Traumatologia do Aparelho Locomotor Mão   Rames et.al
216 pág.

Traumatologia do Aparelho Locomotor Mão Rames et.al


DisciplinaOrtopedia2.075 materiais11.451 seguidores
Pré-visualização50 páginas
bone fixation and clinical
experience in replanted extremities. Clin. Orthop.,
133:165, 1978.
122. Urbaniak, J. R., Evans, J. P., and Bright, D. S.: Micro-vas-
cular management of ring avulsion injuries. J. Hand Surg.,
6:25, 1981.
123. Urbaniak, J. R., Roth, J. H., Nunley, J. A., Goldner, R. D.,
and Koman, L. A.: The results of replantation after amputa-
tion of a single finger. J. Bone Joint Surg. (Am.), 67:611,
1985.
124. VanBeek, A. L., Kutz, J. E., and Zook, E. G.: Importance of
the ribbon sign, indicating unsuitability of the vessel, in
replanting a finger. Plast. Reconstr. Surg., 61:32, 1978.
125. VanBeek, A. L., Wavak, P. W., and Zook, E. G.: Micro-vas-
cular surgery in young children. Plast. Reconstr. Surg.,
63:457, 1979.
126. Yamano, Y.: Replantation of the amputated distal part of
the fingers. J. Hand Surg. (Am.), 10:211, 1985.
127. Yamano, Y., Matsuda, H., Nakashima, K., and Shimazu, A.:
Some methods for bone fixation for digital replantation.
Hand, 14:135, 1982.
128. Yamano, Y., Namba, Y., Hino, Y., Hasegawa, T., Ugawa, A.,
and Ise, M.: Digital nerve grafts in replanted digits. Hand,
14:255, 1982.
129. Yamauchi, S., Nomura, S., Yoshimura, M., Veno, T., Iwai,
Y., and Shimamura, K.: Recovery of sensation in replanted
digits-time of recovery and degree of two point discrimina-
tion. J. Microsurg., 3:206, 1982.
130. Yamauchi, S., Nomura, S., Yoshimura, M., Veno, T., Iwai,
Y., and Shimamura, K.: A clinical study of the order and
speed of sensory recovery after digital replantation. J.
Hand Surg., 8:545, 1983.
131. Wang, S. H., Young, K. F., and Wei, J. N.: Replantation of
severed limbs-clinical analysis of 91 cases. J. Hand Surg.
(Am.), 6:311, 1981.
132. Weeks, P. M., and Young, V. L.: Revascularization of the
skin envelope of a denuded finger. Plast. Reconstr. Surg.,
69:527, 1982.
133. Wei, F. C., Chaung, C. C., Chen, H. C., Tsai, Y. C., and
Noordhoff, M. S.: Ten digit replantation. Plast. Reconstr.
Surg., 74:826, 1984.
134. Weiland, A. J., Robinson, H., and Futrell, J.: External sta-
bilization of a replanted upper extremity. J. Trauma,
16:239, 1976.
135. Weiland, A. J., Villarreal-Rios, A., Kleinert, H. E., Kutz, J.,
Atasoy, E., and Lister, G.: Replantation of digits and hands:
analysis of surgical techniques and func-tional results in 71
patients with 86 replantations. J. Trauma, 2:1, 1977.
136. Wood, M. B., and Cooney, W. P.: Above elbow limb replan-
tation; functional results. J. Hand Surg. (Am.), 11:682,
1986.
137. Wray, R. C., Young, V. L., and Weeks, P. M.: Flexible
implant Arthroplasty and finger replantation. Plast.
Reconstr. Surg., 74:97, 1984.
138. Zumiotti, A.: Reimplante de membros. Rev. Bras. Ortop.
19:137-142, 1984.
ILUSTRAÇÕES JOSÉ FALCETTI
PROF. DR. RAMES MATTAR JUNIOR
PROF. RONALDO J. AZZE
ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA
DO APARELHO LOCOMOTOR
LLEESSÕÕEESS TTRRAAUUMMÁÁTTIICCAASS 
DDOOSS TTEENNDDÕÕEESS FFLLEEXXOORREESS
DDOOSS DDEEDDOOSS EE PPOOLLEEGGAARR
LLEESSÕÕEESS TTRRAAUUMMÁÁTTIICCAASS 
DDOOSS TTEENNDDÕÕEESS FFLLEEXXOORREESS
DDOOSS DDEEDDOOSS EE PPOOLLEEGGAARR
2
ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR
3
lesões dos tendões flexores são graves pois afetam a
função de preensão da mão e seu tratamento é comple-
xo. Sua reconstrução é difícil porque exige resistência
para suportar a tração dos músculos flexores e, ao mesmo tempo,
necessidade de manter a capacidade de deslizamento para promo-
ver a excursão necessária para o movimento dos dedos. Além dis-
so, os tendões flexores apresentam-se, quase que na sua totalida-
de, envoltos por uma bainha sinovial, o que torna seu reparo cirúr-
gico mais difícil; agem em várias articulações e os tendões superfi-
cial e profundo dos dedos apresentam uma complexa relação de
deslizamento e excursão. Os tendões flexores apresentam uma irri-
gação sanguínea deficiente, principalmente ao nível do túnel osteo-
fibroso (zona II), sendo a região dorsal mais vascularizada e a par-
te mais volar dos tendões quase que completamente avascular. Os
vasos sanguíneos que nutrem os tendões são ramos dos vasos
digitais e, depois de percorrer verdadeiros mesos denominados
\u201cvínculas\u201d, penetram nos tendões pela sua superfície dorsal e late-
ral. Existem vínculas curtas e longas que, se lesadas, irão provocar
uma perda da nutrição sanguínea do tendão. Este sistema de irri-
gação sanguínea explica a dificuldade de se obter bons resultados
cirúrgicos, e nos deixa claro a importância do líquido sinovial na
nutrição dos tendões.
Publicação Oficial do Instituto 
de Ortopedia e Traumatologia 
Dr. F. E. de Godoy Moreira 
da Faculdade de Medicina 
da Universidade de São Paulo.
R. Dr. Ovidio Pires de Campos, 333
Tel/Fax: (011) 3069-6888
CEP 05403-010 \u2013 São Paulo \u2013 SP
REDAÇÃO: 
Prof. Dr. Rames Mattar Junior
Professor livre Docente da FMUSP
Chefe do Grupo de Mão do Departamento 
de Ortopedia e Traumatologia FMUSP
Professor Ronaldo J. Azze
Professor Titular do Departamento 
de Ortopedia e Traumatologia da FMUSP
PRODUÇÃO GRÁFICA:
Coordenação Editorial: 
Ábaco Planejamento Visual
Colaboradores: 
Carmen T. Bornacina, Bruno Vigna
Marize Zanotto, Adalberto Tojero
Ilustrações Médicas:
José Falcetti
Rodrigo R. Tonan
Diagramação e Editoração Eletrônica: 
Alexandre Lugó Ayres Neto
Fotolito: Bureau Digital Bandeirante
Impressão: Nova Página
Tiragem: 10.000 exemplares
CARTAS PARA REDAÇÃO:
Atualização em Traumatologia do Aparelho Locomotor
Rua Batataes, 174 \u2013 01423-010
São Paulo \u2013 SP \u2013 Tel/Fax.: (011) 885-4277 IINN
TTRR
OO
DD
UU
ÇÇÃÃ
OO
LESÕES TRAUMÁTICAS 
DOS TENDÕES FLEXORES
DOS DEDOS E POLEGAR
As
O Comité de Tendões da Federação
Internacional das Sociedades de Cirurgia
da Mão adota a seguinte classificação (as
regiões dos tendões do flexor longo do
polegar são precedidas pela letra \u201cT\u201d):
Zona I \u2013 distal à inserção do flexor
superficial. Só há lesão do flexor profundo
e as sequelas funcionais são pequenas (-
bom prognóstico).
Zona II \u2013 ou \u201cZona de Ninguém\u201d (\u201cNo
man\u2019s land\u201d), corresponde à zona do túnel
osteofibroso dos tendões. Nesta zona
encontramos os mais difíceis problemas e
as soluções mais controvertidas devido às
condições anatômicas: irrigação sanguí-
nea pobre, presença do túnel osteofibroso
e proximidade de estruturas anatômicas
fixas.
Zona III \u2013 região da palma da mão
compreendida entre o limite distal do liga-
mento transverso do carpo e a prega de
flexão palmar distal. Nesta região origi-
nam-se os músculos lumbricais, o supri-
mento sanguíneo é abundante e o prog-
nostico da lesão normalmente é bom.
Zona IV \u2013 é a zona do túnel do carpo.
Nesta região o suprimento sanguíneo dos
tendões esta diminuído, sendo a nutrição
sinovial novamente importante. O prog-
nóstico não é bom como na zona III, mas
não tão ruim como na II.
Zona V \u2013 é a zona proximal ao canal
do carpo. Aqui os tendões são bem vas-
cularizados e o prognóstico bom.
Existem algumas diferenças entre os
tendões flexores dos dedos e o flexor lon-
go do polegar. Este último corre isolado e,
portanto, sua reconstrução é menos com-
plexa e o prognóstico melhor.
As lesões mais freqüentes dos ten-
dões flexores são causadas por ferimen-
tos abertos. Algumas condições tornam
os tendões flexores mais fracos (como na
artrite reumatóide), ocasionando rupturas
espontâneas. As avulsões de tendões fle-
xores por esforço são muito raras e ocor-
rem principalmente em atletas. O dedo
mais frequentemente envolvido é o anular
(inserção mais frágil). Estas avulsões
podem ser acompanhadas por fraturas da
base da falange distal. 
O quadro clínico é evidente. Na lesão
do flexor longo do polegar o paciente será
incapaz de realizar a flexão da articulação
interfalangiana deste dedo. Na lesão dos
tendões flexores superficiais o teste espe-
cífico para estes tendões demonstrará
que não há ação destes na flexão