DETERMINAÇÃO DO TEOR Mg(OH)2 EM LEITE DE MAGNÉSIA
6 pág.

DETERMINAÇÃO DO TEOR Mg(OH)2 EM LEITE DE MAGNÉSIA

Disciplina:Química Analítica Quantitativa II128 materiais993 seguidores
Pré-visualização2 páginas
� INCLUDEPICTURE "http://www.ufrb.edu.br/agencia/images/stories/noticias2012/marca-ufrb.jpg" \* MERGEFORMATINET ���

6º RELATÓRIO DA PRÁTICA: DETERMINAÇÃO DO TEOR Mg(OH)2 EM LEITE DE MAGNÉSIA

Tânia Esperança Silva, Ana Jaqueline Souza
Química Analítica II – Semestre 2015.2

Professor Gil Luciano Guedes

1.0- INTRODUÇÃO

O leite de magnésia é constituído de uma suspensão de Hidróxido de Magnésio (Mg(OH)2), com uma especificação média estabelecida de 7% em peso. Essa substância química é muito aplicada em fins medicamentosos por possuir funções laxativas, no tratamento de prisão de ventre crônica ou outros tipos de constipações intestinais, além disso, é eficaz como antiácido e também usado no caso de azia e gastrites. Sua ação laxante deve-se à reação dela com o Ácido clorídrico do suco gástrico, formando cloreto de magnésio (MgCl2) que é deliquescente, ou seja, absorve muita umidade, chegando até mesmo a se dissolver na água absorvida do meio. Desse modo, lubrifica-se os intestinos, neutralizando a prisão de ventre.
Para identificação do teor de Hidróxido de Magnésio em Leite de Magnésia é aplicada a análise volumétrica de neutralização. A titulação volumétrica do Mg(OH)2 deve ser feita de maneira indireta, pois por ser pouco solúvel, faz com que a determinação do ponto de equivalência seja difícil. Para evitar esse problema, o procedimento adotado é fazer com que a reação de neutralização do hidróxido de magnésio ocorra totalmente através da adição de uma quantidade excessiva da solução padronizada de ácido, no caso HCl. Em seguida, o excesso de ácido é titulado com uma solução-padrão básica, NaOH. Esse procedimento de determinação da quantidade em excesso adicionada é conhecido como retrotitulação ou titulação de retorno. A detecção do ponto final, ponto de equivalência ou ponto estequiométrico pode ser detectado comumente pelos indicadores ácido-base. Esses indicadores apresentam um intervalo de mudança de cor (viragem) característico. A cor do indicador depende do pH do meio.

1.1- OBJETIVO

Determinar o teor de hidróxido de magnésio em medicamentos de Leite de vendidos comercialmente utilizando o método de volumetria de neutralização.

2.0- PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

2.1- MATERIAIS E REAGENTES
	
Amostras
	
Leite de Magnésia Phillips (Original) vendido comercialmente

	Equipamentos
	Balança analítica / Suporte universal / Espátula metálica / Papel toalha / Pera / Garras

	Vidrarias
	Béquer de 100 mL / Bastão de vidro / Erlenmeyer de 250 mL / Bureta de 50 mL

	Reagentes
	Água destilada / Solução padrão HCl / Solução padrão de NaOH / Fenolftaleína

2.2- METODOLOGIA

Inicialmente agitou-se o frasco que continham o leite de magnésia Phillips (Original) para homogeneizar a suspensão. Logo, tarou-se na balança analítica um elernmeyer de 250 mL, e com auxilio de um conta gotas tomou-se uma quantidade mínima de leite de magnésia do frasco e transferiu-se para o elernmeyer, pesando-se cerca de 0,150 g de leite de magnésia. Mediu-se em uma proveta 25 mL de água destilada e adicionou-se ao erlenmeyer contendo a amostra, diluindo-a imediatamente. Em seguida pipetou-se 10 mL da solução de HCl padronizada contida num béquer de 100 mL, acrescentou-se ao erlenmeyer e homogeneizou-se a solução resultante.
 Juntou-se à solução três gotas do indicador fenolftaleína e depois, completou-se uma bureta de 50 mL com a solução de NaOH padronizada seguindo-se com a titulação até o aparecimento de uma coloração rósea. Após isso, anotou-se o volume de NaOH consumido na bureta, repetindo-se a titulação para mais uma amostra. E por fim, foram realizados os cálculos de determinação do teor básico do produto.

3.0- RESULTADOS E DISCUSSÃO

A titulação direta de uma alíquota da amostra de leite de magnésia é difícil de ser realizada, pois é uma suspensão branca e opaca. Por isso, realizou-se a titulação indireta (titulação de retorno) ou retrotitulação, que constituiu em um procedimento adotado para determinar o teor de hidróxido de magnésio presente no leite de magnésia vendido comercialmente, onde o hidróxido de magnésio foi totalmente neutralizado por um excesso conhecido de uma solução-padrão ácida, nesta situação, o ácido clorídrico (HCl). Assim, ocorrendo a seguinte reação:

Mg(OH)2 + 2HCl → MgCl2+ 2H2O + HClexc Reação ( 1 )

Descritos na tabela 1, estão os dados obtidos durante a realização do experimento.

Tabela1: Dados obtidos no experimento.
	Leite de Magnésia
	Massa pesada do Leite de Magnésia
	Volume de NaOH gasto na titulação

	Amostra 1
	0,1572 g
	5,2 mL

	Amostra 2
	0,1558 g
	4,4 mL

O excesso do ácido clorídrico foi titulado com uma solução padrão previamente padronizada de hidróxido de sódio co concentração de 0,09746 mol/L, como pode ser observado na reação 2.

HClexc + NaOH → NaCl + H2O Reação 2

A solução de HCl (0,095 mol/L) usada no experimento foi anteriormente padronizada. Por meio da equação 1, calculou-se o número de mols total de HCl acrescentada a amostra.

Número de mols total do HCl

 ( Equação 1)

Onde, C é a concentração do HCl padronizado; V é o volume.

O valor obtido através da equação 1, mostra o número de mols total do HCl. Entretanto, o ácido clorídrico estava em excesso e, por isso, foi necessário calcular a quantidade de matéria real que reagiu com o hidróxido de magnésio Mg(OH)2, como pode ser notado na equação 2. Da proporção estequiométrica observada na reação 2, cada um mol de NaOH reagiu com um mol de HCl, portanto, .

Número de mols em excesso do HCl

Para a primeira titulação:

 (Equação 2)

Para a segunda titulação:

 Assim, conhecendo-se o número de mols total de ácido clorídrico utilizado e o número de mols em excesso, determinou-se através da diferença entre eles, o número de mols que realmente reagiu com o hidróxido de magnésio, Mg(OH)2.
Onde:

Para a 1ª titulação o número de mols de HCl que reagiu foi 4,43 x 10-4;
Para a 2ª titulação o número de mols de HCl que reagiu foi 5,2 x 10-4;

Seguindo a proporção estequiométrica analisada na reação 1, sabe- se que para cada 1 mol de hidróxido de magnésio Mg(OH)2 são necessários 2 mols de HCl. Desta forma, o número de mols de hidróxido de magnésio será a metade do número de mols do HCl que reagiu, como mostra a tabela 2.

Tabela 2: Número de mols do Mg(OH)2.
	Titulação
	Números de mol de HCl que reagiu
	Número de mols do Mg(OH)2

	1
	4,43 x 10-4 mol
	2,215 x 10-4 mol

	2
	5,2 x 10-4 mol
	2,6 x 10-4 mol

 Sabendo-se que a massa molar do Mg(OH)2 é igual a 58,305 g/mol, calculou-se a massa teórica e a partir dos resultados obtidos. Calculou-se também o teor do hidróxido de magnésio em cada titulação (tabela 3). O cálculo do teor foi realizado através da razão entre a massa teórica e a massa pesada em cada titulação vezes cem (tabela 3).

Tabela 3: Massa molar e número de mols da primeira e segunda dosagem.

	Titulação
	Massa pesada de Mg(OH)2
	Massa teórica de Mg(OH)2
	Teor de Mg(OH)2

	1
	0,1572 g
	1,3 x 10-2 g
	8,26%

	2
	0,1558 g
	1,5 x 10-2 g
	9,6%

Assim, calculou-se o teor médio de Mg(OH)2 que foi 8,93 % (m/m).
Por meio dos cálculos realizados, nota-se que o percentual obtido do teor de hidróxido de magnésio foi maior que o estabelecido que é 7 e 8 % (m/m).
Entretanto, observou-se que este o resultado experimental se aproximou significativamente dos resultados teóricos esperados, possuindo uma pequena margem de erro que pode ter sido causada por determinados fatores durante a execução da prática. Tais fatores podem ser: o grau de pureza dos reagentes, falha na precisão das medidas efetuadas e pela diferença entre o ponto de equivalência e o ponto final da titulação.
	

4.0- CONCLUSÕES

A partir doa aspectos apresentados,