27246553_APOSTILA_COMPLETA_DIREITO_PROCESSUAL_DO_TRABALHO.pdf
155 pág.

27246553_APOSTILA_COMPLETA_DIREITO_PROCESSUAL_DO_TRABALHO.pdf


DisciplinaDireito Processual do Trabalho I5.192 materiais60.972 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Federal. No 
entanto, ainda não foram criados ditos Tribunais nos estados do Acre (junto com o de 
Rondônia \u2013 14.ª Região), Tocantins (junto com o do Distrito Federal \u2013 10.ª Região), 
Roraima (junto com o do Amazonas \u2013 11.ª Região) e Amapá (junto com o do Pará \u2013 8.ª 
Região). 
 
 A Justiça do Trabalho, desde a sua criação, organiza-se da seguinte forma: 
 
1932 1946 EC 24/99 
CNT TST TST 
 
CRT TRT TRT 
 
JCJ JCJ VT 
 
 O TST e os TRTs estão assim organizados: 
 
 TST TRT 
 Pleno Pleno 
 
SDI SDC SDI SDC 
 
T T 
 
 Já a Justiça Brasileira está assim organizada: 
 
 
STF 
 
 
 
 
TST STJ 
 
 
 
TRT 
TJ 
TA 
 TRF 
 
Vara Vara Vara 
 11 
2. Jurisdição 
 
 O Tribunal Superior do Trabalho tem jurisdição em todo o território nacional. Tem 
sede na Capital da República. Os Tribunais Regionais têm jurisdição nas suas respectivas 
regiões, conforme definição legal, de forma que todo Estado da Federação está 
compreendido na jurisdição de um TRT. 
 
 As Varas do Trabalho têm jurisdição sobre uma circunscrição territorial fixada pela 
lei, que as cria. È possível que uma Vara compreenda mais de uma Comarca, completa, 
ou em parte. Habitualmente, a lei que cria a Vara e relaciona os municípios abrangidos 
pela sua jurisdição (art. 650 da CLT). 
 
3. Varas do trabalho 
 
3.1 Composição 
 
 Toda Vara do Trabalho é composta de um Juiz do Trabalho, podendo, caso 
necessário, haver um Juiz auxiliar (art. 647 da CLT) 
 
 Uma secretaria (atribuições art. 711 da CLT) \u2013 a qual funciona como seu cartório 
é composta de vários funcionários \u2013 É dirigida por um Diretor (Diretor de Secretaria \u2013 
art. 710 da CLT com atribuições previstas no art. 712 da CLT), a qual é nomeada pelo 
Juiz-Presidente do TRT. 
 
 Como auxiliar da Justiça, o Oficial de Justiça Avaliador (art. 721 da CLT). 
 
 Nas Comarcas onde há mais de uma Vara do Trabalho, obrigatoriamente haverá um 
Distribuidor (Distribuição), o qual tem a incumbência de distribuir de forma eqüitativa 
os feitos que dão entrada na distribuição. 
 
3.2 Jurisdição 
 
 As Varas do Trabalho têm jurisdição sobre uma circunscrição territorial fixada pela 
lei, que as cria. È possível que uma Vara compreenda mais de uma Comarca, completa, 
ou em parte. Habitualmente, a lei que cria a Vara e relaciona os municípios abrangidos 
pela sua jurisdição (art. 650 da CLT). 
 
3.3 Competência 
 
 A competência da JT, em regra, segundo Martins13, é dividida em relação à 
matéria, às pessoas, ao lugar e funcional. 
 
 A competência em razão da matéria (ex ratione materie), diz respeito à espécie de 
questões que podem ser suscitadas na JT, em regra, aquelas decorrentes da relação de 
emprego. (absoluta) 
 
 
13 Idem, Ob. Cit. pág. 116 
 12 
 A competência em razão das pessoas (ex ratione personae), diz respeito aos 
sujeitos envolvidos em conflitos, de cuja competência é da JT a apreciação, por ex. 
conflitos entre empregados e empregadores, como regra geral. 
 
 A competência em razão do lugar (ex ratione loci) ou territorial é aquela 
\u201cdeterminada à Vara do Trabalho para apreciar os litígios trabalhistas no espaço geográfico 
de sua jurisdição. (relativa). 
 
 A competência funcional \u201cdiz respeito à função desempenhada pelos juízes na JT. 
 A competência material e em razão da pessoa da Justiça do Trabalho tem seu 
sustentáculo maior no art. 114 da CF. Na CLT esta competência está prevista no art. 643. 
 
 Obs. importante - A primeira vista, o art. 114 da CF, parece estabelecer a 
competência da Justiça do Trabalho, para apreciar feitos que envolvam os servidores 
públicos estatutários (Federais, Estaduais e Municipais). Inclusive, o art. 240, d e f, da Lei 
8.112/90, previa a competência da JT para tal desiderato. Entretanto, o Presidente da 
República vetou tais disposições legais. Mas o Congresso cassou dito veto. Mas, O 
Procurador Geral da República moveu Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN n.º 
00004921/600) e o STF considerou inconstitucional a referida norma, sacramentando, 
assim, a incompetência da JT para apreciar ações de funcionários públicos estatutários. 
Novamente, a Emenda Constitucional n.º 45 de 08-12-04, trouxe dita competência para a 
Justiça do Trabalho. Mas, novamente através de ADIN n,º 3395 o STF, pelo Ministro 
Nelson Jobim, concedeu liminar devolvendo a competência, para apreciar feitos originários 
dos vínculos administrativos (servidores estatutários e ocupantes de Cargo em Comissão à 
Justiça Federal. Dessarte, compete à Justiça Federal apreciar as ações dos funcionários 
públicos federais estatutários e a Justiça Comum Estadual apreciar os feitos dos 
funcionários públicos estatutários dos Estados e dos Municípios. 
 
 Convém destacar que os dissídios envolvendo empregados de empresas públicas, 
de sociedade de economia mista e de suas subsidiárias que exploram atividades 
econômicas, segundo o art. 173, § 1.º, II, da CF14, seriam regidos por lei especial. 
Entretanto, enquanto não editada tal lei, os referidos obreiros serão regidos pela CLT, 
sendo, portanto, competente a JT para apreciar os dissídios envolvendo tais empregados e 
empregadores. 
 
 A Lei n.º 9.962, de 22-2-2000, permitiu que as administrações federal direta, 
autárquica e fundacional contratem empregados públicos pelo regime Celetista. Neste caso, 
as controvérsias serão resolvidas pela JT. 
 
 
14 CF - Art. 173. Ressalvados os casos previstos nesta Constituição, a exploração direta de atividade 
econômica pelo Estado só será permitida quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a 
relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei. 
§ 1º. A lei estabelecerá o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas 
subsidiárias que explorem atividade econômica de produção ou comercialização de bens ou de prestação de 
serviços, dispondo sobre: 
I \u2013 (...) 
II - a sujeição ao regime jurídico próprio das empresas privadas, inclusive quanto aos direitos e obrigações 
civis, comerciais, trabalhistas e tributários; 
III \u2013 (...) 
 13 
 A partir da Emenda Constitucional nº 45 de 08-12-04, a Competência da Justiça do 
Trabalho foi ampliada de forma significativa, conforme se observa da nova Redação do art. 
n.º 114 da CF. Vejamos: 
 
 Compete a Justiça do Trabalho processar e julgar : 
 
a) ações oriundas das relações de trabalho, abrangidos os entes de direito 
público externo e da administração pública direta e indireta da União, 
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; (a parte envolvendo 
servidores públicos estatutários e ocupantes de CCs permanecem na 
Competência da Justiça Federal, para os servidores federais e da Justiça 
Estadual pra os servidos municipais e estaduais, por força de liminar 
pelo STF em ADIN n.º 3395) 
 
b) as ações que envolvem exercício do Direito de Greve; 
 
c) as ações sobre representação sindical, entre sindicatos, entre sindicatos 
e trabalhadores, e entre sindicatos e empregadores; (antes competência 
da Justiça Comum estadual) 
 
d) os mandados de segurança, hábeas corpus e hábeas data, quando o ato 
questionado envolver matéria sujeita à sua jurisdição; 
 
e) os conflitos de competência entre órgãos com jurisdição trabalhista, 
ressalvado o disposto no art. 102, I, o;15 
 
f) as ações de indenização por dano moral ou patrimonial, decorrentes da 
relação de trabalho; 
 
g) as ações relativas