). Os testes variam em sen-
sibilidade, especificidade e acurácia, sendo influenciados pelo
tempo de gestação, pela concentração da amostra, pela presença
de sangue e por alguns fármacos (Youngkin & Davis, 2004).
De presunção ( Época de ocorrência ) De probabilidade (Época de ocorrência ) De certeza ( Época de ocorrência)
Fadiga ( 12 semanas)
.Contrações de;i3raxton-Hlcks_
(16a 28 semanas)
Aumento da sensibilidade mamária (3 a 4 Teste de gravidez positivo (4 a 12 semanas
semanas)
Náuseas e vômitos (4 a 14 semanas) Aumento do abdome 0 4 semanas
Amenorréia (4 semanas ) Rechaço fetal intra
-uterino
-(16 a 28 semanas)
Polaciúria (6 a 12 semanas) Sinal de Goodeli (5 semanas
Hiperpigmentação da pele ( 16 semanas) Sinal dè Chadwick (6 a í$ semanas
Movimentos fetais sentidos pela mãe ( 16 Sinal de Hegâr (6 a.12 semanas)
i 20 semanas)
Aumento do útero'(7 a 12 semanas) Aumento das mamas (6: semanas
Ultra-sonografia detecta embrião ou feto
(4 a 6 semanas)
Movimentos fetais sentidos pelo médico ex-
periente (20 semanas)
Ausculta de batimentos cardíacos fetais via
Doppler (10 a 12 semanas)
Fontes : Pillitteri (2003 ), Matteson (2001), Murray et a!. (2006), Wong er al. (2002) e Youngkin & Davis (2004).
Capítulo 10 e Adaptação Materna Durante a Cüavtucc
Tipo Amostra Exemplo Comentários
Testes de inibição Urina
da aglutinação
Pregnosticon , Gravindex
Radioimunoensaio Soro ou urina Laboratórios hospitalares
Ensaio com radior- Soro Biocept-G
receptor
ELISA Soro ou urina Testes para gravidez para
uso domiciliar ou em
consultório , de venda
livre; Precise
Se houver hCG na urina , não ocorre aglutinação, que é positivo para
gravidez; confiável 14 a 21 dias após concepção; 95% de acurácia no
diagnóstico da gravidez
Emprega radioisótopos para detectar a subunidade beta da hCG; con-
fiável 1 semana após concepção; 99% de acurácia no diagnóstico da
gestação
Mede a capacidade da amostra de sangue de inibir a ligação de hCG ra-
diomarcada a receptores; confiável 6 a 8 dias após a concepção; 99%
de acurácia no diagnóstico da gravidez
Usa uma enzima para se ligar com hCG na urina, se presente; confiável
4 dias após implantação; 99% de acurácia se for hCG específico
Fontes: Hatcher e! a!. (2004), Cunningham ei aí. (2005). Pagata & Pagam (2003) e Schm11 u aí. (2003).
A gonadotropina coriônica humana (hCG) é o marcador bio-
químico mais precoce da gravidez , e muitos testes para gravidez
baseiam-se no reconhecimento de hCG ou da subunidade beta de
hCG (Lowdermilk & Perry, 2004). Em geral , os níveis de hCG
na gestação normal dobram a cada 48 a 72 h até alcançarem seu
máximo cerca de 60 a 70 dias após a fertilização, a seguir dimi-
nuem até um platô com 100 a 130 dias de gestação (Youngkin
& Davis, 2004). Essa elevação de hCG corresponde ao período
de enjôo matinal de aproximadamente 6 a 12 semanas durante o
início da gestação.
Alguns testes de gravidez são comercializados sem neces-
sidade de pedido do médico e se tomaram bastante populares
desde seu advento em 1975. Esses testes são muito sensíveis,
custo-efetivos e mais rápidos que os exames laboratoriais tra-
dicionais para gravidez. A tecnologia de ensaio imunossorven-
te ligado à enzima (ELISA) é a base da maioria dos testes de
gravidez . Existem mais de 20 marcas disponíveis. Muitos fa-
bricantes afirmam que os testes são acurados em mais de 99%
das vezes , porém pesquisas recentes não comprovaram essas
assertivas (Cole et al., 2004). Por conseguinte , aconselha-se às
clientes que repitam o teste de gravidez e confirmem com o gi-
necologista.
Embora os sinais de probabilidade sugiram gravidez e sejam
mais confiáveis que os sinais de presunção , não são 100% con-
fiáveis na confirmação de uma gestação . Por exemplo , tumores
uterinos, pólipos, infecção e congestão pélvica podem causar al-
terações na forma, no tamanho e na consistência do útero. E, em-
bora os testes de gravidez sejam usados para estabelecer o diag-
i sçico da gestação quando os sinais fisicos ainda são inconclu-
sivos, não são completamente confiáveis porque outras condi-
ções, além da gravidez (p. ex., câncer ovariano, coriocarcinoma,