Plano da Validade - Resumo (parte 1)
1 pág.

Plano da Validade - Resumo (parte 1)

Pré-visualização1 página
1
É o elemento que preenche os requisitos legais. Para que o negócio seja válido, é funda-
mental que haja agente capaz, que o objeto seja lícito, possível, determinado, ou pelo me-
nos determinável, e ainda, que se respeite a forma prescrita em lei, ou que, na falta dela,
não viole aquela forma vedada pelo ordenamento jurídico.
Agente capaz: Capacidade de exercer diretos. Signica, além de poder ser sujeito, po-
der exercer esses direitos.
A falta de validade torna o negócio inválido. Essa invalidade pode ser por nulidade (de
pleno direito) ou anulabilidade.
Exceção: os atos fatos jurídicos.
Vontade livre e consciente: Verica-se se de algum tipo de vício na vontade mani-
festada pelo agente. Isso signica dizer que o agente tem que agir de forma livre, isto é,
sem nenhum tipo de interferência externa; consciente, que signica ser uma vontade
lúcida, pensada; e de boa fé, sem que ninguém tenha interesses ocultos, escusos etc.
O vício de vontade é basicamente o negócio realizado sob vícios internos, isto é, que atin-
ge apenas os contratantes, como o são o erro e a lesão, ou vícios externos, cujas inuências
invalidadoras vem de fora da relação negocial.
Já o vício social é aquele que atinge a terceiros, como a simulação e a fraude contra credores.
Está prevista no Art 1101, CC e, para Nelson Nery Jr., é a “emissão de uma declaração
não querida em conteúdo, tampouco em seu resultado, tendo por único objetivo enga-
nar o declaratário”.
É a vontade íntima do agente de não fazer o que, na prática, acabou fazendo. Essa alegação,
se não for um caso de coação, por exemplo, não surte qualquer efeito, a menos que a outra
parte comprovadamente soubesse que o agente estava mesmo equivocado mesmo.
Validade
Diferença entre vício de vontade e vício social
Reserva Mental
1 Art. 110. A manifestação de vontade subsiste ainda que o seu autor haja feito a reserva mental de não querer o que mani-
festou, salvo se dela o destinatário tinha conhecimento.
Plano da Validade - Parte 1
Direito Civil II