manual boa praticas de fabricação
16 pág.

manual boa praticas de fabricação

Disciplina:Qualidade na Industria2 materiais140 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Universidade de Ribeirão Preto – UNAERP
Engenharia Química – Gestão da Qualidade

Manual de Boas Práticas de Fabricação

São Joaquim da Barra, SP
14 de Maio de 2016.
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO – BPF/GMP

O Manual de Boas práticas de fabricação é um conjunto de regras e atitudes para o manuseio correto de alimentos, produtos farmacêuticos e hospitalares. Essas regras e atitudes dependem da participação de todas as áreas da empresa, desde a diretoria até funcionários do transporte final do produto, o que garante qualidade o cliente, uma grande exigência do mercado e segurança para todos.
O BPF deverá ser seguido por todos os envolvidos no processo, sejam eles funcionários ou visitantes, e deverá ser apresentado através de palestras, cartilhas e avisos adicionados em locais estratégicos. É de extrema importância que a linguagem seja simples e dinâmica, e que se tenha certeza que o conteúdo foi compreendido corretamente.
Todos poderão fiscalizar sua execução, e comunicar o setor responsável quando julgar necessário.

Fonte: www.google.com.br

Higiene Pessoal

Higiene pessoal são os cuidados do trabalhador e do visitante com o corpo, são extremamente importantes, já que as indústrias do setor alimentício estão sujeitas a contaminações por patogênicos trazidos para empresa através do corpo Antes de iniciar as atividades de treinamento o funcionário deverá fazer todos os exames admissionais, e comprometer-se a realizar os exames períodos estabelecidos no contrato de trabalho. Durante o treinamento será ministrada uma palestra e fornecida uma cartilha sobre boas práticas de fabricação. Os funcionários terceirizado deverão passar pelo menos processo.

Tomar banho todos os dias, pois o cheiro do corpo pode afetar o relacionamento social, é desejável o uso de desodorantes e a troca rotineira das roupas devidamente lavadas. A empresa fornece espaço com vestiário e chuveiros.

Fonte: www.google.com.br

Manter frequentemente aparada a barba, (salvo questões religiosas que deveram ser tratadas a parte com uso de protetor), os cabelos limpos e presos; e as unhas curtas, limpas e sem esmaltes de cor escura.

Fonte: www.google.com.br

Ter um hábito de higiene bucal, a empresa fornece creme dental, fio dental, além de convenio odontológico.

Fonte: www.google.com.br

Lavar as mãos regularmente. Para a lavagem das mãos, os colaboradores antes de entrar para a fábrica devem lavar as mãos nas barreiras sanitárias, utilizando sabonete antibacteriano e secar as mãos com papel toalha. Este processo deve ser repetido sempre que algum colaborador fizer uso dos banheiros e sanitários.

Fonte: www.google.com.br

Usar roupas e luvas designadas ao setor de atuação, assim como os EPIs. Esses objetos não deverão em hipótese alguma entrar em contato com refugos, substâncias contaminadas ou resíduos. Caso o colaborador precise se retirar das instalações deverá removê-los e mantê-los na barreira sanitária, tornando a coloca-los para entrar na produção. Deverão ser fornecidas roupas descartáveis e EPIs aos visitantes.

Fonte: www.google.com.br

Não é permitida a utilização de adornos, ou aparelhos eletrônicos pessoais sobre hipótese alguma na linha de produção. No caso dos rádios de comunicação os mesmo deveram ser higienizados diariamente.

Fonte: www.google.com.br

 Não é permito ao visitante proximidade de menos de um metro da linha de produção.

Fonte: www.google.com.br

Não é permitido alimentar-se, guardar alimentos ou fumar .Caso o funcionário fume, o mesmo terá direito as pausas prevista por lei, e deverá se dirigir ao fumo dromo localizado no exterior das instalações.

Fonte: www.google.com.br

Ao notar qualquer sintoma de doença, o funcionário deverá comunicar o supervisor, ser encaminhado ao atendimento médico, monitorado e se necessário afastado das atividades até melhora completa do quadro.

Fonte: www.google.com.br

02. Edificações
Os edifícios deverão ser limpos, bem iluminados, arejados e conservados; assim é possível evitar contaminações geradas através do contado do trabalhador/produto com as superfícies e mantê-los livres de pragas e roedores.

Fonte: www.google.com.br
.
As paredes deverão ser tijolos, revestidas de cimento, livres de ondulações ou orifícios, laváveis e impermeáveis. Pisos em concreto, revestidos de cerâmica. Todo o ambiente interno deverá ter cores claras.
A iluminação deve ser natural tipo luz do dia, com auxilio de lâmpadas fluorescentes. As janelas e exautores deveram conter proteção de tela removível, e estarem localizadas na parte alta.

 http://www.telaecia.com.br/telas-com-industria.html

A limpeza, assim como a coleta do lixo é de responsabilidade de uma empresa terceirizada, seguindo um cronograma pré-definido.
Os ralos devem ser evitados nas áreas de produção, quando existentes devem ser sifonados, com sistema de fechamento e permitir livre acesso para limpeza.
As portas de entrada não devem ter acesso direto do exterior para área de produção, devem ser automáticas e mantidas fechadas. As portas internas, deverão conter cortinas de ar.

03. Instalações Sanitárias
As instalações sanitárias são localizadas na parte externa da indústria.
 Os lavatórios e vasos sanitários possuem acionamento automático.
Os vestiários possuem chuveiros e armários para os colaboradores que deverão ser mantidos limpos e organizados.
Não é permito fumar, ou armazenar e consumir alimentos no interior dos banheiros ou vestiários.

04-Higiene Ambiental

Os edifícios não devem ser localizados próximos a zonas de contaminação, a uma distância mínima de 10 metros de árvores.
A situação e condições da edificação devem impedir a entrada de pragas e evitar contaminações cruzadas.
O seu acesso principal deverá ser por estrada de asfalto.
Os terrenos da vizinhança deverão ser cercados.
As áreas externas devem ser cimentadas ou asfaltadas, e devem ser iluminadas, preferencialmente, com lâmpadas de vapor de sódio, instaladas afastadas das portas.
As instalações e fluxo de operações devem ser adequados de forma a evitar contaminações cruzadas

05-Armazenamento, Transporte e Manuseio de Materiais e Produto Final.
As matérias-primas, insumos, embalagem e produto final devem ser armazenados em condições que impeçam a contaminação e/ou desenvolvimento de microrganismos, alterações do produto ou danos a embalagem.
As matérias-primas e insumos devem ser devidamente identificados (lote, validade).
Embalagens de insumos que não tenha sido totalmente usada devem ser mantidas fechadas, armazenadas e identificadas quanto ao conteúdo, data e lote.
Os armazéns devem trabalhar no sistema FIFO (primeiro que entra, primeiro que sai).
Não se deve comer nas áreas de estocagem e manuseio dos produtos.
A movimentação do produto final depois de embalado deve ser feito por carrinhos ou empilhadeiras com pallets para a expedição e colocados em local pré-definido.
Antes do carregamento deve-se verificar se o baú do veículo está limpo (paredes e assoalho), livre de poeira, umidade e em boas condições para não contaminarem ou causarem danos ao produto.

LEGISLAÇÃO
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 18 DE SETEMBRO DE 2002.
 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, Parágrafo único, inciso II, da Constituição, e considerando a necessidade de aperfeiçoamento e modernização da legislação sanitária federal sobre a produção de leite, resolve:
Art. 1º Aprovar os Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do Leite Cru Refrigerado e o Regulamento Técnico da Coleta de Leite Cru Refrigerado e seu Transporte a Granel, em conformidade com os Anexos a esta Instrução Normativa.
Parágrafo único. Exclui-se das disposições desta Instrução Normativa o Leite de Cabra,