A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
52 pág.
AVALIAÇÃO POSTURAL. Rodacki

Pré-visualização | Página 1 de 2

Rodacki
AVALIAÇÃO 
POSTURAL
POSTURA IDEAL
• Estado de equilíbrio osteo-mio-articular o qual 
protege as estruturas de suporte contra lesões ou 
deformidades progressivas independente da 
posição fisica.
• Arranjo relativo das partes corporais para uma 
atividade específica, com um menor gasto 
energético.
• Postura global (segmentos em cadeia.
Academy of Ortopaedics Surgeons (1947)
Lehmkuhl & Smith (1989)
Souchard (1991)
• Alterações na postura são as bases de 
muitos síndromes de dores 
neuromusculares regionais;
• A avaliação da postura se torna 
importante para uma melhor 
orientação de medidas preventivas, 
possibilitando o combate dos desvios 
posturais.
Kendall et al. (1995)
Thiago Sarraf
POSTURA ESTÁTICA
OU DINÂMICA?
Para se detectar 
curvaturas 
anormais na 
coluna 
vertebral, a 
pessoa deve 
permanecer em 
pé, na posição 
anatômica 
(Moore & Dalley, 
1999)
A postura deve 
ser avaliada em 
várias posições, 
particularmente 
a que o paciente 
se encontra 
mais 
freqüentemente
(Hall, 1999)
Thiago Sarraf
Thiago Sarraf
Curvaturas da 
coluna 
vertebral
•Cervical e 
Lombar: côncavas 
posteriormente;
•Torácica e sacral: 
convexas 
posteriormente.
Moore & Dalley (1999)
Cifose/Lordose ou 
Hipercifose/Hiperlordose?
Cifose/Lordose Cifose/Lordose Lordose Lombar/Cifose 
Torácica
Aumento da curvatura 
posterior
Curvatura posterior Curvaturas da coluna
Lehmkuhl & Smith, 1989; Stagnara et al., 1980; Propst-Proctor & Bleck, 
1983;
Hall, 1999; Willner & Johnson, 1983; Gray, 1985;
Moore & Dalley, 1999; Ashton-Miller & Schultz, 
1988;
Araújo & Fazzi, 1988;
Whiting & Zernicke, 1998; Watkins, 1999; Ozonoff, 1992;
Anderson et al, 2000 Crhistie et al, 1995;
Hipercifose/Hiperlordose
Aumento da lordose
Wojtys et al, 2000 Thiago Sarraf
Determinação dos ângulos da 
coluna no plano sagital
• Cervical:
– Platô superior de C1 
e inferior de C7; 
• Torácico:
– Platô superior de T1 
e inferior de T12;
• Lombar:
– Platô superior de L1 
e inferior de L5. Watkins (1999)
Thiago Sarraf
Padrões do ângulo torácico
– (1986) - Voutsinas & McEwen: 38°
– (1987) - Drummond: 20 a 40°;
– (1995) - Gelb et al.: 48°
– (2000) - Boseker et al.: 20 a 50°;
– (2000) - Leroux: 33°;
Thiago Sarraf
– (1978) - Moe et al.: 40 e 60°;
– (1980) - Adams & Hutton: 52°;
– (1983) - Stagnara et al.: 50° (32 a 84°)
– (1983) - Propst-Proctor & Bleck: 40º
– (1986) - Goel et al.: 57° (38 a 75°);
– (1986) - Voutsinas & McEwen: 56°
– (1988) - Adams et al.: 53 a 55°;
– (1988) - Araújo & Fazzi: 53° (30 e 72º);
– (2000) - Leroux et al.: 52°;
Padrões do ângulo lombar0
Thiago Sarraf
Alterações na coluna
LORDOSECIFOSE ESCOLIOSE
Aumento 
da 
curvatura 
torácica
Aumento 
da 
curvatura 
lombar
Curvatura 
no plano 
coronal
Thiago Sarraf
– Diminuição da mobilidade 
das costelas;
– Aumento no ângulo têm 
correlação negativa com a 
capacidade respiratória, 
capacidade vital, e expansão 
lateral do tórax.
– Maior carga nos músculos 
extensores;
– Associação com dor lombar 
e fatiga.
CIFOSE
Knoplich, (1985)
Christie et al. (1995)
Whiting & Zernicke (1998)
Whiting & Zernicke (1998)
Thiago Sarraf
Adams & Hutton (1983)
–Prejudica o suprimento 
de metabólicos para o 
ânulo fibroso posterior;
Liyang et al. (1989)
–Reduz o volume do 
canal spinhal;
LORDOSE
Thiago Sarraf
Cailliet (1979); Adams & Hutton (1980)
–Aumento da carga nas 
articulações apofisiárias;
LORDOSE
Thiago Sarraf
Adams et al. (1994)
–Estresse compressivo 
do ânulo fibroso.
Cailliet (1979); Adams & Dolan (1995 )
- Transfere a carga do 
núcleo para outras estruturas 
menos resistentes, ocorrendo 
protusão dos discos e da 
corda espinhal ou nervos 
periféricos e, 
consequentemente DOR.
Thiago Sarraf
LORDOSE
• Desvio lateral da coluna vertebral;
• Pode ser em “C” ou em “S”;
• Involve a região torácica e/ou lombar; 
• Associada com doença, comprimento de pernas, 
desequilíbrios musculares;
Curvas entre:
0 – 15° - exercícios corretivos;
15 – 40° - Colete (Milwaukee, Boston, Risser)
40 – 60° - colete se paciente não desejar cirurgia;
> 60° - cirurgia.
ESCOLIOSE
Thiago SarrafKnoplich (1985)
• Baixos desvios são 
freqüentemente 
assintomáticos;
• Curvas acima de 90°, em 
grande parte, aumentam o 
risco de falha cardio-
respiratória;
• Aumento do trabalho da 
respiração;
• Hipertensão arterial 
pulmonar;
• Reduz o movimento 
respiratório
ESCOLIOSE
Whiting & Zernicke (1998)
Thiago Sarraf
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO
Obetivos
Indireto Duplamente 
indireto
Subjetivo
DiretoAnálise 
clínica
Thiago Sarraf
WATKINS (1999)
• Levemente posterior ao ápice da sutura 
coronal
• Meato auditivo externo;
•·Corpos da maioria das vértebras
cervicais;
• Articulação do ombro;
• Corpos das vértebras lombares;
• Levemente posterior ao eixo da
articulação do quadril;
• Levemente anterior ao eixo da
articulação do joelho;
• Ligeiramente anterior ao maléolo lateral;
Postura padrão
• dificuldade de 
interpretações 
inter e intra 
avaliadores
• Classificação:
- Leve;
- Moderada;
- Acentuada.
SUBJETIVO
Thiago Sarraf
Dissecação
OBJETIVO 
DIRETO
Tº
Lº
Thiago Sarraf
OBJETIVO 
INDIRETO
Raios-x
47°
• Gold standart
Deteminação 
do ângulo 
lombar a partir 
da radiografia
Thiago Sarraf
Problemas associados ao raio-x
• Exposição do indivíduo à radiação;
• Custo elevado da chapa;
• Diagnóstico médico.
• Erro aceito por medidas de raios x: ± 5°
(D'Osualdo, 1997; Shea et al.1998);
• Erro encontrado no próprio avaliador: º
Thiago Sarraf
Pneu-MAP Arcometer
Sports Medicine
OBJETIVOS
DUPLAMENTE INDIRETOS
Thiago Sarraf
Posturômetro Fotografia
OBJETIVOS
DUPLAMENTE INDIRETOS
Thiago Sarraf
Pneu-MAP
• Descrição das 
curvaturas da 
coluna:
• Gráfico para pré 
e pós tratamento
Sports Medicine
Thiago Sarraf
• Boa correlação 
com o raio-x; 
•Quantificação 
da curvatura 
torácica
Arcometer (D'Osualdo, 1997)
Thiago Sarraf
Posturógrafo
• Quantificação da 
curvatura torácica e 
lombar;
• Composto por:
• Haste vertical e nas 
horizontais 
reguláveis;
• Estabilização da 
cabeça e tronco;
• Apoio para os pés;
(Sarraf et al., 2003)
Thiago Sarraf
Thiago Sarraf
Fotografia
• Quantificação da 
curvatura torácica e 
lombar;
• Outros pontos de 
quantificação;
• Composto por:
• Triângulos;
• Câmera digital;
• Computador;
• Software;
• Pés sobre demarcação;
C 7
T 12
L 5
53°
41°
ângulo 
torácico
ângulo 
lombar
Flint (1963)
Christie et al, 
(1995)
Validação do posturógrafo mediante a 
fotografia
Posturômetro Fotografia
Torácico Lombar Torácico Lombar
Média 38.57 24.64 38.54 28.55
Desvio 
padrão
9.07 7.68 9.91 9.3
Média, desvio padrão expressos em graus
TABELA 1- Ângulos encontrados no posturômetro e fotografia 
em indivíduos aparentemente saudáveis
(Sarraf et al, 2003)
Thiago Sarraf
GRÁFICO 1 - Dispersão dos resultados do posturômetro e 
fotografia para ângulo torácico
Posturômetro
Fo
to
gr
af
ia
10
20
30
40
50
60
70
10 20 30 40 50 60 70
r = 0.85
Resultados
Post: α = 0.98; erro médio = 2.0° Foto: α = 0.99; erro médio = 1.6°
Thiago Sarraf
Posturômetro
Fo
to
gr
af
ia
0
10
20
30
40
50
0 10 20 30 40 50
r = 0.79
Post: α = 0.98; erro médio = 1.62° Foto: α = 0.98; erro médio = 1.79°
GRÁFICO 2 - Dispersão dos resultados do posturômetro e 
fotografia para ângulo lombar
Resultados
Thiago Sarraf
RAIOS X 
E
POSTURÔMETRO