RESUMO IMUNOPATOLOGIA
4 pág.

RESUMO IMUNOPATOLOGIA


DisciplinaProcessos Patológicos176 materiais1.509 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Ana Luíza Ingelbert - 3°P 2016.2
 Assunto: Imunopatologia | PPG
 
INTRODUÇÃO
Hipersensibilidade: resposta exagerada do sistema imunológico. Serão classificadas de acordo com o tipo de resposta desse sistema. 
Anticorpos e Sistema de complemento participam da resposta imunológica com o intuito de proteger o nosso organismo contra agentes estranhos, modificações extremas de temperaturas e tudo aquilo que poderia ocasionar lesão e morte celular. 
Na Imunologia estudamos dois tipos de respostas: Imune Inata (que já nasce conosco, composta de macrófagos, neutrófilos, barreiras epiteliais...) e Imune Adquirida. A Imune Inata naturalmente será a mais rápida e será a responsável pela inflamação aguda pois, nela, a perda da barreira epitelial facilitará a entrada de patógenos.
A resposta Imune Adaptativa pode ser Humoral ou Celular, dependendo do reconhecimento do antígeno e da sinalização. 
Dependendo do reconhecimento do antígeno teremos respostas imunológicas diferentes. Pois seria ineficiente para o nosso organismo produzir anticorpos contra uma bactéria intracelular. Para os microorganismos intracelulares o organismo lança mão da resposta celular, ativando células TCD8 ou NK.
Sistema Imune Adquirido
É específico e apresenta uma grande diversidade. Ou seja, para cada antígeno há um anticorpo produzido para reconhece-lo. 
Possui o mecanismo de Tolerância que impede que as células reajam contra aquilo que é do próprio organismo. As células vão sendo apresentadas ao sistema imunológico à medida que vai ocorrendo o desenvolvimento embrionário, as células reconhecem esse antígeno e aquelas que reagem são deletadas do sistema imune. Se os mecanismos de tolerância falham há o surgimento das Doenças Auto Imunes 
Possui o mecanismo de Memória: se o corpo entra em contato com um antígeno que nunca entrou no organismo, há uma resposta inata e depois uma adaptativa para então produzir células específicas contra aquele determinado antígeno. Na próxima vez que ele entrar em contato o sistema imune terá uma resposta mais eficiente graças à produção das células de memória. Por isso que em casos de alergia cada vez que você entra em contato com determinada substância a resposta é mais efetiva/grave. 
Eventos das respostas imunológicas: 
Anticorpos neutralizando microorganismos
Ativação das células T, recrutando células fagocíticas
Ativação dos linfócitos citotóxicos 
Ativação dos linfócitos T reguladores
Respostas das células Natural Killer, agindo contra as células neoplásicas e cel infectadas. Semelhante ao TCD8. 
Na imunopatologia acontecem reações cruzadas. No sistema \u201cchave-fechadura\u201d uma chave não deve abrir uma fechadura que não lhe pertence. Se isso acontece teremos uma patologia sendo desencadeada pelo sistema imunológico. 
A alergia é uma hipersensibilidade 
IMUNOPATOLOGIA
O sistema imunológico vai ter sua função alterada e essa resposta produzirá lesão nas células e nos tecidos. É essa resposta que começa a destruir as células do hospedeiro, ao invés de proteger. A hipersensibilidade, as doenças auto imunes e as imunodeficiências são consequências dessas alterações. 
HIPERSENSIBILIDADE 
Quando há uma resposta tão grande do sistema imunológico que vai gerar uma lesão celular. 
Nas alergias a liberação de histamina e serotonina é muito grande, há o reconhecimento do antígeno tendo a resposta vascular; essa resposta vascular pode ser localizada ou sistêmica. Se há uma liberação sistêmica de histamina, tem-se uma vasodilatação em todo organismo, aumentando a permeabilidade vascular, ocorrendo um Edema generalizado e podendo evoluir para uma Asfixia. Diminui o volume de líquido nos vasos para o meio extra vascular e, consequentemente, a pressão diminui bruscamente. O coração aumenta sua força nas contrações e o paciente evolui para um Choque Anafilático. Antes disso o paciente apresenta sintomas, como taquicardia, dor, taquipnéia, dispneia e cianose. Por isso a importância de exames clínicos antes da aplicação de qualquer substância. 
A porta de entrada também é importante para o tipo de resposta de imunológica. Substancias que são injetadas, por exemplo, entrarão em todo sistema circulatório do paciente. Logo, sua resposta imunológica também será sistêmica. Se há uma injeção local, a resposta também é local, a não ser que a sensibilidade contra aquele antígeno seja muito grande. Muitas vezes o paciente gera uma alergia ao inalar uma partícula, mas não reage ao ingeri-la. 
O grau da hipersensibilidade pode ser:
TIPO 1 ou IMEDIATA: característica das respostas alérgicas. Tem a ação do anticorpo IGE específico, que se liga na superfície dos mastócitos e basófilos e vai servir como receptor do antígeno, permitindo uma resposta mais rápida para um posterior ataque. Os mastócitos produzem histamina, que causa aumento de permeabilidade, vasodilatação e bronco-constrição. Por isso deve-se administrar um anti-histamínico ao paciente para controlar a quantidade de histamina liberada. Se a resposta for muito intensa, necessita também da injeção de Adrenalina. A histamina causa constrição da musculatura lisa visceral, provocando:
 Em casos de inalação: Bronco-constrição, que vai limitar a expansão do pulmão e dificultar a respiração do paciente. 
Em casos de ingestão: Constrição do estômago e do intestino, aumentando os movimentos peristálticos e, consequentemente, ocasionando diarreias.
Normalmente a alergia é genética, logo, pais alérgicos terão filhos também alérgicos. Entretanto, pode também acontecer de forma espontânea. Em sua grande maioria as alergias são desenvolvidas contra proteínas e substâncias químicas. São, então, geradas reações no sistema vascular, na musculatura lisa e essas respostas podem se exacerbar de acordo com o número de vezes que o paciente entra em contato com o antígeno. Há, também, a liberação de mediadores químicos que aumentam a produção de Muco. 
Na primeira exposição temos a produção de IGE específico, na segunda exposição essa IGE já está pronta, por isso a resposta é mais rápida e efetiva.
Alergias mais comuns:
Alimentar: liberação de histamina na musculatura lisa visceral com liberação de mediadores químicos aumentando o muco. 
Conjuntivite Alérgica
Brônquicas: por substâncias inaladas
Dermatites: antígenos que entram em contato com a pele ou são inalados, formando placas e elevações na pele. 
Sintomatologia:
Constrição de vias aéreas 
Edema de glote
Extravasamento de muco no intestino
Rinite, Asma
Em tratamentos mais tardios a uma reação alérgica faz necessário o uso de corticosteroides para diminuir a sintomatologia, ao invés do anti-histamínico. 
Locais de respostas: 
Nas pálpebras e lábios (tecidos ricamente vascularizados)
Para antígenos inalados: nas vias aéreas superiores ou uma resposta sistêmica.
TIPO 2: Resposta mediada por anticorpos IGG ou IGM. O indivíduo, por exemplo, produz anticorpos que se ligam às células epiteliais e induzem a resposta inflamatória para que aquela célula seja destruída. O anticorpo pode se ligar ao Desmossomo e indicar às células inflamatórias (neutrófilos, linfócitos) que elas devem destruir aquela junção intracelular. Portanto, as células epiteliais se soltam umas das outras, já que a junção das células epiteliais é formada e firmada pelos desmosssomos. O paciente, então, desenvolve bolhas superficiais e normalmente sua primeira manifestação é na mucosa oral. Como o revestimento epitelial oral é muito fino rapidamente é perdido e há o desenvolvimento de uma úlcera. 
HIPERTIREOIDISMO/DOENÇAS DE GRAVES: Anticorpos se ligam à receptores da tireóide. A tireóide então entende que seu receptor está se ligando ao hormônio especifico e, portanto, é estimulada. O anticorpo age como se fosse o hormônio estimulante da tireóide.