protocolo saude mulher   2016
232 pág.

protocolo saude mulher 2016


DisciplinaSaúde da Mulher7.338 materiais28.661 seguidores
Pré-visualização50 páginas
multiprofissional 
História prévia de 
menstruação? 
Sim 
< 16 anos e sem 
traços sexuais 
secundários ou < 14 
anos? 
Aguardar até a menarca 
 
Sim 
AMENORREIA PRIMÁRIA 
Encaminhar para 
investigação com 
ginecologista 
Médico(a) 
Não 
ATRASO MENSTRUAL 
Questionar sobre sintomas sugestivos de gravidez (p. ex., 
náusea/vômitos, aumento de volume mamário) 
6. Avaliar regularidade de uso de contraceptivo 
7. Atentar a situações oportunas para uso de contracepção 
de emergência (relação desprotegida nos últimos cinco 
dias e ocorrência de violência sexual) 
Enfermeiro(a)/médico(a) 
DUM > 12 
semanas? 
Não 
Atraso 
menstrual \u2265 
sete dias? 
Não Aguardar até 
completar sete dias 
ou antecipar B-HCG 
sérico 
Sim 
Conversar com paciente sobre 
possibilidade de gravidez e 
pesquisar presença de batimentos 
cardíacos fetais (BCF) por meio de 
sonar 
 Enfermeiro(a)/médico(a) 
 
Sim 
BCF 
presentes? 
Não 
Gravidez 
confirmada 
Gravidez 
desejada? 
1. Acolher a mulher e abordar seus 
medos, ideias e expectativas. 
2. Explicar a rotina do 
acompanhamento pré-natal. 
3. Iniciar o pré-natal o mais 
precocemente possível. 
4.Realizar teste rápido para HIV e 
sífilis. 
5. Ver capítulo de Pré-Natal. 
6.Enfermeiro(a)/médico(a) 
 
Seguir Fluxograma 
3 para ausência de 
menstruação, 
descartada 
gestação. Ver 
também capítulo 3, 
sobre 
Planejamento 
Reprodutivo. 
Positivo Negativo 
Sim Não 
Sim 
Positivo? 
Persiste suspeita 
de gestação? 
Solicitar B-HCG sérico 
 Enfermeiro(a)/médico(a) 
 
Sim 
Não 
7. Oferecer ambiente acolhedor e 
privativo para escutar a mulher de 
forma aberta e não julgadora. 
8.Oferecer mediação de conflitos 
pessoais e/ou familiares 
decorrentes de gravidez não 
planejada. 
9.Questionar abertamente sobre 
intenção de abortar sem 
julgamento ou intimidação. 
Há risco de 
abortamento 
inseguro? 
Sim 
Não 
 
1. Orientar situações em que o aborto é permitido por lei e sobre possibilidade de adoção. 
2. Aconselhar a mulher a conversar com pessoa de confiança e, se gestação em fase inicial, 
oferecer-se ao cuidado, mediação de conflitos, verificar vulnerabilidades sociais e 
familiares. 
3. Orientar sobre riscos de práticas inseguras de interrupção da gravidez (hemorragia, 
infecção, perfuração uterina, infertilidade, morte). 
4. Marcar retorno para reavaliação. 
5. Se ocorrer abortamento, assegurar planejamento reprodutivo para evitar nova gestação 
indesejada. 
Enfermeiro(a)/médico(a) 
 
Não 
Teste rápido de gravidez (TRG)* 
Enfermeiro(a)/médico(a) 
 
Sim 
Não 
* O teste rápido pode ser realizado dentro ou fora da unidade de saúde. O acesso é livre, e a entrega do insumo pode ser
feita à mulher adulta, jovem, adolescente ou à parceria sexual. Deve-se realizar aconselhamento pré e pós-teste
28
MINISTÉRIO DA SAÚDE / INSTITUTO SÍRIO-LIBANÊS DE 
ENSINO E PESQUISA
1.2.2 Ausência de menstruação, descartada gestação
Fluxograma 3 \u2013 Ausência de menstruação, descartada gestação
 
 ENTREVISTA E EXAME FÍSICO 
1) Idade da menarca e padrões menstruais desde então. 
2) História gestacional, incluindo de abortos. 
3) História familiar compatível com menopausa precoce ou síndrome dos ovários 
policísticos. 
4) Preocupações em relação ao diagnóstico e expectativas em relação ao manejo. 
5) Pesquisar manifestações sugestivas de causas específicas: 
\uf0b7 uso atual ou recente de acetato de medroxiprogesterona de depósito \uf0e0 secundário 
ao uso de contraceptivo hormonal 
\uf0b7 hiperandrogenismo (acne, hirsutismo, calvície de padrão masculino) e história de 
padrão menstrual anovulatório (irregular) \uf0e0 síndrome dos ovários policísticos 
\uf0b7 sintomas de hipoestrogenismo (fogachos, perda da lubrificação vaginal) \uf0e0 falência 
ovariana 
\uf0b7 galactorreia \uf0e0 hiperprolactinemia 
\uf0b7 fadiga, intolerância ao frio, constipação, pele seca, depressão, queda de cabelo \uf0e0 
hipotireoidismo 
\uf0b7 Estresse situacional, exercícios físicos intensos, perda de peso, dieta excessiva \uf0e0 
amenorreia hipotalâmica 
\uf0b7 ganho de peso excessivo 
\uf0b7 início súbito de amenorreia, virilização e hirsutismo \uf0e0 neoplasia de ovário ou adrenal 
\uf0b7 história de aborto séptico, doença inflamatória pélvica, endometrite, radioterapia ou 
curetagem \uf0e0 amenorreia por fator uterino 
Médico(a) 
 
Investigação diagnóstica 
focada, conforme Quadro 6. 
Se suspeita de menopausa ou 
climatério, ver protocolo de 
Climatério. 
Médico(a) 
Sim 
Hipótese diagnóstica 
forte com base na 
anamnese e no exame 
físico? 
Médico(a) 
Uso atual ou recente de 
anticoncepcional oral? 
Médico(a) 
 
Sim 
Considerar suspender e 
observar por pelo menos 
seis meses. Oferecer 
método contraceptivo não 
hormonal . 
Médico(a) 
 
Não 
Amenorreia 
secundária: 
seguir Fluxograma 4 
Observar por três 
a seis meses. 
Menstruou 
Não menstruou 
Monitorar. 
Se menstruação 
irregular, ver 
fluxograma de 
Sangramento 
Uterino Anormal 
Ausência de 
menstruação, 
descartada 
gestação 
Não 
29
PROTOCOLOS DA ATENÇÃO BÁSICA | Saúde das Mulheres
1.2.3 Amenorreia secundária sem causa evidente na avaliação clínica inicial 
Fluxograma 4 \u2013 Amenorreia secundária sem causa evidente na avaliação 
clínica inicial
 Solicitar dosagem de 
prolactina e TSH 
Médico(a) 
Todos normais TSH alterado 
Hipotireoidismo ou hipertireoidismo 
Prolactina 
aumentada 
Sangramento 
após teste da 
progesterona?* 
Sinais de 
hiperandrogenismo?*** 
Síndrome dos 
ovários policísticos. 
Ver Quadro 6. 
Médico(a) 
 
Provavelmente 
amenorreia 
hipotalâmica 
(psicogênica). Ver 
Quadro 6. 
Médico(a) 
 
Sim 
Não 
Sim Não 
Sangramento após 
teste do 
estrogênio mais 
progesterona?** 
Não 
Sim 
Dosagem 
de FSH 
Aumentado Normal ou 
diminuído 
Falência 
ovariana 
> 40 
anos? 
Não Sim 
Climatério normal: 
ver protocolo de 
Climatério 
Médico(a) 
 
 
Menopausa precoce: 
encaminhar para 
ginecologista ou 
endocrinologista 
Médico(a) 
 
Explicado por 
medicamento 
ou outra causa 
reversível? 
Manejar 
conforme 
Quadro 6 
Médico(a) 
 
Sim 
Encaminhar para 
ginecologista ou 
endocrinologista 
Médico(a) 
 
Não 
TC ou RNM 
do SNC 
Encaminhar para 
neurocirurgião 
Médico(a) 
 
Amenorreia hipotalâmica grave: 
avaliar encaminhamento conforme 
situação clínica 
Médico(a) 
Lesão Normal 
Fator uterino 
(especialmente 
síndrome de 
Asherman) 
Notas:
* Acetato de medroxiprogesterona, 5 a 10 mg/dia, durante 5 a 10 dias, por via oral. Se houver sangramento entre 3 e 
10 dias após o término da medicação, isso indica que a paciente tem secreção estrogênica adequada e não apresenta 
obstrução do trato genital. Portanto, o hipogonadismo é normogonadotrófico e a alteração é apenas na pulsatilidade.
** Etinilestradiol, 30 ug, + levonorgestrel por 21 dias. Se não houver sangramento após o término da medicação, isso 
sugere fortemente obstrução do trato genital.
*** Acne, pele oleosa, calvície de padrão masculino, hirsutismo.
Observação: geralmente se sugere observar por seis meses antes de se iniciar esse fluxograma diagnóstico. Pode-se 
antecipar a aplicação do fluxograma se história prévia de amenorreia ou de sangramento uterino irregular.
30
MINISTÉRIO DA SAÚDE / INSTITUTO SÍRIO-LIBANÊS DE 
ENSINO E PESQUISA
Quadro 6 \u2013 Atraso menstrual e amenorreias
CAUSA COMO IDENTIFICAR/AVALIAR O QUE FAZER
Amenorreia 
devido ao uso de 
anticoncepcionais
Há controvérsia em relação à associação 
de anticoncepcionais orais com amenorreia, 
porém se sugere suspender o uso caso esta 
ocorra. O acetato de medroxiprogesterona 
de depósito causa amenorreia na maioria 
das mulheres após