REVISÃO PARA AV1
3 pág.

REVISÃO PARA AV1


DisciplinaPsicologia do Pensamento e da Linguagem589 materiais5.627 seguidores
Pré-visualização2 páginas
DIFERENÇAS 
LINGUAGEM \u2013 todo e qualquer veículo que comunique algo a alguém (símbolos, ícones, signos) 
LÍNGUA \u2013 todo código verbal estruturado com regras especificas de funcionamento (língua inglesa, língua portuguesa) 
FALA \u2013 é a expressão da língua / é a realização concreta da língua. 
 
ESTRUTURA DA LÍNGUA 
MORFEMA - refere-se a pequena unidade linguística que contenha significado. 
FONEMA - são os sons; 
GRAMÁTICA \u2013 sistema de regras que nos permite a comunicação com os outros e a compreensão do que eles dizem. Divide-se 
em: 
\u2022 Sintaxe \u2013 parte que estuda as palavras enquanto elementos de uma frase, as suas relações de concordância, de subordinação e 
de ordem. 
\u2022 Semântica \u2013 num sistema linguístico, o componente do sentido das palavras e da interpretação das sentenças e dos 
enunciados, o sentido das palavras em oposição a sua forma. 
 
 
 
 
4 ESTÁGIOS DA LÍNGUA 
\uf0b7 Estágio do balbucio, por volta dos 4 meses ( Não há qualquer produção linguística identificável) 
\uf0b7 Estágio de uma só palavra, por volta de 12 meses. (as crianças produzem suas primeiras palavras) 
\uf0b7 Estágio de duas palavras, antes do 2º ano (cuja característica é a fala telegráfica, que contém principalmente substantivos e 
verbos) 
\uf0b7 Estágio da fala telegráfica é usada para numerosas finalidades: \u2022 Identificar e nomear objetos; Expressar posse; Expressar 
localização. 
 
RESUMO DOS ESTÁGIOS: 
4 meses \u2013 Balbucia muitos sons da fala; 
10 meses \u2013 Balbucio revela a língua familiar; 
12 meses \u2013 Estágio de uma só palavra; 
24 meses \u2013 Duas palavras, fala telegráfica; 
+24 meses \u2013 Desenvolvimento rápido para frases completas 
 
 
 
 
SKINNER \u2013 Para ele o que fundamenta a aquisição da língua é O reforço. 
 
3 PRINCIPIOS DA APRENDIZAGEM ASSOCIAÇÃO, IMITAÇÃO e REFORÇO 
Para Skinner (1978), são três os princípios de aprendizagem familiar: 
\u2022 Associação (da visão das coisas com os sons das palavras); 
\u2022 Imitação (das palavras e sintaxe modeladas por outros); 
\u2022 Reforço (com sorrisos e abraços quando a criança diz uma coisa certa). 
 
 
 
 
 
CHOMSKY \u2013 A teoria dele é que nascemos com uma estrutura universal (LDA \u2013 Dispositivo de Aquisição Universal) subjacente a 
todas as línguas, e a competência linguística seria inata. 
 
LDA - herança genética exclusiva da espécie e que dá ao homem o dom da linguagem que só se atualiza num meio próprio ao seu 
desenvolvimento. 
 
\uf0b7 ESTRUTURAS SUPERFICIAIS - correspondendo à estrutura patente das frases. SOM 
\uf0b7 ESTRUTURAS PROFUNDAS - uma representação abstrata das relações lógico-semânticas das mesmas. SENTIDO 
A estrutura profunda é o fator essencial na determinação do significado, sendo, responsável pela interpretação semântica. 
 
 
PIAGET \u2013 Ele fala que o aparecimento da língua seria decorrência de algumas das aquisições do período sensório-motor. Pois é 
nesse estágio que as crianças começam as representações mentais, sem a necessidade de visualizar o evento. \u2013 adquire a 
capacidade de simbolizar. 
\uf0b7 Para ele a imitação é a grande responsável pela aquisição da linguagem 
\uf0b7 Entre os sete e oito anos de idade ocorrem a ruptura com o egocentrismo infantil, caracterizando cada vez mais a socialização 
da atividade infantil. 
 
\uf0b7 O pensamento infantil faz a transição do não-dirigido (autístico) para o tipo dirigido (inteligente). Este fato se dá por conta das 
alterações ou amadurecimentos cognitivos das crianças. 
 
2 CATEGORIAS DE LINGUAGEM: 
Linguagem não comunicativa ou egocêntrica \u2013 não existe uma intenção de comunicar e não há tentativa de levar em 
consideração o ponto de vista dos outros. Só ouve a sim mesmo. 
 
\uf0b7 Linguagem comunicativa ou socializada \u2013 a criança leva em conta o ponto de vista do outro e consegue ouvir melhor o 
próximo. 
 
SEGUNDO ESSE AUTOR, O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO SE DÁ EM QUATRO ESTÁGIOS: 
Sensório-motor (0 a 24 meses); Durante esta fase os bebês começam a desenvolver símbolos mentais e utilizar palavras, um 
processo conhecido como simbolização. O bebê relaciona tudo ao seu próprio corpo como se fosse o centro do mundo. 
 
Pré-operatório (2 a 7 anos); indivíduo apresenta um comportamento egocêntrico, tendo um papel limitado e a impossibilidade 
assumir o papel de outras pessoas. 
 
Operatório concreto (7 a 11 anos); criança age sobre o mundo concreto, real e visível. Surge o declínio do egocentrismo, sendo 
substituído pelo pensamento operatório. O indivíduo pode, desde já, ver as coisas a partir da perspectiva dos outros. 
 
Operatório formal (11 anos em diante). A criança se torna capaz de raciocinar logicamento, mesmo se o conteúdo do seu 
raciocínio é falso. 
 
 
 
 
 
 
 
 
EMÍLIA FERREIRO \u2013 Para Ferreiro (2007), existe um processo de aquisição da linguagem escrita que precede e excede os 
limites escolares. É um processo de autoconstrução no confronto e na interação da criança com o seu meio. Ou seja, o sujeito 
construir esse conhecimento se estiver em um meio social humano 
\uf0b7 As ideias de Emilia levam à conclusão de que as crianças têm um papel ativo no aprendizado. Elas constroem o próprio 
conhecimento. Ou seja, é fundamental transferir o foco do conteúdo ensinado para o sujeito que aprende. 
 
\uf0b7 As fases são: 
 
\u2022Pré-silábica \u2013 onde a criança entende que uma palavra tem que ter variedade e quantidade para ser palavra 
\u2022 Silábica \u2013 qq letra para ela é uma palavra 
\u2022 Silábica-alfabética \u2013 BBE pra ela está escrito bebê \u2013 mistura som e letra 
\u2022 Alfabética \u2013 escreve corretamente e sabe diferenciar som de letras 
 
As hipóteses 
1ª - O que é figura e o que não é figura (marcas gráficas figurativas e não-figurativas) 
2ª - Não basta ter letras, é preciso ter uma certa quantidade e variedade para se ler. 
3ª - Descobre que as partes da escrita (suas letras) podem corresponder a outras tantas partes da palavra (suas sílabas) 
 
\uf0b7 As crianças começam a criar hipóteses, e essas hipóteses silábicas criam uma contradição com a hipótese da qtdd mínima 
de letras, pq poucas letras não escrevem palavras e começa a se questionar mentalmente numa contradição com escrita dos 
adultos, que sempre terá mais letras que a hipótese silábica permite antecipar. 
 
 
Vygtsky \u2013 Para ele o funcionamento do cérebro humano fundamenta-se em sua ideia de que as funções psicológicas superiores 
são construídas ao longo da história social do homem. 
 
\uf0b7 Vygotsky rejeitou, portanto, a ideia de funções mentais fixas e imutáveis, trabalhando com a noção do cérebro como um 
sistema aberto, de grande plasticidade, cuja estrutura e modos de funcionamento são moldados ao longo da história da espécie 
e do desenvolvimento individual. 
\uf0b7 O principal conceito da obra de Vygotsky é o de Mediação 
\uf0b7 A língua, sistema simbólico fundamental na mediação entre sujeito e objeto de conhecimento. 
 
\uf0b7 Duas funções da linguagem básicas de Vyg: 
intercâmbio social = é a função principal da linguagem e tem por objetivo a comunicação (choro de bebe) 
pensamento generalizante = é o encaixe da língua com o pensamento (tornar a linguagem um instrumento do pensamento) 
 
\uf0b7 Segundo nosso autor, pensamento e linguagem têm percursos distintos. 
Até 2 anos de idade, vemos um pensamento sem linguagem e uma linguagem sem pensamento. (inteligência prática) 
Por volta dos 2 anos, o percurso do pensamento encontra-se com o da linguagem e inicia-se uma nova forma de funcionamento e 
acontece a junção desses processos de pensamento e linguagem se tornando um ser sócio histórico, impulsionada pela própria 
inserção da criança num grupo cultural. 
 
 
 
 
 
 
BRUNER \u2013 A teoria vai propor que as crianças aprendem a se comunicar no contexto da solução de problemas enquanto 
interagem com os pais. 
\uf0b7 Pra que a criança aprende a falar? Para solucionar problemas / Crianças são pequenos cientistas 
\uf0b7 O que é aula de linguagem? É a linguagem simples. Adequada a capacidade cognitiva limitada da criança.