A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
72 pág.
Introdução à Microbiologia

Pré-visualização | Página 1 de 3

MICROBIOLOGIA 
Prof. Esp. Angélica Heilmann Steffen
E-mail – angelica.hsteffen@gmail.com
ULBRA - Carazinho
 
Introdução
 A infecção não pode ser compreendida 
quando não se sabe MICROBIOLOGIA
 Um dos principais mecanismos causadores de 
doença é a INFECÇÃO, que pode afetar 
qualquer tecido e órgão do corpo.
 
Introdução
 Os microrganismos devem ser estudados APENAS 
porque são prejudiciais à espécie humana??
 Efeitos maléficos: INFECÇÕES
 Benefícios: Desenvolvimento de 
antibióticos, processos fermentativos 
para processamento de alimentos
 
Introdução
 Qual a contribuição dos microrganismos para a 
manutenção do equilíbrio da biosfera??
 mantém o equilíbrio em diferentes sistemas 
ecológicos ( degradação de matéria orgânica, fixação 
de N2 no solo, etc...).
 o organismo humano é colonizado por bactérias: 
MICROBIOTA NORMAL (desequilíbrio desta 
microbiota = DOENÇA).
 
Dividindo-se estas áreas para estudo:
 BACTERIOLOGIA
 VIROLOGIA
 MICOLOGIA
 PARASITOLOGIA
 
 O que é MICROBIOLOGIA?
 
 É o ramo da biologia que estuda os SERES VIVOS 
MICROSCÓPICOS nos seguintes aspectos: 
 MORFOLOGIA
 FISIOLOGIA
 REPRODUÇÃO
 GENÉTICA
 TAXONOMIA
 INTERAÇÃO COM OUTROS SERES
 INTERAÇÃO COM MEIO AMBIENTE
 
Microscopia óptica x Microscopia eletrônica... 
 Microscopia óptica: um sistema de lentes 
manipula feixe de luz e chega ao olho do 
observador >>>AUMENTO de até 2.000x;
 Microscopia eletrônica : a luz é 
substituída por um feixe de elétrons e as 
lentes por um sistema de campo 
magnético>>> AUMENTO de 400.000 x.
 
 Histórico da classificação dos seres vivos:
 1866 Reino Protista de Haeckel: bactérias, 
algas, fungos e protozoários (seres 
unicelulares);
 1969 Sistema dos cinco Reinos de Wittaker: 
Plantae, Animalia, Fungi, Protista e Monera
(baseado na organização celular e também na 
forma de obter energia e alimento);
 
 
 1979: Woese propôs nova classificação de 
acordo com similaridades e diferenças do 
RNA ribossômico: 
 Reino Arquibactérias, Reino Eubactéria, 
Reino Eucarioto (incluindo plantas, animais, 
fungos, protozoários e algas).
 
 Organização intracelular:
 As células de todos os seres vivos são 
divididas em :
 PROCARIONTES - células bacterianas
 EUCARIONTES - células de todos os outros 
organismos vivos ( animais, plantas, fungos, 
algas).
 
 Classificação
 Estudos evolutivos sobre as propriedades das 
bactérias, dos fungos, dos protozoários e das 
algas exigiu uma revisão desta classificação e 
surgiu então 2 super reinos:
 PROCARIOTOS - bactérias e algas azuis-
esverdeadas
 EUCARIOTOS - protozoários, algas, 
fungos, animais e plantas
 
Principal diferença entre procariontes e 
eucariontes:
 Ausência de núcleo distinto nos procariontes: 
 DNA em forma de um único cromossomo circular , não 
está contido por uma membrana nuclear.
 Nos eucariontes:
 o DNA é transportado em vários cromossomos , contidos 
em um núcleo e separados do citoplasma por uma 
membrana nuclear.
 
 BACTÉRIAS - PROCARIOTOS 
 
 Por isso apresentam as seguintes diferenças dos 
outros seres vivos:
• DNA de dupla fita e circular, sem membrana 
nuclear;
• Presença de pequenos ribossomos livres no 
citoplasma, não há retículo endoplasmático;
• Ausência de mitocôndrias ou outras organelas 
envoltas por membranas;
• Presença de membrana celular complexa 
formada por peptideoglicano e proteína.
 
Características das 
bactérias: 
 
TAXONOMIA BACTERIANA
 Quanto à diversidade bacteriana são 
conhecidas mais de 4.000 espécies
 A taxonomia abrange três níveis:
 NOMENCLATURA
 CLASSIFICAÇÃO
 IDENTIFICAÇÃO (espécie)
 
 Nomenclatura: 
 TAXONOMIA Bacteriana descrita (1991) pelo ¨Código 
Internacional para a Nomenclatura das Bactérias¨.
 PARA ESCREVER O NOME DE UMA BACTÉRIA:
 a primeira letra do primeiro nome dever ser 
MAIÚSCULA;
 o restante e a espécie em MINÚSCULA;
 colocar em itálico ou sublinhado.
 
Nomenclatura:
 Exemplos:
 Escherichia coli ou E. coli;
 Streptococcus pneumoniae ou S. pneumoniae;
 Enterobacter aerogenes ou E. aerogenes;
 Proteus vulgaris ou P. vulgaris;
 Micobacterium tuberculosis ou M. tuberculosis
 
 Nomenclatura:
 GÊNERO + ESPÉCIE devem combinar 
quanto ao gênero masculino e feminino:
 Exemplo: ¨US¨
 Staphylococcus>> substantivo;
 aureus>> adjetivo;
 AMBOS DE ORIGEM LATINA E DO 
GÊNERO MASCULINO 
 
. :
 Nomenclatura:
 Todos os seres vivos, inclusive TODAS AS 
BACTÉRIAS, possuem dois nomes:
 PRIMEIRO a denominação genérica: 
GÊNERO: ex: Staphylococcus
 SEGUNDO o nome específico: 
ESPÉCIE : ex: aureus 
 
Nomenclatura:
 Alguns acréscimos especiais a este 
esquema universal (gênero +espécie) 
podem incluir:
 
 um TERCEIRO nome para distinguir muitas 
variedades de uma espécie: 
 ex: Acinetobacter calcoaceticus var anitratus 
 
Um nome histórico comum não científico:
 Gonococo ( Neisseria gonorroeae)
 Meningococo ( Neisseria meningitidis)
 Pneumococo (Streptococcus pneumoniae)
 
Uma designação para o grupo sorológico:
 ex: Streptococcus pyogenes pode ser 
também chamado ¨estreptococo do grupo 
A¨.
 
 CLASSIFICAÇÃO:
 PRIMEIRAMENTE os seres vivos foram 
divididos em 2 reinos:
 Animal
 Vegetal
 
OBSERVAÇÃO:
 Os vírus não são incluídos porque não 
apresentam as características essenciais 
dos organismos vivos 
 capacidade de replicação e 
sobrevivência de modo independente...
 
 Estruturas bacterianas e suas funções:
 1. Membrana citoplasmática:
 separa meio interno e externo;
 composta de proteínas imersas em dupla 
camada lipídica;
 realiza transporte de solutos, produção de 
energia,duplicação do DNA e secreção;
 possui invaginações denominadas mesossomos 
que atuam na divisão celular.
 
 2. Parede celular:
 controla a pressão osmótica;
 mantém a forma bacteriana (coco ou bacilo);
 atua na divisão celular, dando origem ao septo 
que separa as duas novas células oriundas da 
divisão celular;
 composta de peptideoglicano que confere 
rigidez à célula.
 
 3. Cápsula: é uma camada que fica ligada 
à parede celular como um revestimento 
externo. Tem como principais funções:
 reservatório de água e nutrientes;
 aumentam a capacidade invasiva de bactérias 
patogênicas;
 aderência;
 aumento da resistência microbiana. 
 
 PILI ou FÍMBRIAS: 
 Estruturas semelhantes a fios de cabelo, 
podem ser de 2 tipos:
 pili sexuais - permitem a transferência de DNA 
por conjugação;
 pili comuns (mais curtos) - auxiliam na aderência 
às células do hospedeiro, são antifagocíticos e 
podem evitar a resposta de anticorpos do 
hospedeiro (através da pilina).
 
 Flagelos:
 São mais compridos que os pili e conferem 
MOTILIDADE às bactérias. 
 
Componentes citoplasmáticos:
 Ribossomos: realizam a síntese proteica;
 Grânulos: atuam como substâncias de reserva;
 Vacúolos gasosos: somente em microorganismos 
flutuantes;
 Esporos: é um tipo de diferenciação celular que 
ocorre como resposta a uma situação 
desfavorável do meio ambiente (carência de água 
ou nutrientes essenciais).
 
Esporos: 
 Consistem em DNA bacteriano 
concentrado, envolto por uma capa 
protetora extremamente rígida. 
 A célula é metabolicamente inerte e 
sobrevive à dessecação, ao calor e à 
maioria dos agentes químicos por meses, 
anos ou mais. Ex: Clostridium e Bacillus 
sp.
 
 
 Morfologia e estrutura da célula 
bacteriana: