A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
203 pág.
Guia de Bolso de Procedimentos de Enfermagem

Pré-visualização | Página 28 de 29

______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
 
 
NORMA DE COLHEITA DE AMOSTRAS POR ZARAGATOA 
 
DEFINIÇÃO 
Consiste na recolha de substâncias orgânicas com uma zaragatoa para a 
realização de exames complementares de diagnóstico. 
 
OBJECTIVOS 
Realização exames complementares de diagnóstico. 
 
INFORMAÇÕES GERAIS 
 
Quem Executa: 
O Enfermeiro; 
 
 
MATERIAL 
Zaragatoa. 
 
 
 
 
191 
 
INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM 
Intervenções Justificação 
→ Identificar o doente, 
→ Proceder à lavagem higiénica 
das mãos; 
→ Preparar o material e 
transportá-lo para junto do 
doente; 
→ Explicar ao doente o 
procedimento; 
 
→ Isolar o doente, 
→ Posicionar correctamente o 
doente; 
 
 
→ Abrir a zaragatoa, 
respeitando técnica 
asséptica, e colher o produto 
biológico. 
→ Fechar a zaragatoa. 
→ Identificar o frasco e juntar a 
requisição; 
→ Recolher e dar o destino 
adequado ao material e 
equipamento; 
→ Proceder à lavagem higiénica 
das mãos; 
→ Proceder aos respectivos 
registos. 
→ Evitar erros; 
→ Prevenir infecções cruzadas; 
 
→ Economizar tempo; 
 
 
→ Diminuir a ansiedade, obter a 
sua colaboração e envolve-lo 
na prestação de cuidados; 
→ Respeitar a privacidade; 
→ Proporcionar conforto e 
facilitar a execução do 
procedimento, Respeitar a 
privacidade do doente; 
→ Cumprir norma; 
 
 
 
→ Cumprir norma. 
→ Evitar erros; 
 
→ Prevenir a contaminação do 
ambiente; 
 
→ Prevenir infecção cruzada; 
 
 
 
192 
 
 
REGISTOS 
Estes devem conter os seguintes elementos: 
� Data e hora da colheita 
 
 
NOTAS: 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
 
 
NORMA DE LAVAGEM DAS MÃOS 
 
DEFINIÇÃO 
Acção de molhar as mãos, ensaboá-las, enxaguá-las e secá-las para 
eliminar a sujidade e reduzir os microrganismos. 
Distinguem-se três técnicas de lavagem das mãos: lavagem higiénica, 
asséptica e cirúrgica. 
A escolha faz-se em função dos riscos infecciosos para a pessoa doente 
ou para o profissional. 
 
Infecção nosocomial: Infecção que ocorre como consequência dum 
internamento no hospital ou de um tratamento ai recebido, podendo 
manifestar-se durante o tratamento ou após a alta 
 
193 
 
Flora microbiana residente: conjunto de microrganismos que são 
frequentemente encontrados na pele. Ex. bactérias gram-positivas 
(estafilococos coagulase-negativa). 
 
Flora microbiana transitória: conjunto de microrganismos que podem 
ser encontrados na pel e mas para os quais a pele constitui um ambiente 
hostil, pelo que a sua colonização é transitória. Ex. bactérias gram-
negativas (E. Coli) e estreptococus. 
 
Lavagem asséptica: Proceder à lavagem de mãos, mas utilizando um 
sabão anti-séptico. Lavar as mãos durante um minuto. 
 
Desinfecção higiénica: Aplicar solução aquosa com álcool sobre as 
mãos limpas e secas. Espalhar a solução por fricção em toda a zona 
(durante 50 segundos) até à evaporação espontânea do produto em con-
tacto com o ar. 
 
OBJECTIVOS 
 
• Reduzir os microrganismos que constituem a flora transitória 
• Eliminar a flora transitória através da desinfecção 
• Eliminar a totalidade da flora transitória e reduzir a flora residente 
com a lavagem asséptica 
• Eliminar a totalidade da flora transitória e uma grande parte da flora 
residente através da lavagem cirúrgica 
• Impedir que as mãos sejam uma fonte de transmissão de infecção 
 
 
 
 
 
194 
INFORMAÇÕES GERAIS 
 
Lavagem higiénica 
 
Realiza-se: 
• Quando chega ou abandona o local de trabalho, após a 
realização de necessidades fisiológicas pessoais 
 
• Antes e depois de: tocar em objectos limpos, desinfectados e 
esterilizados, preparar e administrar terapêutica 
• Antes e depois: manusear alimentos, do contacto físico com a 
pessoa, de colheita de material para exame, de contacto com 
local supostamente contaminado: urinol, arrastadeira, roupa 
da cama. 
 
Desinfecção higiénica: é o complemento de uma lavagem higiénica das 
mãos ou entre duas lavagens das mãos ou após a remoção de luvas. 
 
Lavagem asséptica: faz-se antes de qualquer procedimento invasivo: 
colocação de um cateter venoso periférico, colocação de uma algalia, 
realização de um penso. Após prestação de cuidados a pessoa 
infectada. Antes e após toda a prestação de cuidados a uma pessoa sub-
metida a isolamento. 
 
Lavagem cirúrgica: Realiza-se antes de qualquer procedimento que 
necessita de uma assepsia rigorosa: intervenção cirúrgica; colocação de 
um cateter central, dreno pleural; punção lombar. 
 
 
 
 
 
195 
MATERIAL 
 
Lavagem higiénica 
• Lavatório 
• Torneira de pedal, manípulo ou fotoelectrica 
• Sabão líquido bacteriostático (sabão neutro) accionado por 
manípulo ou dosímetro 
• Toalhetes descartável 
• Recipiente para toalhetes 
 
Desinfecção higiénica 
• Solução aquosa com álcool. 
 
Lavagem asséptica 
• Sabão anti-séptico de largo espectro ou sabão bacteriostático 
e anti-séptico alcoólico. 
• Toalhetes descartáveis 
 
Lavagem cirúrgica 
• Sabão anti-séptico ou sabão anti-séptico 
• Água bacteriologicamente pura. 
• Toalhetes esterilizados. 
• Recipiente para toalhetes 
 
PREPARAÇÃO 
As mãos que cuidam têm que: 
• Estar íntegras e limpas 
• Sem anéis e sem pulseiras 
• Com unhas curtas, limpas e sem verniz 
• Sem creme 
 
 
196 
 
INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM 
Intervenções Justificação 
→ Molhar as mãos e os 
antebraços com água tépida. 
→ Diminuir a irritação da pele, 
formar espuma 
→ Verter uma dose de sabão 
bacteriostático na palma da 
mão pressionando com o 
cotovelo o doseador do 
reservatório de sabão 
→ Reduzir microrganismos. 
→ Espalhar o sabão sobre as 
mãos e os antebraços, fazer 
espuma esfregando durante 50 
segundos, insistindo sobre os 
espaços interdigitais, o dorso 
da mão e o bordo cubital. 
→ Arrastar os microrganismos 
para que sejam eliminados 
 
→ Enxaguar abundantemente, 
partindo das mãos para os 
cotovelos. As mãos situam-se 
sempre acima dos cotovelos. 
→ Remover microrganismos e 
resíduos de sabão que podem 
secar a pele 
→ Secar cuidadosamente sem 
esfregar, começando das mãos 
para os cotovelos, com a ajuda 
de uma toalha de mãos 
diferente para cada mão. 
→ Evitar infecção nosocomial. 
→ Fechar a torneira com a última 
toalha de mãos utilizada. 
 
→ Evitar contaminação 
→ Deitar fora as toalhas de mãos 
no saco do lixo sem tocar na 
tampa deste. 
→ Prevenir contaminação 
 
197 
 
NOTAS: 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
 
 
NORMA DE CALÇAR LUVAS ESTERILIZADAS 
 
DEFINIÇÃO 
Limpeza – remover o pó visível, sujidade e outros materiais estranhos 
Desinfecção – matar ou destruir a maior parte de microorganismos 
patogénicos 
 
OBJECTIVOS 
Prevenir a transmissão de microrganismos através das mãos. 
 
INFORMAÇÕES GERAIS 
Todos os procedimentos que necessitam da manutenção da esterilidade

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.