ESPONDILOLISTESE E DISCOPATIAS

ESPONDILOLISTESE E DISCOPATIAS


DisciplinaOrtodontia e Ortopedia I69 materiais2.271 seguidores
Pré-visualização1 página
ESPONDILOLISTESE E DISCOPATIAS
O que é Espondilolistese?
	Espondilolistese é o deslizamento de uma vértebra sobre a vértebra de nível seguinte, no sentido anterior, posterior ou lateral, provocando um desalinhamento da coluna, o que geralmente ocasiona dor ou irritação de raiz nervosa, com seus sintomas correspondentes, tais como alterações da sensibilidade, formigamento, dormência, etc.
JE
2
CLASSIFICAÇÃO
	1.Displásica: malformação congênita que afeta a porção superior do sacro ou do arco da quinta vértebra lombar (L5).
	2.Ístmica: quando afeta o istmo vertebral. É o tipo mais frequente de espondilolistese.
	3.Degenerativa: quando ocasionada pelo processo degenerativo próprio do envelhecimento.
	4.Traumática: ocasionada por um traumatismo que atinja a coluna vertebral.
	5.Patológica: quando ocasionada por alguma patologia que atinja a coluna vertebral.
SILVIA \u2013 CAUSAS 
5
Quanto ao grau do deslizamento, ela costuma ser classificada em:
Grau I: de zero a 25%.
Grau II: de 25% a 50%.
Grau III: de 50% a 75%.
Grau IV: de 75% a 100%.
Grau V: ptose vertebral. Esse deslizamento é mais comum nos níveis mais baixos da coluna, que são os que suportam os maiores pesos (geralmente entre a quarta e quinta vértebras lombares - L4 e L5).
GRA
6
GRA
7
SINAIS E SINTOMAS
	Dependendo do seu tipo e grau a espondilolistese pode gerar dor lombar, dor irradiada, dor nas pernas ao caminhar, formigamento, encurtamento dos músculos13 posteriores das pernas, perda de força e coordenação dos movimentos, incapacidade de andar.
MO
8
DIAGNÓSTICO
	O diagnóstico da espondilolistese deve começar por uma história clínica que leve em conta os sintomas do paciente e ser complementado pelas radiografias, pela tomografia computadorizada e/ou pela ressonância magnética da coluna vertebral.
JE
9
Raio X em Perfil mostrando o escorregamento da vértebra de L4 pra frente de L5 (anterolistese). A seta mostra a fratura da pars articularis, típica da espondilolistese ístmica. Olhos mais atentos notam a mesma fratura na vértebra de cima, ainda sem causar problemas.
SIL
12
O que é discopatias?
	Discopatia é um processo natural do ser humano em envelhecimento. Neste processo, há uma desidratação do disco interevertebral, que perde sua função adequada. 
	Várias doenças da coluna são resultantes ou consequências da discopatia, a saber: a protrusão discal , a hérnia discal, o estreitamento ou estenose do canal vertebral lombar, a estenose do canal cervical, a artrose interapofisária, os complexos disco-osteofitários (bico-de-papagaio) são todos eventos que correspondem a uma evolução degenerativa da discopatia.
GRACII
14
O que é discopatias?
	A Discopatia Degenerativa não é propriamente uma doença, mas um termo empregado para descrever alterações normais que ocorrem nos discos intervertebrais que ocorrem com o envelhecimento.
	As alterações que ocorrem nos discos podem resultar em dores no pescoço ou nas costas, além de osteoartrite e hérnias de disco.
GRACI
15
CAUSAS
	A medida em que envelhecemos, os discos localizados entre as vértebras também sofrem um processo de desgaste.
	Eles perdem uma quantidade significativa do conteúdo líquido, perdendo um pouco de sua capacidade amortecedora. A perda de líquidos também diminui a espessura dos discos e a distância entre as vértebras.
MO
17
	A diminuição na distância entre as vértebras e, consequentemente, da estabilidade da coluna vertebral, tende a ser compensado pelo organismo através da formação de pontes ósseas entre uma vértebra e a seguinte. Estas pontes, chamadas Osteófitos, podem pressionar as raízes nervosas ou a própria medula, causando dor e comprometimento da função do nervo afetado.
	Com o tempo, o material gelatinoso dentro do disco pode ser forçado para fora através de minúsculas rupturas, resultando em hérnias de disco.
MO - CAUSAS
18
SINTOMAS
	Dores nas costas e na região do pescoço são as manifestações mais comuns da doença. Contudo, os sintomas variam de pessoa para pessoa e de acordo com o local da coluna vertebral afetado.
	Muitas pessoas não sentem coisa alguma, ao passo que outras com lesões semelhantes se queixam de dormências ou dores severas e incapacitantes.
	
JE
19
SINTOMAS
	Se o disco afetado estiver na região do pescoço, os sintomas podem incluir dores cervicais ou no braço. Na coluna inferior, os sintomas incluem dores lombares, nas nádegas ou nas pernas.
	Em todos os casos, a dor tende a piorar com os movimentos de extensão da coluna. Por exemplo: ao se abaixar para amarrar um cadarço ou ao se esticar para alcançar algo em uma prateleira mais alta.
JE - SINTOMAS
20
DIAGNÓSTICO
	Através da sua história e do exame do clínico, o medico é capaz de ter uma boa idéia do problema. Porém, alguns testes serão necessários para identificar a extensão da discopatia degenerativa.
	Os principais exames solicitados incluem radiografias, tomografias computadorizadas e ressonância nuclear magnética da coluna vertebral.
SIL
21
A) Disco desidratado (cor escura) e hérnia discal comprimindo raiz nervosa próxima a canal medular (circulo vermelho)
B) Disco sadio (cor branca) 
C) Medula nervosa com líquor
D) Apófise espinhosa (1, 2, 3 e 4) Corpos vertebrais
GRA
23
Imagem mostrando o sinal do vácuo entre L5 e S1 sugerindo discopatia.
 
Nessa radiografia se observam sinais de discopatia lombar (em particular entre L4 e L5, osteófitos anteriores e esclerose subcondral vertebral).
 GRA
24
ESPONDILOLISTESE E DISCOPATIAS
ACADÊMICAS: GRACIELA SANTOS
JÉSSICA REGINA C.
MORGANA HARTMANN
SILVIA DANESE