Trabalho Encefalopatia hepática

Trabalho Encefalopatia hepática


DisciplinaClínica Médica I6.471 materiais69.215 seguidores
Pré-visualização1 página
TRABALHO APRESENTADO A DISCIPLINA CLÍNICA MÉDICA 
Universidade Salgado de Oliveira 
Professora: Rita Patrizzi
Alunos: Aline Nascimento, Carol Fangueiro, Ruben Rangel, Sayonara de Oliveira, Sinthia Miranda, Thula Mattos.
CONCEITO
É uma síndrome neuropsiquiátrica que ocorre em consequência de Falência hepática aguda, aonde há um excesso de produtos tóxicos provenientes da alimentação e do próprio fígado, que deveria eliminá-las. A encefalopatia surge quando o fígado torna-se incapaz de eliminar ou transformar esses tóxicos pela destruição das suas células e/ou porque o sangue que vem do sistema digestivo é desviado do seu caminho normal e vai direto para a circulação geral (incluindo a do cérebro) sem passar pelo fígado antes.
TIPOS DE ENCEFALOPATIA HEPÁTICA
Encefalopatia hepática tipo A: resultante de insuficiência hepática aguda;
Encefalopatia hepática tipo B: com encefalopatia associada a bypass porto-sistêmico;
Encefalopatia hepática tipo C: Resultante da cirrose;
A encefalopatia hepática pode ainda se manifestar de forma esporádica, persistente ou mínima. 
Encefalopatia hepática esporádica: precipitada, espontânea e recorrente;
Encefalopatia hepática persistente: leve, grave, tratamento-dependente;
Encefalopatia hepática mínima: manifestações pré-clínicas que necessitam de meios de diagnóstico especiais. Antigamente era chamada de encefalopatia latente e encefalopatia sub-clínica.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Lentificação do pensamento;
Sonolência;
Tremores;
Descoordenação motora;
Distúrbios comportamentais;
Pele e olhos amarelados;
Abdômen inchado;
Mau hálito;
Esquecimentos frequentes;
Confusão mental;
Piora na escrita.
DIAGNÓSTICO
Pode ser diagnosticado exame físico, também, por meio da observação clínica, principalmente no que diz respeito aos sinais emitidos pelo sistema nervoso de que alguma coisa está errada. 
Estes sinais podem variar de:
\u2022	Falta de coordenação e tremores nas mãos ao tentar estender os braços à frente do corpo e levantálos
\u2022	Estado mental anormal, principalmente as funções cognitivas (raciocínio), como traçar linhas para conectar números
\u2022	Sinais de doença hepática, como pele e olhos amarelados (icterícia) e retenção de líquido no abdome (ascite), e, ocasionalmente, um odor bolorento no hálito e na urina.
A observação clínica, porém, não é suficiente para fazer o diagnóstico preciso. O médico deverá solicitar alguns exames, que podem incluir:
\u2022	Hemograma completo ou hematócrito para verificar se há anemia
\u2022	Tomografia computadorizada da cabeça ou ressonância magnética
\u2022	Eletroencefalograma
\u2022	Exames de função hepática
\u2022	Tempo de protrombina
\u2022	Níveis séricos de amônia
\u2022	Níveis de sódio no sangue
\u2022	Níveis de potássio no sangue
\u2022	Nitrogênio úrico no sangue (BUN) e creatinina para verificar o funcionamento renal.
TRATAMENTO
Identificar e tratar qualquer fator que possa ter causado a encefalopatia hepática.
Dependendo do caso, é preciso parar o sangramento gastrointestinal e dar a devida atenção a infecções, insuficiência renal e anormalidades dos eletrólitos (principalmente potássio).
Poderá ser necessária a ajuda de aparelhos para respiração e circulação sanguínea, principalmente se o paciente estiver em coma. Pacientes com casos graves e repetidos de encefalopatia podem ter que reduzir a ingestão de proteínas para baixar a produção de amônia. No entanto, é importante consultar um nutricionista, pois quantidades muito baixas de proteína na dieta podem causar desnutrição. Pacientes em estado crítico podem precisar de alimentação por via intravenosa ou por sondas.
Pode ser medicamentoso também, com a Lactulona. Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
Avaliar e anotar características da pele.
Avaliar estado mental.
Avaliar a condição cognitiva a intervalos regulares como a orientação do paciente quanto a tempo, lugar e pessoas.
Monitorar as medicações para evitar a administração que podem precipitar a HE(Sedativos, hipnóticos).
Restringir paciente no leito em caso de agitação e confusão mental.
Ficar atento para sinais de edema cerebral.
Avaliar coágulo grama diariamente.
Ficar atento a sinais de acidose metabólica.
BIBLIOGRAFIA
http://www.minhavida.com.br/saude/encefalopatia-hepatica
Pesquisado em 21/04/2017 às 15:38hrs
http://www.fcm.unicamp.br/diretrizes/d_n_c/encefalopatia%20hepatica%20(eh)/enc_hep_pag_1.html
Pesquisado em 21/04/2017 às 16:12hrs
http://www.manualmerck.net/?id=142&cn=1149
Pesquisado em 21/04/2017 às 16:46hrs
http://www.gmbahia.ufba.br/index.php/gmbahia/article/viewFile/333/322
Pesquisado em 21/04/2017 às 17:23hrs