Artigo Cinesioterapia
3 pág.

Artigo Cinesioterapia


DisciplinaFundamentos da Fisioterapia124 materiais1.014 seguidores
Pré-visualização2 páginas
11111Lato & Sensu, Belém, v. 4, n. 1, p. 3-5, out, 2003.
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
EXERCÍCIOS TERAPÊUTICOS: A
CINESIOTERAPIA COMO IMPORTANTE
RECURSO DA FISIOTERAPIA
Layana de Souza Guimarães1
Mônica Cardoso da Cruz2
1 Discente do 4o ano de Fisioterapia e monitora da disciplina Cinesioterapia
2 Fisioterapeuta e Docente do curso de Fisioterapia das disciplinas de Cinesioterapia e Enfermidades e distúrbios da Infância.
RESUMO:
A Cinesioterapia é o uso do movimento ou exercício como forma de terapia. Os primeiros
estudos sobre a utilização dos exercícios terapêuticos datam da Grécia e Roma antiga, porém foi
a partir da I Guerra Mundial que houve um aumento acentuado da utilização deste recurso para a
reabilitação de pacientes, isso devido ao grande números de incapacitados durante e após os
cambates. Sua principal finalidade é a manutenção ou desenvolvimento do movimento livre para a
sua função, e tem como efeitos principais a melhora da força, resistência à fadiga, coordenação
motora, mobilidade e flexibilidade.
HISTÓRICO DA CINESIO-
TERAPIA
Em um período entre
4000 a.C. e 395 d.C. o movimen-
to humano era utilizado no trata-
mento de disfunções já
estabelecidas, já instaladas e fa-
ziam parte das funções dos sa-
cerdotes. Na Idade Média, ocor-
reu uma interrupção dos estudos
na área da saúde, pois nessa épo-
ca o corpo era considerado infe-
rior, sem importância, havia um
culto da alma, do espírito. Já no
final da idade média e início do
Renascimento, as belezas físicas
do homem e da mulher começa-
ram a ser valorizadas, desenvol-
ve-se a preocupação com o cor-
po refletido pela revitalização do
culto ao físico. Neste período, o
exercício era ligado à cultura da
beleza física, do belo. Ao final do
Renascimento, Don Francisco e
Ondeano Amorós (1779-1849)
dividiram a ginástica em quatro
pontos, sendo o terceiro ponto a
cinesioterapia, que tinha a finali-
dade de manutenção de uma saú-
de forte, tratamento de enfermi-
dades, reeducação de convales-
centes e correção de deformida-
des. Nesta mesma época, surge
a diferenciação da ginástica com
fins terapêuticos e manutenção
de condições normais, quando fi-
cou definido que o tratamento de
enfermos mediante exercícios é
algo distinto da ginástica para pes-
soas sãs. Com a industrialização,
começam a surgir patologias re-
lacionadas com a atividade de tra-
balho, além de outras epidemias
e doenças. Com isso, novas
tecnologias começam a ser em-
pregadas para a melhoria da saú-
de e medicina, momento em que
houve o predomínio de uma con-
cepção de saúde direcionada
para a assistência curativa,
recuperativa e reabilitadora, as-
sim como a necessidade de es-
pecializações na área da saúde.
Durante a guerra, ocorreu um
grande número de casos de le-
sões, mutilações, alterações físi-
cas de vários tipos e graus, gran-
de campo de atuação da
cinesioterapia, favorecendo o
22222 Lato& Sensu, Belém, v.4, n.2, p. 6, out, 2003.
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
12345678901234567890123456789012123456
crescimento da fisioterapia e des-
ta área.
Os primeiros estudos so-
bre a utilização dos exercícios
terapêuticos datam da Grécia e
Roma antiga, porém foi a partir
da I Guerra Mundial que houve
um aumento acentuado da utili-
zação deste recurso para a rea-
bilitação de pacientes, isso devi-
do ao grande números de inca-
pacitados durante e após os com-
bates.
DEFINIÇÃO
A cinesioterapia é o uso do
movimento ou exercício como
forma de tratamento, o recurso
se autodenomina, cinesio signifi-
ca movimento. A cinesioterapia
é uma técnica que se baseia nos
conhecimentos de anatomia, fi-
siologia e biomecânica, a fim de
proporcionar ao paciente um me-
lhor e mais eficaz trabalho de
prevenção, cura e reabilitação.
O exercício terapêutico
tem como objetivo manter, corri-
gir e/ou recuperar uma determi-
nada função, ou seja, restaurar a
função normal de corpo ou man-
ter o bem estar (SHESTACK,
1987). Sua principal finalidade é
a manutenção ou desenvolvimen-
to do movimento livre para a sua
função, e seus efeitos baseiam-
se no desenvolvimento, melhora,
restauração e manutenção da for-
ça, da resistência à fadiga, da
mobilidade e flexibilidade, do re-
laxamento e da coordenação
motora (KISNER & COLBY,
1998).
Segundo o COFFITO a fi-
sioterapia busca alcançar, através
de metodologias e técnicas pró-
prias baseadas na utilização te-
rapêutica dos movimentos e dos
fenômenos físicos, uma melhor
qualidade de vida para o cidadão,
frente às disfunções intercor-ren-
tes. As metodologias e as técni-
cas da cinesioterapia são práti-
cas próprias e exclusivas do pro-
fissional fisioterapeuta, sendo
sua indicação e sua utilização prá-
tica terapêutica própria, privativa
e exclusiva do profissional Fisio-
terapeuta.
CINESIOTERAPIA E FI-
SIOTERAPIA
Uma das mais óbvias ca-
racterísticas que mostram a exis-
tência de vida em um organismo
é a presença de movimento
(GREVE & AMATUZZI, 1999)
e é a partir dele que desempe-
nhamos grande parte das nossas
funções.
O desenvolvimento e a
manutenção das estruturas res-
ponsáveis pela motricidade de-
pendem constantemente da exe-
cução dos movimentos, isto é, a
ação motora estimula o sistema
que a produz. Podemos dizer que
todo o sistema locomotor é, a
cada momento, a manifestação da
maneira com que tem sido usa-
do.
Pode-se concluir que o as-
pecto dinâmico do corpo é um dos
principais responsáveis por sua
saúde. Qualquer alteração desta
dinâmica afetará cedo ou tarde,
tanto o trofismo como as estrutu-
ras responsáveis pelos atos mo-
tores.
A indicação da
cinesioterapia é bastante
criteriosa, necessita de avaliação
para traçar objetivos e estratégi-
as, além de reavaliações freqüen-
tes, visando a atualização junto a
progressão do paciente e em con-
seqüência da necessidade de cor-
reções ao programa inicial até
atingir o potencial de recupera-
ção esperado.
O exercício físico classifi-
ca-se como estético, desportivo
e terapêutico, sendo o último uti-
lizado em fisioterapia. O exercí-
cio na Cinesioterapia poderá ser
passivo ou ativo. No primeiro, o
terapêuta realiza o movimento,
sem a ajuda do paciente. A
cinesioterapia passiva engloba os
meios e as formas em que o do-
ente tem participação passiva; o
movimento é executado quer
manualmente por outro indivíduo,
quer através de aparelhagens es-
peciais, que imitam os movimen-
tos fisiológicos ou realizam-se
manipulações de diferentes seg-
mentos ou tecidos, com o auxílio
de diversas metodologias. En-
quanto que, na cinesioterapia ati-
va, o paciente realiza o movimen-
to, sem a ajuda do terapeuta.É
caracterizada pela participação
ativa e consciente do paciente,
que executa voluntariamente os
movimentos. O exercício ativo se