A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
HISTÓRIA  DO CONHECIMENTO   uma breve contextualização

Pré-visualização | Página 1 de 2

1 
A HISTÓRIA DO CONHECIMENTO: uma breve contextualização
1
 
 
Prof. Elaine Linhares de Assis Guerra 
 
Sabemos que os animais desenvolvem estilos próprios de vida que lhes permitem a 
reprodução e a sobrevivência. Para isto os animais estabelecem modelos de vida 
complexos, com sistemas de acasalamento, alojamento, migração, defesa e alimentação. 
Os homens também desenvolvem estes processos em suas vidas. Para sobreviver, os 
homens apresentam atividades instintivas (respirar, engatinhar, fome, frio) e outras ações 
que dependem de um aprendizado (trabalhar, comercializar, etc.). 
Para um bebê se transformar em homem ele precisa de um aprendizado. Este 
aprendizado é possível porque o homem é capaz de criar um sistema de símbolos e de 
comunicação e por meio destes ele dá significado às suas experiências e as transmite aos 
seus semelhantes. 
O homem é o único ser capaz de imaginar ações e reações de forma simbólica, 
diferenciar experiências no tempo e projetar ações para o futuro. Por isto o homem 
conseguiu desenvolver a CIÊNCIA. Ao pensar, projetar, ordenar, prever, interpretar, o 
homem travou com o mundo uma relação dotada de significados e assim sendo, um 
conhecimento. 
 O conhecimento sobre o mundo que foi produzido pelos homens se transformou em 
CULTURA. Assim, cada grupo, compartilhando experiências comuns, cria formas de 
sociabilidade. Por isso, cada cultura tem suas particularidades, seus símbolos. Tudo isto é 
transmitido de uma geração para outra. O estudo da cultura nos mostra que o homem 
busca formas de resolver seus problemas que são aceitas pelo seu grupo social. Uma vez 
aceitas, estas formas são transformadas em rituais que são repetidos pelos membros do 
grupo. Estes rituais são transmitidos e transformados pelos homens para atender suas 
necessidades. 
Sabemos que os homens desenvolvem conhecimentos conforme suas 
necessidades. Exemplos: a) os egípcios conheciam geometria em função da necessidade 
de prever o transbordamento do Rio Nilo e com uma corda dividida em 13 partes eles 
criavam formas geométricas e assim faziam suas medições territoriais; b) os povos gregos 
também buscaram entender o universo e assim surgiu a filosofia, a geometria, a aritmética 
e a astronomia. 
 
1
 Texto produzido para fins didáticos. Uso exclusivo dos alunos de sociologia do Centro Uuniversitário Una. 
 2 
Os gregos trouxeram o amor e a valorização ao conhecimento, ou seja, uma 
valorização das atividades do espírito. Para os gregos, a filosofia mostrou que o destino 
era apenas uma construção humana e não obra dos deuses. O racionalismo da filosofia 
grega abriu precedentes para o conhecimento científico. 
A Filosofia surgiu na Grécia, no momento em que se abandonou a tradição oral 
(concepções mitológicas). Porém o que nos restou dos “livros” dos primeiros períodos do 
pensamento grego são resultado do trabalho dos padres copistas do século VI d.C. Estas 
cópias trazem todo os tipos de erros: desde de transcrição escrita, como de cristianização 
dos termos pagãos. 
O pensamento grego foi mais importante entre os séculos V e IV a.C., em Atenas, 
exatamente no mesmo período onde a democracia se instalou pela primeira vez e para isto 
teve que lutar contra as forças da oligarquia e da tirania. São também deste período as 
contribuições de Sócrates, Platão e Aristóteles. 
A primeira fase da Filosofia é a Pré-socrática. Compreende o pensamento produzido 
pelo mestre da primeira escola filosófica, a Escola de Mileto, ou seja, Tales de Mileto (640 / 
+- 546 a.C.) até o surgimento do pensamento de Sócrates de Atenas (468-399 a.C.). Os 
filósofos da Escola de Mileto se preocupavam em determinar um princípio - arqué (em 
grego) para a natureza - phisis. Tales de Mileto sustentava que este princípio era a água. 
Antes e depois de todas as coisas e em todas as coisas, há água. A idéia reguladora de 
todas as coisas está nelas mesmas: “Tudo é um”. De maneira geral podemos dizer que os 
primeiros filósofos se preocupavam em definir o que é matéria, mundo, criação e 
movimento. Eles se dedicavam a entender a ordem que se encontra em todas as coisas 
e que rege seus movimentos. 
Outras escolas filosóficas deste período são também importantes: 
a) Escola Pitagórica: (Pitágoras de Samos), que utilizava o saber matemático e o misturava 
com alguns preceitos religiosos; 
b) Escola Eleata ou de Eléia: (Heráclito, Zenão de Eléia e outros), que também buscavam 
um princípio único para explicar o movimento; 
c) Escola Atomista: (Leucipo de Mileto e Demócrito de Abdera) que reduzia todas as coisas 
e seus movimentos à propriedades intrínsecas dos átomos. 
A segunda fase da Filosofia é conhecida como Período clássico. Este período inicia-
se em 450 a.C. e vai até 322 a.C. (morte de Aristóteles). Foi a época em que viveram 
grandes pensadores como Sócrates de Atenas, Platão de Atenas e Aristóteles, o grande 
filósofo grego que lançou as bases lógicas de nossa ciência através de sua Metafísica. Os 
pensadores do período clássico viveram uma fase tumultuada da vida política grega, onde a 
 3 
democracia alcançou sua maturidade e também seu declínio. A democracia ateniense 
também incentivou as artes, a poesia, a arquitetura e a escultura. 
Entre os filósofos dessa fase, encontra-se Platão. Vejamos algumas idéias de 
Platão: ele entendia que existia uma hierarquia entre a razão e os sentidos, acreditando que 
a razão atinge com dificuldade o conhecimento por causa da deformação que os sentidos 
provocam. Por isto, cabe à razão nos livrar dos enganos que os sentidos nos levam a 
cometer. Para Platão, o conhecimento tem que ultrapassar o mundo sensível (das opiniões 
e sentimentos) e atingir o mundo das idéias (lugar dos modelos intelectuais, da razão). Só 
assim se alcançaria a episteme, ou seja, a ciência. Assim Platão usou a matemática e a 
geometria, pois estas descrevem as realidades não-sensíveis. 
Cabe ressaltar também as idéias de Aristóteles. Ele foi um discípulo de Platão, que 
procurou explicar o movimento, principalmente sua origem e sua natureza. Aristóteles 
acreditava que o movimento é resultado das idéias de matéria/forma e de ato/potência. 
Enquanto toda substância é constituída pela forma, a matéria possui a forma em potência . 
Assim, por exemplo, a semente quando enterrada tende a se desenvolver e a se 
transformar em uma árvore, o que a semente é em potência. O movimento é então o “ato 
de ser em potência”. 
 A terceira fase da filosofia grega é o Período Helenístico. Ela inicia-se com a morte 
de Aristóteles e vai até o século III d. C. Este período é marcado pela influência do 
pensamento platônico e aristotélico. Nesta fase discutiu-se muito a noção do dever e do 
prazer e chegou-se a questionar a possibilidade do conhecer. 
Por fim, inicia-se a última fase, chamada de Período Grego-romano, que vai do 
século II até o século VI. É o período onde a cultura grega é assimilada pela cultura 
romana, prevalecendo assim o dogma cristão. Nessa fase, a filosofia grega é considerada 
pagã e é proibida. Discute-se então a noção do dever e do prazer. É dever do homem 
conhecer? 
Posteriormente, na fase medieval, do século V até o século XV, temos um período de 
pouca produção intelectual. Após a queda do Império Romano, a religião passou a ser o 
elemento integrador dos reinos bárbaros. Os chefes bárbaros foram convertidos ao 
cristianismo e a Igreja Católica passou a ser soberana absoluta da vida espiritual. O pouco 
da cultura grego- romana que sobreviveu na Idade Média ficou nos mosteiros. Nem servos, 
nem nobres sabiam ler na Idade Média. Assim a

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.