A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Respostas Língua Portuguesa sem complicações - Fundação Bradesco

Pré-visualização | Página 1 de 1

1) Questão: Leia a tirinha abaixo com atenção:
Com base na regra de acentuação de que trata a tirinha e de acordo com o contexto, as palavras que completam corretamente o último quadrinho, provocando o humor, são
feiúra – feiura.
saiínha – saiinha.
egoísmo – egoismo.
saúde – saude.
2) Questão: Leia a tirinha abaixo com atenção:
Com base na regra de acentuação de que trata a tirinha e de acordo com o contexto, a palavra que completa corretamente o último quadrinho, provocando o humor, é 
jiboia
mocreia
pasteis
troféu
3) Questão: Para divulgar uma promoção, uma loja de móveis publicou, num folheto, os seguintes dizeres:
Móveis por estes preços não vão durar nada!
O texto apresenta duplo sentido, o que, em vez de chamar a atenção do consumidor, desqualifica os produtos ofertados.
Uma opção de redação para desfazer a ambiguidade, de acordo com a finalidade pretendida pelo anúncio, é 
Por estes preços, os móveis não vão durar nada!
Móveis, por estes preços, não vão durar nada!
Móveis por estes preços são de boa qualidade!
Por estes preços, os móveis não vão durar na loja!
4) Questão: Leia o texto:
(...)
O “EU TE AMO” hoje em dia, ou desde os primórdios, tornou-se objeto em liquidação. Nada de entrega total ou cumplicidade.
(..)
Traduzindo, o tal sentimento puro, eterno e verdadeiro é só um produto que precisa ser exibido para os quatro ventos. Porque os que amam, e que dizem ser eterno, são pessoas mais felizes, mais leves, mais completas. Punk é quando o prazo de validade do “eterno” acaba e a pessoa amada passa a não ser mais tão “perfeita”.
(...)
O “amor” vendido por aí é droga. Muitas pessoas querem, e quando o possuem viciam nas infinitas sensações causadas. Tornam-se dependentes e precisam provar para Deus e o mundo – virtual – o quanto se sentem bem e felizes. (...)
(ARRUDA, Bárbara. O “amor” é uma droga. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2012.)
O uso das aspas nas palavras “eterno” e “perfeita”, em destaque no texto, tem a finalidade de indicar que se trata de: 
ironia.
gírias.
estrangeirismos.
citações.
5) Questão: Na imagem abaixo, leia a tirinha com atenção:
Com base na regra de colocação pronominal de que trata a tirinha e de acordo com o contexto, a expressão que completa corretamente o último quadrinho, provocando o humor, é 
dane-se
mato-lhe
me ferrei
me perdoe
6) Questão: (ENEM 2010 – prova amarela – 2ª aplicação – questão 117).
Diante do número de óbitos provocados pela gripe H1N1 – gripe suína – no Brasil, em 2009, o Ministro da Saúde fez um pronunciamento público na TV e no rádio. Seu objetivo era esclarecer a população e as autoridades locais sobre a necessidade do adiamento do retorno às aulas, em agosto, para que se evitassem a aglomeração de pessoas e a propagação do vírus.
Fazendo uso da norma padrão da língua, que se pauta pela correção gramatical, seria correto o Ministro ler, em seu pronunciamento, o seguinte trecho: 
Diante da gravidade da situação e do risco a que nos expomos, há a necessidade de se evitarem aglomerações de pessoas, para que se possam conter o avanço da epidemia.
Diante da gravidade da situação e do risco de que nos expomos, há a necessidade de se evitar aglomerações de pessoas, para que se possa conter o avanço da epidemia.
Diante da gravidade da situação e do risco a que nos expomos, há a necessidade de se evitarem aglomerações de pessoas, para que se possa conter o avanço da epidemia.
Diante da gravidade da situação e do risco os quais nos expomos, há a necessidade de se evitar aglomerações de pessoas, para que se possa conter o avanço da epidemia.
7) Questão: Das frases a seguir, aquela em que o fenômeno da crase está corretamente indicado pelo uso do acento grave é 
Veículo à serviço da Prefeitura.
Sobremesas deliciosas por apenas R$ 4,50 à fatia.
Mulher baleada dá à luz.
Lavagem à partir de R$19,90.
8) Questão: Leia o texto:
(...)
O “amor” vendido por aí é droga. Muitas pessoas querem e, quando o possuem, viciam nas infinitas sensações causadas. Tornam-se dependentes e precisam provar para Deus e o mundo – virtual – o quanto se sentem bem e felizes.
Amor de verdade mesmo, ninguém conhece nem viu. Porque para vê-lo, é necessário estar cego. 
Para ouvi-lo, estar surdo. Para senti-lo, é preciso não ter tato. Nada disso é físico, nem faz parte dos átomos e moléculas dos quais nossa realidade densa é formada. O Amor, com letra maiúscula, não se explica. Não se divaga. Não se entende. Não se faz rima. Não se perde, nem se acha. A gente apenas sente. (...)
(ARRUDA, Bárbara. O “amor” é uma droga. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2012.)
O uso da vírgula no trecho em destaque do texto tem a finalidade de: 
separar palavras em uma enumeração.
marcar a omissão de um verbo.
intercalar uma explicação.
dar ênfase a um advérbio.
9) Questão: Num dos quadrinhos da tira a seguir, o pronome oblíquo está empregado inadequadamente. Observe a imagem abaixo
A opção que demonstra o uso adequado do pronome, de acordo com as regras da língua portuguesa, é 
Minha família não entende-me...
Minha tripulação mim odeia...
Você tem a mim!
Você tem-me!
10) Questão: O texto a seguir apresenta, no trecho em destaque, um problema com relação à regência verbal.
Leia-o com atenção:
(...)
Tenho percebido, em algumas pessoas, uma necessidade quase existencial de encontrar sua alma gêmea. E nessa busca vale de tudo: de cartomante aos, intermináveis, sites de combinações espalhados pela rede mundial de computadores.
Falar desse tal “amor” é tão fácil quanto falar do ônibus lotado que enfrentamos para chegar ao trabalho ou dos infinitos engarrafamentos que nossa cidade está se afundando. (...)
(ARRUDA, Bárbara. O “amor” é uma droga. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2012.).
Fazendo uso da norma padrão da língua, que se pauta pela correção gramatical, seria adequado que o trecho em destaque do texto fosse reescrito da seguinte maneira: 
ou dos infinitos engarrafamentos em que nossa cidade está se afundando.
ou dos infinitos engarrafamentos pelos quais nossa cidade está se afundando.
ou dos infinitos engarrafamentos na qual nossa cidade está se afundando.
ou dos infinitos engarrafamentos de que nossa cidade está se afundando.