A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
138 pág.
Apostila Direito do Trabalho   OAB 1ª Fase (2017) Alexandre Teixeira Curso Prime

Pré-visualização | Página 6 de 50

contrato por prazo indeterminado. 
Na área pública, para se manter, com a administração pública, seja ela direta ou indireta, vínculo empregatício, é 
preciso que a formalidade do concurso público tenha sido respeitada, porque se não houver concurso público, esse contrato 
é nulo. 
Mesmo com a decretação de nulidade do contrato por descumprimento da formalidade esse contrato gera dois 
efeitos, que são os direitos de receber os salários pelo tempo efetivamente trabalhado e os depósitos do FGTS. 
Súmula Nº 363 do TST. CONTRATO NULO. EFEITOS (nova redação) - Res. 121/2003, DJ 19, 20 e 21.11.2003. A contratação de servidor 
público, após a CF/1988, sem prévia aprovação em concurso público, encontra óbice no respectivo art. 37, II e § 2º, somente lhe 
conferindo direito ao pagamento da contraprestação pactuada, em relação ao número de horas trabalhadas, respeitado o valor da 
hora do salário mínimo, e dos valores referentes aos depósitos do FGTS. 
Se uma pessoa assume um cargo público e após 02 anos seu concurso foi declarado nulo com trânsito em julgado, 
esse concurso equivale a uma contratação sem concurso, ou seja, essa pessoa só terá direito de receber salários pelas horas 
efetivamente trabalhadas e os depósitos do FGTS. 
O.J. 128, SDI-2. AÇÃO RESCISÓRIA. CONCURSO PÚBLICO ANULADO POSTERIORMENTE. APLICAÇÃO DA SÚMULA Nº 363 DO TST (DJ 
09.12.2003) O certame público posteriormente anulado equivale à contratação realizada sem a observância da exigência contida no 
art. 37, II, da Constituição Federal de 1988. Assim sendo, aplicam-se à hipótese os efeitos previstos no Enunciado nº 363 do TST. 
A decisão que declara o concurso nulo em efeitos ex tunc, assim, o concurso era nulo desde a data da sua realização, 
razão pela qual se aplica a Súmula 363. 
 
7. DURAÇÃO 
7.1. Contrato de Trabalho por prazo indeterminado. 
Pelo princípio da continuidade da relação de emprego, os contratos de trabalho são, em regra, por prazo 
indeterminado. A relação de emprego surge para se perpetuar no tempo. Não há que se confundir continuidade com 
estabilidade. 
O contrato por prazo determinado é uma exceção, sendo mais barato para o empregador e assegurando menos 
direitos aos trabalhadores. Por esse prisma é possível notar a incidência do princípio da proteção. 
O contrato por prazo determinado extinto não gera, em regra, indenização, assim como, também em regra, não é 
compatível com as estabilidades provisórias. 
Art. 443, CLT - O contrato individual de trabalho poderá ser acordado tácita ou expressamente, verbalmente ou por escrito e por prazo 
determinado ou indeterminado. 
 
 
 
 
CURSO PRIME – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2222 13 
 
OS: 0194/9/16-Gil 
OAB – 1ª FASE – XXI EXAME DA ORDEM 
7.2. Contrato de trabalho por prazo determinado: é a exceção justificando seu aparecimento apenas em casos 
excepcionais, como estabelecido pelos §§ 1º e 2º do artigo 443 da CLT: 
§ 1º. Considera-se como de prazo determinado o contrato de trabalho cuja vigência dependa de termo prefixado ou da execução de 
serviços especificados ou ainda da realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada. 
§ 2º. O contrato por prazo determinado só será válido em se tratando: 
a) de serviço cuja natureza ou transitoriedade justifique a predeterminação do prazo (contratação de pessoal extra em época de 
natal); 
b) de atividades empresariais de caráter transitório (feiras de negócios); 
c) de contrato de experiência (qualquer atividade); 
 
Para que os contratos por prazo determinado sejam considerados válidos, deve haver um motivo especial, transitório, 
temporário que justifique a contratação por prazo determinado. 
Se o empregador não preencher os legais requisitos para a contratação por prazo determinado, esse contrato passará 
a valer como contrato de trabalho por prazo indeterminado. 
Vejamos cada uma das condições para a contratação por prazo determinado. 
 
a) De serviço cuja natureza ou transitoriedade justifique a predeterminação do prazo 
Neste caso, a atividade empresarial não é transitória. A atividade empresarial é permanente, mas a necessidade de 
mais empregados é que é transitória e temporária. 
No final do ano, por exemplo, abrem-se no comércio muitas vagas para contratação temporária em decorrência do 
aumento extraordinário no volume de vendas e as empresas precisam contratar mais empregados para atenderem o volume 
de vendas daquele período. Assim, quando houver aumento extraordinário de serviços e esse aumento justifique a 
contratação de mais empregados, esses contratos poderão ser por prazo determinado. 
Também poderá haver contratação por prazo determinado nos casos de substituição provisória de pessoal 
permanente na empresa, como por exemplo, para substituir empregada que entrará em licença maternidade por 120 dias ou 
empregado aposentado por invalidez. 
Art. 475, CLT - O empregado que for aposentado por invalidez terá suspenso o seu contrato de trabalho durante o prazo fixado pelas 
leis de previdência social para a efetivação do benefício. 
§ 2º - Se o empregador houver admitido substituto para o aposentado, poderá rescindir, com este, o respectivo contrato de trabalho 
sem indenização, desde que tenha havido ciência inequívoca da interinidade ao ser celebrado o contrato. 
 
Esse artigo fala de suspensão do contrato de trabalho por invalidez, mas uma invalidez temporária, pois a invalidez 
definitiva não é suspensão, mas sim extinção do contrato de trabalho. Ao retorno do empregado, o contratado 
temporariamente terá seu contrato rescindido. 
Note-se que a hipótese dessa alínea demonstra que a atividade empresarial é perene, mas a necessidade é 
transitória, intermitente. 
 
b) De atividades empresariais de caráter transitório; 
Nos contratos cuja natureza da atividade justifique a predeterminação do prazo do contrato. 
É a atividade empresarial de caráter transitório do empregador que justifica a celebração de um contrato por prazo 
determinado. Não só a necessidade é transitória, mas a própria atividade do empregador é transitória. 
Exemplo fácil é o caso dos carnavais fora de época. 
 
c) De contrato de experiência 
A lei dispôs que o contrato de experiência fosse um contrato de trabalho por prazo determinado. Num país como o 
Brasil, em que a maioria dos profissionais não possuem qualificação técnica, o empregador não tem como saber se o 
 
 
 
CURSO PRIME – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2222 14 
 
OS: 0194/9/16-Gil 
OAB – 1ª FASE – XXI EXAME DA ORDEM 
empregado corresponderá às necessidades do cargo, então a norma possibilitou que o empregador pudesse contratar por 
um período de experiência e avaliar o empregado. 
O contrato de experiência é um contrato por prazo determinado, em, como qualquer outro, o empregado tem todos 
os direitos trabalhistas garantidos, e, portanto, deve ser anotado na CTPS, conforme o artigo 13 da CLT. 
Art. 13, CLT - A Carteira de Trabalho e Previdência Social é obrigatória para o exercício de qualquer emprego, inclusive de natureza 
rural, ainda que em caráter temporário, e para o exercício por conta própria de atividade profissional remunerada. 
O contrato de experiência, por ausência de previsão legal, não precisa ser escrito, pode ser, como qualquer outro 
contrato de trabalho, implícito ou explícito, mas sua natureza se demonstra incompatível com a pactuação implícita. 
A anotação do contrato de experiência se faz necessária para provar a existência do contrato especial, mas não 
consiste em contrato de trabalho. 
O contrato de experiência é um contrato de trabalho por prazo determinado que tem validade máxima de 90 dias. O 
contrato de experiência pode ter ser prazo prorrogado respeitando o prazo máximo de 90 dias. A prorrogação se dá dentro 
do prazo de 90 dias.