Atividade de Direito POsitivo e relações juridicas
6 pág.

Atividade de Direito POsitivo e relações juridicas


DisciplinaIntrodução ao Direito I83.894 materiais498.988 seguidores
Pré-visualização2 páginas
ATIVIDADE PARA FIXAR O CONTEÚDO 
 DIREITO POSITIVO, RELAÇÕES JURÍDICAS E PRINCIPIOS GERAIS DO DIREITO 
 
1. Que é direito positivo? 
É o conjunto de normas jurídicas escritas e não escritas, vigentes em determinado território, 
institucionalizado pelo Estado em determinado lugar e tempo, de ordem jurídica obrigatória. 
Não é universal e imutável e regem a vida social, inclusive a internacional. 
2. Relacione fontes do direito com direito subjetivo e direito objetivo e dever. 
Fontes do direito são os processos ou meios em virtude dos quais as regras jurídicas se 
positivam com legitima forca obrigatória, com vigência e eficácia, sendo o contexto de uma 
estrutura normativa. As fontes do direito objetivo são as fontes formais estatais e não estatais, 
as leis e costumes. E as fontes do direito subjetivo e dever são os direitos objetivos. Elas se 
desenvolvem em normas e "situações normadas", por serem estruturas objetivas, que ou 
disciplinam classes de comportamentos possíveis, ou instituem entidades e ordens de 
competência; e, concomitantemente, determinam ou possibilitam situações subjetivas 
constituídas sob a garantia daquelas estruturas. 
3. O que são modelos jurídicos? 
São estruturas normativas com caráter obrigatório que disciplina as distintas modalidades de 
relações sociais. Existe a previsão ou a prefiguração de uma "ordem de competências", 
ou, então, de uma "ordem de conduta", estando sempre pré-determinadas as 
consequências que advêm de seu adimplemento, ou d e sua violação. 
4. Defina direito objetivo. 
Conjunto de normas jurídicas em si, escritas ou não escritas que comandam um 
comportamento, cujo respeito é garantido pelo Estado \u2013 Norma Agendi. É a partir deste que se 
pode deduzir os direitos subjetivos e dever. 
5. O que é o ordenamento jurídico? 
É um conjunto de normas de um Estado expressas em lei, que estabelece uma ordem na qual 
o direito deve respeitar em relação às leis e normas estabelecidas em um país. É a disposição 
hierárquica desse conjunto de lei ou sistema normativo em sua concreta realização, 
abrangendo tanto as regras explícitas como as elaboradas para suprir as lacunas do sistema, 
bem como as que cobrem os claros deixados ao poder discricionário dos indivíduos (normas 
negociais). 
6. Quais são as teorias sobre a validade do ordenamento jurídico. Explique cada uma delas. 
Segundo Miguel Reale, são quatro teorias: a Primeiro é a Formal ou da Vigência, a segundo da 
validade social ou Eficácia e por último a da validade ética que é o próprio fundamento. 
\uf0b7 A validade formal consiste em verificar se uma norma cumpriu o que estabelece a 
constituição para a instituição de uma norma jurídica, quando isso acontece ela é 
válida formalmente. Ela acontece seguindo dois preceitos: o primeiro se a norma tem 
legitimidade assegurada, isso só é possível quando quem a estabeleça seja uma 
entidade com poder para tal, a segunda é quando a legitimidade da lei, é preciso que a 
norma não vá de encontro ao que esta dito em lei maior, dessa forma evitando a 
inconstitucionalidade. 
\uf0b7 A vigência se dá quando uma regra passa por três critérios: Quando à legitimidade do 
órgão, Quanto à competência ratione materiae do mesmo e Quanto à legitimidade do 
processo. A Legitimidade do órgão é fundamental na questão da validade formal de 
uma norma, vimos anteriormente que esta legitimidade precisa ser tanto no que tange 
a matéria da norma, quanto quem propõe a mesma. A competência ratione materiae 
diz que para ser aprovada matéria, esta deve ser aprovada por quem tem competência 
para tal e por último a legitimidade do processo pressupõe que a regra antes de ser 
aprovada precisa passar por todos os trâmites legais do processo de aprovação, caso 
um desses seja ignorado a matéria terá seu conteúdo inválido, mesmo que tenha sido 
ela declarada válida no que tange à legitimidade do órgão e a competência ratione 
materiae. 
\uf0b7 Da Eficácia ou Efetividade: Não basta somente que uma lei tenha sido aprovada de 
forma material e seja imposta a sociedade para que esta a aceite, é preciso que tal lei 
tenha eficácia quanto sua legitimidade social, ou seja, a lei seja aderida pela sociedade 
como parte desta, não sendo vigente pelo simples fato de ser matéria formalmente 
aceita e sim por ser matéria eficaz. Existem alguns casos de lei que tem sua eficácia 
compulsória, ou seja, elas passam a ser eficaz mesmo que a sociedade não mais a 
reconheça como matéria válida é o que acontece em alguns tribunais, onde o juiz deve 
julgar com base no que o ordenamento impõe, salvo alguns casos onde é comprovada 
que a lei caiu em desuso, nestes casos o juiz pode contrariar o que esta escrito, ou se 
for comprovada que tal lei é conflitante com o ordenamento, neste caso com base em 
outras leis e as regras vigentes o juiz pode atenuar o dano de tal lei. Fica um impasse 
em qual dano ser maior, se as leis más ou o poder do juiz julgar contra legem. 
\uf0b7 Fundamento da norma jurídica: Não basta ser uma norma formalmente válida e 
eficaz, é preciso que o fundamento pela qual se originou a norma, seja alcançado, 
neste caso o direito deve seguir o que a ética aborta, sendo assim ele será justo. Este 
sentimento de justiça é buscado pela sociedade e o direito deve entrar em consonância 
com o mesmo e esta é a razão de ser da norma ou a ratio júris. 
 
7. Como se divide o direito positivo? 
 
 
8. Como se divide o direito público e o direito privado. 
 
9. Qual a classificação do fato jurídico? 
 
10. Distinga relação jurídica de relação social. 
Relação jurídica é o vinculo intersubjetivo concretizado pela ocorrência de um fato cujos efeitos 
são veiculados pela lei, denominado fato jurídico. Trata-se, portanto de relação social 
específica tipificada por uma norma jurídica. 
Relação jurídica é o vinculo intersubjetivo concretizado pela ocorrência de um fato cujos efeitos 
são veiculados pela lei, denominado fato jurídico. Trata-se, portanto de relação social 
específica tipificada por uma norma jurídica. 
11. Defina relação jurídica. 
Relação jurídica é o vinculo intersubjetivo concretizado pela ocorrência de um fato cujos efeitos 
são veiculados pela lei, denominado fato jurídico. Trata-se, portanto de relação social 
específica tipificada por uma norma jurídica. 
12. Quais são os requisitos da relação jurídica. 
Para existir relação jurídica é preciso a presença de dois requisitos. "Em primeiro lugar uma 
relação intersubjetiva, ou seja, um vínculo entre duas ou mais pessoas. Em segundo lugar, que 
esse vínculo corresponda a uma hipótese normativa, de tal maneira que derivem 
consequências obrigatórias o plano da experiência." 
 
13. Quais são os elementos da relação jurídica? Explique cada um deles. 
Os elementos da relação jurídica são o sujeito ativo, o passivo, o vínculo de atributividade e o 
objeto. O fato social e a norma jurídica não são elementos, mas pressupostos de existência da 
relação. 
\uf076 Sujeitos: 
\uf0d8 Sujeito ativo - É o portador do direito subjetivo que tem o poder de exigir do sujeito 
passivo o cumprimento do dever jurídico. 
\uf0d8 Sujeito passivo - É ele responsável pela obrigação principal. 
 
\uf076 Vínculo de atributividade: É o vínculo que confere a cada um dos participantes da relação o 
poder de pretender ou exigir algo determinado ou determinável. 
 
\uf076 Objeto: é a causa material da relação, em função do qual existe o vínculo, vez que as 
relações jurídicas são estabelecidas visando a um bem específico (coisa), sobre o qual 
recai a exigência do sujeito ativo e o dever do sujeito passivo. Ex. na relação de compra e 
venda tem-se por objeto a entrega da coisa. O objeto da