A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
203 pág.
Guia de Bolso de Procedimentos de Enfermagem

Pré-visualização | Página 19 de 29

à lavagem higiénica 
das mãos; 
→ Preparar o material e 
transportá-lo para junto do 
doente; 
→ Explicar ao doente o 
procedimento; 
→ Isolar o doente; 
→ O enfermeiro coloca-se à 
direita do doente 
→ Posicionar correctamente o 
doente; 
 
→ Colocar resguardo absorvente 
e impermeável; 
 
→ Expor unicamente a região 
necessária á execução do 
penso; 
→ A área a ligar deve ser 
previamente almofadada; 
→ Com a mão direita segura o 
rolo da ligadura voltado para 
individualização dos 
cuidados 
→ Economizar tempo; 
Proporcionar tratamento 
adequado 
 
 
 
→ Prevenir infecções 
cruzadas; 
→ Economizar tempo; 
 
 
→ Diminuir a ansiedade e 
obter a sua colaboração; 
→ Respeitar a privacidade; 
→ Facilitar a execução do 
procedimento; 
→ Proporcionar conforto e 
facilitar a execução do 
procedimento; 
→ Evitar contaminação e 
gasto desnecessário de 
roupa. 
→ Respeitar a privacidade; 
 
 
→ Prevenir complicações; 
 
→ Facilitar a execução da 
técnica e economizar 
 
133 
si e com a esquerda a 
extremidade inicial (há 
excepções). Cada uma das 
mãos trabalha no semicírculo 
que lhe compete; a direita na 
face anterior e a esquerda na 
face posterior; 
→ A ligadura inicia-se por duas 
circulares sobrepostas — 
circulares iniciais. Toda a 
ligadura termina tal como 
começou por duas circulares 
sobrepostas — circulares 
terminais; 
→ A fixação das ligaduras faz-se 
sempre na face anterior (tiras 
de adesivo ou agrafos 
elásticos); 
 
 
→ Proceder à lavagem higiénica 
das mãos; 
→ Reposicionar o doente; 
→ Recolher e dar destino 
adequado ao material e 
equipamento; 
→ Proceder à lavagem higiénica 
das mãos; 
tempo; 
 
 
 
 
 
 
→ Evitar deslocamento da 
ligadura; 
 
 
 
 
 
→ Evitar que a ligadura se 
desloque e que os 
adesivos ou agrafos 
elásticos fiquem presos 
noutras estruturas que não 
as ligaduras; 
→ Evitar contaminação das 
mãos; 
→ Proporcionar conforto; 
→ Prevenir a contaminação 
do ambiente; 
 
→ Prevenir infecção; 
 
 
 
 
 
134 
� Tipo de Volta 
 O tipo de volta utilizada no executar da ligadura depende da parte do 
corpo a envolver e do material de que a ligadura é feita. 
Circular – é a volta mais simples e mais usada. Utiliza-se para ligar 
porções do corpo circunferenciais como um braço. Utiliza-se quando 
se deseja cobrir completamente voltas anteriores. As extremidades 
iniciais e terminais ficam com a mesma localização. Usa-se numa 
porção pequena, e também para fixar o início de uma ligadura ou o 
seu termo, como ao começar ou terminar uma ligadura em oito ou em 
espiral. 
Espiral – a volta em espiral apenas se sobrepõe parcialmente à 
anterior. Usa-se mais frequentemente em porções cilíndricas. 
Espiral invertida – esta vira a ligadura a meio de cada volta. Usa-
se para ligar porções circunferenciais que vão aumentando de 
tamanho (ex. antebraço ou perna). É necessária para aplicar ligaduras 
não flexíveis (ex. de pano). Como se encontram hoje em dia 
disponíveis ligaduras mais adaptáveis, este tipo de volta raramente se 
usa hoje nos serviços. 
Volta em Oito – sobrepõe-se de uma forma obliqua e 
alternadamente ascendente e descendente. Cada volta cruza a 
anterior, formando um oito. Fica com um aspecto de um osso de 
arenque e usa-se para ligar e imobilizar articulações (ex. joelho, 
cotovelo). 
Espiga – é uma variante da volta em oito. Todas as voltas se 
sobrepõem num ângulo agudo e sobem e descem alternadamente. 
Usa-se para ligar a anca, coxa, virilha e polegar. 
Recorrente - utiliza-se em áreas arredondadas, como um coto 
após amputação, a cabeça ou, por vezes, os dedos. Começa-se por 
prender a ligadura com diversas circulares. Depois coloca-se o rolo no 
centro da porção a ser ligada. Faz-se meia volta segurando-a com o 
dedo. Passar o rolo para trás e para a frente sobre o topo do coto, ou 
 
135 
da cabeça, ou da ponta do dedo, da superfície anterior para a 
posterior, e de novo para trás. Segurar cada prega com o dedo, para 
não fugir. Sobreponha a ligadura de um lado e do outro até cobrir 
totalmente a porção a ligar. Terminar com várias circulares sobre as 
dobras. Prender com adesivo ou alfinete. Se a área ligada for grande, 
reforçar com tiras de adesivo aplicadas obliquamente (inclinadas). 
 
 
TIPOS DE LIGADURAS (Execução) 
 
� Ligaduras dos Membros Superiores 
Espiral de um dedo (2 a 3 cm) 
Inicia-se em torno do punho, em seguida a ligadura desce até à 
extremidade do lado esquerdo, do dedo a ligar. Aqui faz uma circular 
continuando a progressão da ligadura ao longo do dedo, da 
extremidade até à base, por meio de espirais que devem cobrir 2/3 
da passada precedente. Da base do dedo até ao punho, executa-se 
uma diagonal ascendente para terminar por duas circulares a 
sobrepor as iniciais. 
No caso de ser preciso cobrir a extremidade do dedo, fazem-se 
recorrentes na altura em que se faz com a ligadura a primeira 
diagonal descendente do punho à extremidade do dedo. 
Espiga do polegar (2 a 3 cm) 
Depois de concluídas as circulares em torno do punho, onde se 
inicia a ligadura, esta desce em diagonal até à extremidade do lado 
esquerdo do polegar, que contorna, cruza a anterior, para em 
seguida subir em diagonal até ao punho; repetir o trajecto o número 
de vezes necessário até à cobertura total do polegar, que é feita da 
extremidade para a base, cruzando a ligadura ao longo do dedo, 
pela sua face dorsal, onde faz espiga ascendente. 
Termina por duas circulares no punho, sobrepostas às primeiras. 
 
136 
Luva da mão ou espiral de todos os dedos (2 a 3 cm) 
Na mão direita inicia-se a ligadura pelo dedo mínimo; na mão 
esquerda pelo polegar. Inicia-se no punho para em seguida fazer a 
espiral do primeiro dedo mínimo ou polegar, conforme a mão. 
Concluída a cobertura de um dedo, como na espiral a ligadura vai 
ao punho, que contorna para descer à extremidade do segundo, 
onde vai repetir a técnica usada no primeiro. Repete-se esta 
manobra a cada um dos dedos, até ligar a todos, um por cada vez. 
Termina onde tinha iniciado. 
Nalguns casos é necessário fazer no polegar uma ligadura em 
espiga, já descrita, porque neste dedo dá mais segurança que as 
espirais. 
Cruzado do punho, anterior (5 a 7 cm) 
Com a palma da mão voltada para nós, inicia-se a ligadura em torno 
da mão, mas sem cobrir os dedos, que devem ficar livres. Em 
seguida segue uma diagonal ascendente do bordo da mão até ao 
punho, que circunda numa volta completa, para em seguida descer 
novamente em diagonal, a partir das circulares do punho até às da 
palma da mão. Faz mais duas diagonais ascendentes e duas 
descendentes que cruzam a fazer espiga, mas estas agora só fazem 
meia circular no punho e no dorso da mão. Termina no punho. 
Cruzado do punho, posterior 
O mesmo material e a mesma técnica da anterior, havendo apenas 
que colocar a mão com a face dorsal voltada para nós. Estes dois 
cruzados também se podem fazer no sentido descendente, isto é, a 
começar com duas circulares no punho, e a fazer a primeira 
diagonal descendente à mão. Nos doentes que tenham ferimentos 
na mão, esta técnica é superior. 
Ligadura ou recorrente da mão (7 cm) 
Inicia-se no punho, fazendo em seguida uma série de recorrentes à 
ponta dos dedos, a primeira ao centro e as seguintes que forem 
 
137 
precisas, uma para cada lado, até cobrir toda a extremidade do 
penso. Fazendo uma inversão com a ligadura, inicia-se um espiral 
em torno dos dedos, para arrematar e fixar as recorrentes. 
Chegando à palma da mão, fazem-se duas circulares para dar início 
a um cruzado do punho, que termina por duas circulares, no punho 
também, a sobrepor as primeiras. 
 
Cruzado do antebraço/espirais, cruzados ou inversões (7 cm) 
Começa pelo punho para em seguida prosseguir na cobertura

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.