Traumatologia do Aparelho Locomotor Mão   Rames et.al
216 pág.

Traumatologia do Aparelho Locomotor Mão Rames et.al


DisciplinaOrtopedia2.075 materiais11.456 seguidores
Pré-visualização50 páginas
deve ser encorajada. Normalmente o
aspecto estético da amputação do raio do
dedo indicador é bastante aceitável.
AMPUTAÇÃO DO RAIO 
DO DEDO MÉDIO
Há duas técnicas de amputação do
raio do dedo médio sendo uma não envol-
vendo a transposição de metacarpiano
(nossa preferência) e outra transpondo o
segundo metacarpiano para a posição do
terceiro (Carroll). A desvantagem da técni-
ca da transposição é que envolve uma
osteossíntese e a necessidade de restrin-
gir a movimentação do dedo transposto
até a consolidação. A vantagem da trans-
posição salientada pelo autor é a possibili-
dade de fechar de forma mais eficiente e
imediata o espaço criado pela amputação
de raio central. Outro problema relaciona-
do com a transposição é o cuidado que
deve ser tomado com os desvios rotacio-
nais. É recomendado utilizar um fio de
Kirschner transversal para fixar o metacar-
po transposto nos vizinhos para evitar este
tipo de deformidade.
No procedimento de amputação sem
transposição, a técnica cirúrgica é seme-
lhante àquela aplicada na amputação do
raio do indicador, mas é muito importante
seccionar o ligamento intermetacarpiano
transverso próximo ao metacarpo a ser
ressecado, de tal forma que os cotos des-
te ligamento, dos metacarpos vizinhos,
possam ser suturados, fechando o espa-
ço. A eficiência do fechamento do espaço
dependerá da qualidade da sutura do liga-
mento intermetacarpiano transverso.
Desvios rotacionais podem ocorrer e, em
geral, são decorrência de sutura técnica-
mente incorreta. Durante o período de
cicatrização, um fio de Kirschner transver-
sal pode ser utilizado para manter os
metacarpianos dos dedos indicador e anu-
lar aproximados e em posição correta. Ao
contrário da técnica de transposição pro-
posta por Carroll, na reconstrução de par-
tes moles não há necessidade de imobili-
zar a mão por longo período.
AMPUTAÇÃO DO RAIO DO
15
ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR
Caso clínico: 
Amputação transmetacarpiana do dedo indicador
16
Amputação do
dedo médio
(vista dorsal)
17
ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR
Amputação do
dedo médio
(vista central)
18
Amputação transmetacarpiana,
incisão dorsal e tenotomia 
do tendão extensor, 
individualização do metacarpiano 
e musculatura intrínseca
19
ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR
Amputação transmetacarpiana, osteotomia 
da base do metacarpiano. Dissecação 
das artérias digitais e nervos digitais.
Ligadura das artérias digitais e secção 
do nervo digital do dedo amputado
20
Amputação transmetacarpiana:
aspecto final \u2013 sutura dos
intrínsecos
21
Caso clínico: 
Amputação transmetacarpiana:
fechamento do espaço graças 
a sutura do ligamento 
intermetacarpiano transverso
DEDO ANULAR
O procedimento é o mesmo que para o dedo médio. Da mesma forma, preferimos
não realizar procedimentos de transposição. O fechamento do espaço, da mesma forma,
é conseguido graças à aproximação do ligamento intermatatarsiano transverso.
22
Caso clínico: 
Amputação transmetacarpiana 
do dedo anular
AMPUTAÇÃO DO RAIO DO DEDO MÍNIMO
O procedimento é semelhante àquele utilizado para o dedo indicador. O quinto meta-
carpiano deve ser ressecado ao nível do terço médio, preservando a largura da palma da
mão e as inserções dos músculos hipotenares, além do tendão flexor e extensor ulnar do
carpo. Para dar um contorno adequado realiza-se a osteotomia de forma oblíqua, com a
região medial do metacarpiano mais curta. Desta forma obtém-se um aspecto estético
bastante favorável.
23
ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR
Nível das osteotomias para
amputação dos raios dos
dedos indicador e mínimo
AMPUTAÇÃO DE MÚLTIPLOS DEDOS
A amputação de múltiplos dedos pode ser indicada em seqüela de trauma, lesões tér-
micas, elétricas, vasculites, etc. Todo esforço deve ser realizado para preservar o máxi-
mo de comprimento e uma cobertura cutânea adequada. Para este fim pode ser neces-
sário utilizar retalhos, pediculados ou livres. Da mesma forma, para promover o máximo
retorno de função, freqüentemente indicamos procedimentos para criar ou aumentar a pri-
meira comissura (comissuroplastias): zetaplastias, retalhos, etc. 
24
Caso clínico: Amputação de múltiplos dedos \u2013
uso de retalho livre microcirúrgico escapular para
cobertura cutânea e comissurosplatia
REF
ERÊN
CIAS 
BIBLI
OGRÁ
FICAS
Abu-jamra, F. N., and Khuri, S.: The treatment of finger tip injuries.
J. Trauma, 11: 749-757,1971. 
Adamson, J. E., Horton, C. E., and Crawfôrd, H. H.: Sensory reha-
bilitation of the injured thumb. Plast. Reconstr. Surg., 40. 53-57, 1967.
Adeymo, 0., and Wyburn, C. M.: Innervation of skin grafts.
Transplant. Buli., 4: 152-156, 1957.
Aitken, C. T.: Management of severe bilateral upper linib deficien-
cies. Clin. Orthop., 37. 53-60, 1964.
Alldredge, R. H., and Murphy, E. F.: Prostheties research and the
amputation surgeon. Artif. Limbs, 1: 4-46, 1954.
Alldredge, R. H.: Major amputations. Surg. Gynecol. Obstet., 84:
759-764, 1974.
Armenta, E., and Lehrman, A.: The vincula to the flexor tendons of
the hand. J. Hand Surg., 5: 127 133, 1980.
Atasoy, E., Ioakimidis, E., Kasdan, M. L., Kutz, J. E., and Kleinert,
H. E.: Reconstruction of the amputated finger tip with a triangular volar
flap. A new surgical procedure. J. Bone Joint Surg., 52A: 921-926,
1970.
Azze,R.J.; Ferreira, M.C.; Zumiotti, ªV.: Amputação transmetacar-
piana de dedo médio ou anular sem transposição do dedo adjacente.
Rev. Bras. Ortop., 15 (3): 100-102, 1980.
Baker, T. J.: The versatile finger flap. Buil. Uni.Miami Sch. Med.,
15:50,1961.
Barber, C. C.: Inunediate and eventual features of healing in
amputated bones. Ann. Surg., 90. 985-992,1929.
Barelay, T. L: The late results of finger tip injuries. Br. J. Plast.
Surg., 8. 38-43, 1955. 
Barnes, I. E.: Techniques for the replication of skin surfáces. Br. J.
Dermatol., 89: 277-283, 1973.
Barron, J. N.: The structure and fúnction of the skin of the hand.
Hand, 2: 93-96, 1970.
Barsky, A. J., Kahn, S., and Simon, B. E.: Principies and Practice
of Plastic Surgery, 2nd Ed. pp. 1-2. New York, McGraw-Hili, 1964.
Bartley, S. P.: Kinetic amputations and plastic reconstructions of
fingers: Operative tecimic and fúnctional results. Am. J. Surg.,
67.181-183, 1945.
Bate, J. T.: Second and third intention healing of finger tip ampu-
tations: A salvage procedure. Clin. Orthop., 47. 151-155, 1966.
Beasley, R. W.: Local flaps for surgery of the hand. Orthop. Clin.
North Am., 1: 219-225, 1970.
Beasley, R. W.: Principies and techniques of resurfácing opera-
tions for hand surgery. Surg. Clin. North Am., 4 7. 389-413, 1967.
Beasley, R. W.: Reconstruction of amputated finger tips. Plast.
Reconstr. Surg., 44:349-352, 1969.
Bennett, J. E.: Finger tip avulsions. J. Trauma, 6.249-261,1966.
Bertelsen, A., and Capener, N.: Fingers, compensations and King
Canute. J. Bone Joint Surg., 42B.390-392,1960.
Bevin, A. G., and Chase, R. A.: Management of ring avulsion inju-
ries and associated conditions of the hand. Plast. Reconstr. Surg.,
32:391-400, 1963.
Blair, H. C., and Morris, H. D.: Conservation of short amputation
stumps by tendon section. J. Bone Joint Surg., 28: 427-433, 1946.
Bojsen-Moller, J., Pers, M., and Schmidt, A.: Finger tip injuries:
Late results. Acta Chir. Scand., 122. 177-183, 1961.
Boldrey, E.: Amputation neuroma in nerves implanted in. bone.
Ann. Surg., 118:1052-1057,1943.
Bone Joint: Surg., 5OA: 1152-1160, 1968.
Bossley, C. J.: Conservative treatment of digit amputations. NZ
Med. J., 82: 379~380, 1975.
Boyes, J. H.: Bunnell\u2019s Surgery of the Hand, 5th Ed. p. 566.
Philadelphia, J. B. Lippincott, 1970.
Boyes, J. H.: Burmell\u2019s Surgery of the Hand, 5th Ed. p. 502.
Philadelphia, J. B. Lippincott, 1970.
Bralliar,