A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
36 pág.
apostila apicultura

Pré-visualização | Página 3 de 8

ao se prepararem para enxamear, se abastecem levando boa 
parte do mel reservado na colméia; segundo, a família dividida fica fraca, porque a 
maioria das operárias campeira acompanha a rainha mãe, ficando em casa apenas 
a rainha nova, que vai levar no mínimo 10 dias para começar a postura e mais 21 
dias para começar a nascer operárias, que ainda vão passar mais 21 dias de 
trabalho interno para então começar a postura. 
 
 O que leva as abelhas a enxamearem? 
 
 Falta de espaço na colméia, que pode ser ocasionada por excesso de zangões, 
ou por número muito grande de abelhas ou ainda por muito mel maduro no 
ninho. 
 A raça também tem muita influência, por exemplo, as abelhas africanas 
enxameiam muito mais que as italianas. 
 Rainha velha: quando isso acontece afeta a distribuição de substância da 
rainha, o que leva as operárias a formarem realeiras. 
 
 O que fazer para evitar ou controlar a enxameação? 
 
 Substituir as abelhas velhas ou com defeitos. Dar espaço suficiente, 
colocando mais uma melgueira. A melgueira nova deve ser colocada em cima do 
ninho para facilitar o trabalho das abelhas. 
 Controlar o nascimento de zangões, colocando quadros com folhas 
alveoladas, para evitar a formação de favos de zangões. 
 Retirar as realeiras existentes, evitando o nascimento de novas rainhas. 
Quanto à colméia está órfã, deve-se retirar as realeiras, deixando apenas uma. 
 
 
 HABITAÇÃO DAS ABELHAS 
Habitação é o local onde as abelhas formam suas moradas. Elas podem se 
alojar por conta própria ou serem levadas pelo homem. Portanto, as abelhas podem 
se alojar em: 
 Alojamentos Naturais: 
 Esses são considerados inadequados, porque nem sempre atendem as 
necessidades biológicas das abelhas e muito menos as exigências da apicultura 
moderna. Entre estes podem ser destacados: 
Oco ou galhos de árvores, locas de pedras, tetos de casas ou edifícios, ou 
qualquer outro lugar que ofereça condições mínimas para formar seu ninho. Porem, 
não permitem ao apicultor prestar nenhum manejo às famílias e nem beneficiar o 
mel e a cera, e tão pouco explorar outros produtos. 
 Caixas Rústicas: 
 
São caixotes, sem dimensões nem 
formas definidas, que são 
aproveitados para criar abelhas. Estas 
como os alojamentos naturais, não 
permitem o manejo adequado do 
apiário, a vantagem é só em relação 
aos alojamentos naturais, por que permitem a 
localização da criação. 
 Colméia Mobilista 
Muitas tentativas foram feitas até se chegar a um 
ambiente que oferecem condições adequadas para 
as abelhas, ao mesmo tempo em que permite o 
manejo das famílias facilitando o trabalho do 
apicultor. Em 1852, o americano Lorenzo Langstroth 
criou o modelo de caixa que ficou conhecida como 
colméia Langstroth ou Stand americano. 
 
 
Na opinião de técnicos e apicultores em geral esse modelo é o que melhor 
atende as necessidades biológicas das abelhas, respeitando o chamado “espaço 
abelha” que é uma medida que permite o livre transito das três castas no interior da 
Alojamento 
Natural 
Caixa 
Rústica 
 
 
colméia. Já para o apicultor oferece condições de manejo rápido e eficiente. È 
fundamental ressaltar a importância da padronização de todo o material apícola, 
principalmente das colmeias e quadros, que vai facilitar tanto o manejo do apiário 
como o intercâmbio de material entre os produtores. 
 
 Partes componentes de uma colméia 
 
 Um fundo que pode ser reversível ou não, conhecido também como assoalho 
que serve de base sobre o qual se assenta o ninho da colméia; 
 Um ninho ou compartimento de incubação dos ovos, é a parte reservada à 
postura da rainha e o desenvolvimento da criação; 
 Uma ou duas melgueiras, conhecidas também pelo nome de alça ou sobre 
caixas, servem de compartimento para armazenamento do mel; 
 Uma tampa que é o teto, que irá proteger a colméia, contra o frio e a entrada de 
elementos prejudiciais; 
 Quadros ou caixilhos, servem de moldura para favos de mel ou cria, e recebem 
como base a cera alveolada que dará uniformidade aos mesmos. LANGSTRTH 
descobriu que as abelhas constroem os favos obedecendo a uma medida que 
varia entre seis a nove milímetros, e que esse espaço , que ele chamou de 
espaço abelha é uma medida que permite o livre transito das três castas no 
interior da colméia. 
 VANTAGENS DA COLMEIA MOBILISTA 
 
 Permite: 
 Substituição da rainha; 
 Fácil Manejo pelo apicultor; 
 Alta produção de mel; 
 Aproveitamentos dos favos usados; 
 Exploração de qualquer produto; 
 Evita doenças; 
 Centrifugação dos favos; 
 E outros. 
MEDIDAS INTERNAS DA COLMEIA LANGSTROTH 
 
 Ninho Comprimento 46,5 cm 
interna 
 
 
 
Largura 37,0 cm 
Altura 24,0 cm 
Melgueira Comprimento 46,5 cm 
 
 
 
 
Largura 37,0 cm 
Altura 14,2 cm 
Fundo Comprimento 60 cm 
Externa 
 Largura 41 cm 
Tampa Comprimento 51 cm 
 Largura 44 cm 
Rebaixe Largura 1,0 cm 
 Altura 1,8 cm 
 
QUADROS (MODELO HOFFMAN) 
 
 Quadros do Ninho Quadro da Melgueira 
Vareta Superior 
Comprimento 48 cm 48,0 cm 
Largura 2,5 cm 2,5 cm 
Espessura 2,0 cm 1,2 cm 
Extremidades 
Comprimento 1,5 cm 
Largura 2,5 cm 
Espessura 1,0 cm 
 Vareta Lateral 
comprimento 23,3 cm 13,5 cm 
Largura 2,5 cm 2,5 cm 
Espessura 1,0 cm 1,0 cm 
Vareta Inferior 
Comprimento 45,0 cm 
Largura 1,5 cm 
Espessura 1,0cm 
 
 
 
 Dar espaço suficiente, colocando mais uma melgueira. A melgueira nova deve 
ser colocada em cima do ninho para facilitar o trabalho das abelhas; 
 Controlar o nascimento de zangões, colocando quadros com folhas 
alveoladas, para evitar a formação de favos de zangões; 
 Retirar as realeiras existentes, evitando o nascimento de novas rainhas. 
Quanto à colméia está órfã, deve-se retirar as realeiras, deixando apenas uma. 
 
 MATERIAL APÍCOLA 
 
Para que o apicultor possa trabalhar com as abelhas de maneira racional, 
precisa de alguns instrumentos e ferramentas como os abaixo relacionados: 
 
 
 FUMIGADOR 
 
É utilizado com a finalidade de controlar a agressividade das 
abelhas pelo uso da fumaça. É composto de duas partes; fole e 
fornalha. 
 
 FORMÃO DO APICULTOR 
 
É uma espátula, utilizada para deslocar as peças coladas com 
própolis pelas abelhas e para limpar as colméias. 
 
 ESCOVA 
 
Utilizada para varrer as abelhas aderentes, com a finalidade de 
não feri-las ou esmagá-las durante o manejo do apiário. 
 
 
 GARFO DESOPERCULADOR 
 
Serve para retirar a película de cera usada pelas abelhas para 
guardar o mel maduro. Isto é, quando o produto se encontra 
com o teor de água, adequado para não fermentar. 
 
 
 MESA DESOPERCULADORA 
Serve para apoiar os quadros durante a 
desoperculação, contem uma peneira onde a cera dos 
opérculos é depositada para o escoamento resto do 
mel que fica retido nestes. 
 
 CENTRÍFUGA 
 
 
Utilizada para extrair o mel sem destruir os favos e garantir 
sua pureza. Existem dois tipos de centrífuga, a facial e a 
 
 
radial, que é atualmente a mais usada por ser de mais fácil 
manejo. 
 
 
 INDUMENTÁRIA DO APICULTOR 
 
 Com a introdução das abelhas africanas (Apis mellifera scutelata), o manejo 
sofreu alterações, a começar pelo vestuário. 
 Para se trabalhar com as abelhas africanizadas é importante que o apicultor 
esteja bem protegido, para evitar além de um trabalho incômodo com possíveis 
ferroadas, a perda das abelhas que morreriam ao ferroarem quando sentirem 
contato e cheiro

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.