EDs 6º Semestre
4 pág.

EDs 6º Semestre

Disciplina:Pup e Pemc13 materiais53 seguidores
Pré-visualização1 página
PEMC
QUESTÃO 6

Alternativa C: Porque é importante que haja uma flexibilidade quanto ao tamanho das salas. O arquiteto sugeriu sala pequenas para que caso um cliente queira uma sala grande, ele junte as salas e a obtenha. Caso o cliente busque salas pequenas, ele compre uma pequena. Se não fosse desse modo e ele fizesse diversos tamanhos de salas, sem essa flexibilidade, iria limitar os compradores, pois quem quer sala pequena só conseguiria sala pequena se ainda não tivesse sido vendida e quem quisesse grande, também só conseguiria nessas condições. Não é necessário ter todos os compradores definidos antes do projeto, pois isso é inviável já que as salas não são necessariamente vendidas, podem ser alugadas e no fim do aluguel, se o comprador não permanecer na sala, ela terá medidas específicas dele, dificultando uma possível negociação com outro cliente.

QUESTÃO 7
Alternativa D: Nota-se por ter duas portas, cada uma de lado, fazendo com que se perceba a existência de duas escadas. Entrelaçadas pois estão na mesma caixa de proteção e porque uma está "abaixo da outra", enquanto em uma escada se tem degraus descendo, em cima dela vemos degraus subindo que por sua vez pertence a outra entrada, outra escada e consequentemente outra circulação. Seus acessos são independentes, como percebe-se pela implantação de duas portas, e pedindo então duas circulações independentes.

QUESTÃO 8
Alternativa D: Quando a estrutura vence grandes vãos, exige uma menor quantidade de pilares, possibilitando uma maior diversidade de disposição de ambientes. Se os pilares se encontram na extremidade, eles não atrapalham nos ambientes internos e se dispostos nasnextremidades e no centro, eles ajudam pois diminuem a quantidade de pilares nas demais áreas, "restringindo" a disposição dos ambientes apenas no centro onde se encontra a estrutura. Quando as escadas e elevadores, além dos sanitários, se encontram no centro da edificação, eles acabam por ser um núcleo estruturador do espaço e colaborando paradisposição dos ambientes conforme programa de necessidades.

QUESTÃO 9
Alternativa B: Desse modo, se o terreno tem uma área de 100% e podemos utilizá-la 3 vezes, podemos utilizar 300% da área do terreno, seguindo o CA. Portante, 300% que podemos construir dividido por 30% que é a área que podemos ocupar, teremos no máximo, de 10 pavimentos.

QUESTÃO 10
Alternativa A: Não é necessário que cada pavimento tipo tenha área equivalente à metade do anterior, até porque se notar o desenho, não é assim. Se dividir a área construída computável por quatro pavimentos tipos, diferentes, conseguimos atingir.

11 – C, Justificativa: Segundo Kooalhas o mesmo aponta da reflexão sobre a concepção corbisiana o sentido de "planta livre" e sugeri o mesmo para o corte: tendo seu escopo na importância do edifício na sua função é também para sua cidade.

PUP

1- D, justificativa: A ação de Paulo Nogueira Neto, e não do trabalho de D. Thoreau, que foi fundamental no estabelecimento de uma legislação ambiental desde 1986, cuja base é pertinente à ideologia de Desenvolvimento Sustentável;

2- B, justificativa: A noção de desenvolvimento urbano sustentável traz consigo conflitos teóricos de difícil, porém não impossível reconciliação. Entre as trajetórias da análise ambiental e da análise urbana que, originando-se em áreas do conhecimento diferentes, confluíram na proposta de desenvolvimento sustentável; e por sua vez nas formulações teóricas e propostas de intervenção, traduzindo-se no distanciamento entre análise social/urbana crítica e planejamento urbano.

3- E, justificativa: O macrozoneamento é quem vai nos ajudar a organizar as muitas áreas de interesse comum. Ele irá estabelecer diretrizes para o uso/ocupação das áreas, em concordância com a politica urbana.

4- A, justificativa: De acordo com o texto o mesmo aponta que em meados de 1990 há início de projetos justamente para que não haja abandono/esvaziamento dessas áreas assim não contendo relação com os ideais modernos na política urbana anterior a década de 1990.

5A - Pois a concentração central provém do seu histórico, assim como na maioria dos centros tradicionais brasileiros há uma concentração também de serviços, habitações, instituições públicas e privadas muito maior do que nos extremos da cidade.
6C- Pois visa garantir a função social da propriedade

7D- Estatuto da cidade tenta resolver o problema da falta do arranjo entre a execução e o plano, mesmo que ele surja apenas em 2001 e não em 1970. 

8E - Porque o paisagismo Inglês se difere muito do paisagismo do Renascimento Italiano, principalmente em questões formais 
9C - Todos os fatores apresentados convergem com os dados históricos do processo de urbanização e crescimento do Brasil 

10 - E
Todas as alternativas influenciam na mudança da morfologia.

11 - E
Pela importância e funcionalidade, os dois mantém os perímetros originais até hoje.

12 - C
Essa é a alternativo que melhor se encaixa nos conceitos de Fernando Chacel, que priorizava a restauração de ecossistemas degradados.

13 - C
É a alternativa que condiz com o enunciado.

14 - C
Preservação ambiental, como predito, são áreas sem intervenções humanas.

19 – C - Essas são ferramentas que de certa forma forçam a ocupação do solo ou a incentivam de modo a garantir o melhor uso da cidade.

20 – D - O plano diretor, previsto no estatuto da cidade, torna-se instrumento vital para o planejamento da cidade. A importância do planejamento é trazida ao primeiro plano, assim como questões de manutenção e qualificação do solo urbano. A população é incluída no debate, e a cidade ganha instrumentos para seu desenvolvimento.

21 – E - Se o proprietário pode usufruir de um C.A. de 4 e seu terreno possui 500m2, logo, ele construirá 1500m2 a mais do que inicialmente com o C.A. de 1.

22 – A - O município possui autonomia para decidir o uso e ocupação do solo, já que cada região possui necessidades específicas, desde que respeite parâmetros mínimos impostos pelas leis federais, que visam justamente fazer cumprir o mínimo necessário para a melhor ocupação do território nacional.

27 - B : A urbanização no Brasil começou em meados do século XX devido ao processo de industrialização e, por ocorrer de forma rápida e desordenado gerou diversas ocupações irregulares ( Favelização).

28 - A: Taxa de ocupação do solo é o percentual que em edificação ocupa em relação a área do lote, sem considerar o número de pavimentos.

29 - A:  Conforme a Lei 6766, que diz:"Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão estabelecer normas complementares relativas ao parcelamento do solo municipal para adequar o previsto nesta Lei às peculiaridades regionais e locais", conclui-se que os municípios podem atuar em seu território desde que respeitem os parâmetros federais.

30 - C: Trata-se de lugares vazios na cidade, que podiam voltar a ser como antes, fosse um riacho ou bosque; é um híbrido entre o urbano e o natural.