QUESTÕES DE PSICOLOGIA
4 pág.

QUESTÕES DE PSICOLOGIA


DisciplinaPsicologia Geral e Jurídica116 materiais2.443 seguidores
Pré-visualização1 página
QUESTÕES DE PSICOLOGIA 
O complexo de Édipo, segundo Freud, se molda desde a infância, de acordo com a vivência que a criança teve com sua sexualidade, por meio de fases motivadas por objetos de prazer. Ainda para Freud, tal sentimento do filho querer a mãe, e a filha querer o pai, já nasce com o bebê, e se mantém no inconsciente. Caso ela não seja bem trabalhada e desenvolvida de acordo, poderia gerar distúrbios na fase adulta. A matéria da revista Super Interessante rebate a ideia dizendo que era um produto vivenciado pela época do psicanalista, além de ser uma metáfora que abrange um estudo que não pode ser caracterizado como natural ou verdadeiro.
Freud elencou cinco fases do desenvolvimento psico-sexual:
Fase Oral, que tinha a boca como a zona erógena, estimulada no período infantil do nascimento até o primeiro ano e meio por objetos como mamadeiras, chupetas e seio materno. 
Fase Anal é caracterizada pelo exercício das feses, com ápice durante o um ano e meio aos três. Ela é estimulada por objetos de prazer, como barro, argila, massinha, entre outros. 
A Fase Fálica é onde tem-se a influência do complexo de Édipo, onde o menino tem a mãe como um objeto e prazer, a a menina o pai. Nesta fase os órgãos genitais surgem como zona erógena, ocorrendo entre os três aos seis anos.
Tem-se uma fase de calma sexual, durante os sete aos onze anos, caracterizada como Fase de Latência. 
Por último, tem-se a Puberdade, iniciada aos doze anos e que se segue. O corpo alheio é a zona erógena, e aí já existe a superação do complexo de Édipo, onde há a eleição de um objeto de desejo não incestuoso. 
A matéria da revista Super Interessante critica tais fases dizendo que há um exagero na relação dos filhos com seus pais propostas por Freud, sendo pertinente apenas na época vivenciada pelo psicanalista. 
A iterpretação dos sonhos, segundo Freud, seria nada mais que a resposta do cérebro para desejos do inconsciente, uma vez analisados pelo analista. Em tais sonhos, por exemplo, seria possível encontrar um desejo sexual reprimido por meio de um sonho com objetos fálicos. Os cientistas entrevistados pela revista Super Interessante rebatem a teoria dizendo que o cérebro apenas organiza ideias humanas, e que é possível encontrar qualquer significado para eles. Comparando tal relato à um exemplo mais genérico, pode-se citar a avaliação de um quadro abstrato, uma vez que pode possuir inúmeros significados para diferentes pessoas. 
Freud, ao estudar as estruturas psíquicas, dividiu a personalidade em três partes. A primeira seria o \u201cid\u201d, que armaneza de maior forma desejos de prazer do inconsciente, ou seja, reserva energias psíquicas. O segundo seria o \u201csuperego\u201d, onde vive o princípio da moralidade, que policia os atos humanos, censurando-os. Em terceiro, temos o \u201cego\u201d que age como um juíz, regulando os dois anteriores, garantindo o bem estar da pessoas. 
Segundo a reportagem da revista Super Interessante, nota-se que a crítica sobre essa teoria se baseia na falta de relação que a mesma possui com a neurociência, além de ser insuficiente, uma vez que a estrutura da mente possui diversas outras divisões, e não apenas uma tríade. 
Analisando a matéria da revista Suepr Interessante, concluo que a crítica mais pertinente seria a que julgla a Psicologia Social estudada por Freud. Enquanto o psicanalista usa apenas o inconsciente como foco, a revista o julga, dizendo que além do inconsciente é necessário levar em consideração diversos outros fatores externos, como a violência do ambiente onde o indivíduo está inserido, por exemplo. Tal crítica faz muito sentindo, pois os fatores do dia a dia podem ser responsáveis pela criação de certos traumas instantâneos, não ficando, essencialmente, presos na mente.
Analisando as características dos meios de defesa estudados em aulas, elenco dois que classifico como pertinentes entre os seres humanos, principalmente na área jurídica:
Racionalização \u2013 construção de uma argumentação convincente e aceita socialmente para justificar ato perturbador. Podemos citar como exemplo o vídeo visto em aula, onde um rapaz, após ser detido por estupro, tenta se justificar pelos seus atos alegando ter sido violentado quando criança pelo seu pai, na tentativa de amenizar o seu ato. 
Projeção \u2013 sentimentos próprios indesejáveis atribuídos à outra pessoa. A título de exemplo pode-se citar o imprudente no trânsito que, culposamente, matou em um acidente uma das pessoas do outro carro, e para tentar amenizar a situação passa a culpa para o próximo, alegando que aquele agiu com imprudência. 
RESENHA DO DOCUMENTÁRIO \u201cCONSTRUINDO UM IMPÉRIO: ROMA\u201d
	Analisando o documentário, pode-ser perceber a grandiosidade do Império Romano, que foi governado por diversos nomes, como Júlio César, Augusto e Nero, por exemplo. 
A evolução que se estendeu durante anos consegue provar que, desde os tempos antes de Cristo, estudos já eram capazes de motivar uma civilização a cosntrução de bens necessários para um desenvolvimento. Fica claro ao decorrer do documentário que Roma foi importante para o desenvolvimento da engenharia e da arquitetura, uma vez que conseguiu mudar os parâmetros de cosntruções, com a criação de pontes supensas, arquedutos e ambientes, como o Coliseu e o Panteão.
É perceptível também a análise do desenvolvimento político de Roma da época, que era caracterizado por um imperador, podendo deixar herdeiros após o seu falecimento, como aconteceu com Augusto que tornou-se o imperador de Roma após a morte do tio, Júlio César. A herança também foi um tema do documentário que relatou a ascensão de Nero ao império, após ter sido nomeado como um herdeiro de Claúdio, por indicação da imperatriz da época. 
	
RESENHA DO DOCUMENTÁRIO \u201cCONSTRUINDO UM IMPÉRIO: ROMA\u201d
O documentário \u201cConstruindo um Império: Roma\u201d, traz vários aspectos a serem analisados no que diz respeito a formação da cultura e civilização romana bem como sua forma de governo e seu desenvolvimento arquitetônico.
Ainda da política do \u2018pão e circo\u2019, por mais que grandes monumentos fossem construídos - dando destaque à Roma que vivia uma época de grandes conquistas \u2013 baseado apenas nos interesses pessoais dos imperadores, para que deixassem sua marca no território romano, é inegável que de uma forma ou outra além de alcançarem seu objetivo, fizeram também com que Roma fosse modelo de império arquitetônico. 
Mesmo com pouca tecnologia, o documentário mostra que o desenvolvimento da engenharia e arquitetura eram avançados para a época, uma vez que, com construções de arquedutos, pontes suspensas, lugares como o Panteão, casas de banho, Coliseu e estradas uma \u2018nova\u2019 Roma foi criada. 
Tais ciências estavam diretamente ligadas à política da época, já que imperadores como Nero, Cláudio, Adriano e outros usavam das construções para que novas conquistas fossem possíveis e para dar um aviso aos outros povos de que Roma é grande, está crescendo e nada pode parar.