HARVEY, David. O Enigma do Capital
235 pág.

HARVEY, David. O Enigma do Capital


DisciplinaPolítica Social518 materiais1.948 seguidores
Pré-visualização50 páginas
até apostas sobre o tempo. De quase nada 
em 1990, esses mercados cresceram e passaram a circular aproximadamente 250 
trilhões de dólares em 2005 (a produção total mundial foi então de apenas 45 tri\u2011
lhões de dólares) e talvez algo como 600 trilhões de dólares em 2008. Os investi\u2011
dores puderam investir em derivativos de ativos e, finalmente, até mesmo em deri\u2011
vativos de contratos de seguros de derivativos de ativos. Esse foi o ambiente em que 
os fundos de cobertura floresceram, com enormes lucros para quem investiu neles. 
Aqueles que o administravam acumularam grandes fortunas (mais de 1 bilhão de 
dólares em remuneração pessoal por ano para vários deles em 2007 e 2008, e algo 
como 3 bilhões de dólares para os que mais receberam).
150
125
100
75
50
25
0
150
V
al
or
 d
os
 tí
tu
lo
s 
e 
ca
sa
s 
no
s 
EU
A
, c
om
o 
pe
rc
en
tu
al
 d
o 
PI
B 125
100
75
50
25
0
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004
CASAS
Valor dos títulos e casas nos EUA, como percentual do PIB
TÍTULOS
RECESSÃO
Fonte: Federal Reserve, Secretaria de Comércio via Economy
O ENIGMA DO CAPITAL_miolo.indd 26 11/18/11 4:35 PM
A crise / 27
70% %
60
50
40
30
20
10
70
60
50
40
30
20
10
0 0
1950 196019551945 1965 1970 1975 1980 1985 1990 1995 2000 2005 2010
FINANÇAS
O revés da origem dos lucros corporativos nos EUA, 1950-2004
Fonte: Ray Dalio, Bridgewater Associates
PRODUÇÃO
100.000
90.000
80.000
70.000
60.000
50.000
40.000
30.000
20.000
10.000
0
300.000
250.000
200.000
150.000
100.000
50.000
0
1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 20071987
Total de derivativos
Produção econômica mundial
Flutuação do mercado de derivativos em relação
à produção econômica mundial
O ENIGMA DO CAPITAL_miolo.indd 27 11/18/11 4:35 PM
28 / O enigma do capital
A tendência de investimento em ativos se tornou generalizada. De 1980 em 
diante vieram à tona periodicamente relatórios sugerindo que muitas das grandes 
corporações não financeiras geravam mais dinheiro de suas operações financeiras 
do que fazendo coisas. Isso foi particularmente verdadeiro na indústria automobi\u2011
lística. Essas corporações agora eram administradas por contadores e não por enge\u2011
nheiros, e suas divisões financeiras que tratavam de empréstimos aos consumidores 
foram altamente rentáveis. A General Motors Acceptance Corporation tornou\u2011se 
logo uma das maiores detentoras de hipotecas de propriedade privada, bem co\u2011
mo um lucrativo negócio de financiamento de compra de carros. Mas mais impor\u2011
tante ainda, o comércio interno dentro de uma corporação que produzia autopeças 
em todo o mundo permitiu que preços e demonstrativos de lucros fossem mani\u2011
pulados em diferentes moedas de forma a declarar lucro em países onde as taxas 
eram mais baixas e usar flutuações de moeda para obter ganhos monetários. No 
entanto, para se proteger, as empresas também tiveram de blindar\u2011se contra poten\u2011
ciais perdas ligadas a mudanças inesperadas nas taxas de câmbio. 
O colapso de 1973 do sistema de câmbio fixo criado nos anos 1960 significou 
a ascensão de um sistema mais volátil de câmbio. Um novo mercado de moe das de 
futuros se formou na década de 1970 em Chicago, organizado em torno de regras 
estritas. No fim da década de 1980, para compensar a volatilidade, a prática de 
cobertura (colocar apostas de duas mãos sobre futuros de moeda) tornou\u2011se mais co\u2011
mum. Um mercado descentralizado e informal de trocas surgiu fora do qua dro re\u2011
gulamentar e das regras de comércio. Foi o tipo de iniciativa privada que levou a 
uma avalanche de novos produtos financeiros na década de 1990 \u2013 troca de 
inadimplência de crédito, derivativos cambiais, trocas de taxas de juros e todo o 
resto \u2013, o que constituiu um sistema de banco às escuras totalmente desregulamen\u2011
tado em que muitas empresas se tornaram jogadoras intensas. Se esse sistema de 
banco às escuras podia funcionar em Nova York, então por que também não em 
Londres, Frankfurt, Zurique e Singapura? E por que limitar a atividade a bancos? 
A Enron era supostamente especializada em fazer e distribuir energia, mas cada vez 
mais apenas comercializava futuros de energia e quando faliu em 2002 viu\u2011se que 
não era nada além de uma empresa de comércio de derivativos que havia sucum\u2011
bido em mercados de alto risco.
Na medida em que o que aconteceu parece incrivelmente opaco, deixe\u2011me con\u2011
tar uma anedota para ilustrar. Tendo tido algum sucesso na troca de futuros de moe\u2011
da no banco de investimentos Salomon Brothers, Andy Krieger, de 29 anos de 
ida de, entrou no Bankers Trust, em 1986, apenas a tempo para o \u201cBig Bang\u201d. Ele 
encontrou uma maneira puramente matemática para fazer lucro sobre o preço de 
opções de moeda. Ele também conseguiu manipular o mercado, colocando a opção 
de comprar uma grande quantidade de moeda em alguma data futura, que levava 
outros investidores a comprar a moeda o mais rápido possível. Krieger então ven\u2011
O ENIGMA DO CAPITAL_miolo.indd 28 11/18/11 4:35 PM
A crise / 29
dia a moeda que ele detinha na subida dos preços e cancelava sua opção. Ele perdia 
o depósito da opção, claro, mas encontrou a galinha dos ovos de ouro ao vender a 
moeda com lucro. Isso pode acontecer porque os negócios se deram no mercado 
informal (ou seja, em contratos privados e fora do quadro de troca de futuros de 
moeda de Chicago). Krieger fez imensas apostas \u2013 uma vez apostou o valor total 
do kiwi* da Nova Zelândia (levando ao pânico o governo neozelandês) \u2013 e fatu\u2011
rou cerca de 250 milhões de dólares em 1987, um ano de crise financeira em que 
o resto do Bankers Trust teve perdas. Aparentemente, ele sozinho foi o responsável 
por manter o Bankers Trust vivo. Haviam\u2011lhe prometido um bônus de 5%, o que 
na época teria sido enorme, mas quando ele recebeu meros 3 milhões de dólares 
renunciou \u201cpor princípio\u201d. Enquanto isso, o Bankers Trust, sem verificar seus 
números, divulgou declarações tranquilizadoras sobre sua rentabilidade para 
sustentar seu valor social. Os cálculos de Krieger revelaram estar errados em 80 
milhões de dólares, mas, em vez de admitir que sua rentabilidade tinha desapare\u2011
cido, o banco tentou todos os tipos de práticas de contabilidade \u201ccriativa\u201d para enco\u2011
brir o desvio antes de finalmente ter de admitir que havia um erro.
Observe os elementos desse conto. Em primeiro lugar, negócios não regula\u2011
mentados e informais permitem todos os tipos de inovação financeira e práticas 
nebulosas que, no entanto, geram um monte de dinheiro. Em segundo lugar, o Ban\u2011
co Mundial apoia tais práticas, mesmo sem entendê\u2011las (a matemática em particu\u2011
lar), porque são muitas vezes tão rentáveis em comparação com seus negócios cen\u2011
trais que, consequentemente, melhoram seu valor de mercado. Em terceiro lugar, 
a contabilidade criativa entra em cena e, em quarto, a valorização dos ativos de prá\u2011
ticas contábeis é extremamente incerta em mercados voláteis. Por fim, tudo isso foi 
conduzido por um jovem investidor que tinha habilidades que pareciam colocá\u2011lo 
em um campeonato próprio. Frank Partnoy, em seu relato sobre tudo isso, Infectious 
Greed [Ganância contagiosa]** (publicado, note\u2011se, em 2003), escreve:
Em poucos anos, os reguladores perderam o controle limitado que tinham sobre os inter\u2011
mediários de mercado, os intermediários de mercado perderam o controle limitado que 
tinham sobre os administradores de empresa, e os administradores de empresa perderam o 
controle limitado que tinham sobre seus empregados. Essa cadeia de perda de controle levou 
a tomadas de risco exponenciais em muitas empresas, em grande parte escondido da opinião 
pública. Simplificando, a aparência de controle dos mercados financeiros era uma ficção.