A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
48 pág.
Aula 09 Revestimento Orgânico

Pré-visualização | Página 1 de 2

Aula 09 - Revestimentos Orgânicos
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS 
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA
Profa. Eliane Medeiros 
REVESTIMENTOS ORGÂNICOS
- São os mais importantes e mais extensamente
aplicados. Entre eles citam-se as tintas, os
vernizes (tinta sem pigmentos), os esmaltes (tintas
com alto brilho), as lacas (polímeros
termoplásticos).
- São de fácil aplicação e versatilidade do uso de
vários tipos de tintas a uma boa qualidade de
proteção anticorrosiva e um custo final bastante
razoável.
TINTAS
As tintas são revestimentos não metálicos de
natureza orgânica.
É o método convencional mais utilizado no
combate à corrosão pelo baixo custo e fácil
aplicação.
Existem pinturas industriais como as pinturas
eletroforética e eletrostática que superam
algumas das limitações desse processo
anticorrosivo pela qualidade de aplicação e pela
relação custo-benefício.
REVESTIMENTOS ORGÂNICOS
A) pintura anti-incrustante
em casco de navio;
B) pintura em chaminé 
para sinalização aérea; 
C) proteção anticorrosiva
e identificação de linhas de 
fluidos; 
D) proteção anticorrosiva e 
finalidade estética
azul: ar comprimido. 
cinza-claro: vácuo.
cinza-escuro: eletrodutos
verde: água. 
preta: óleo combustível
vermelha: combate á 
incêndio. 
Os sistemas de pinturas sofrem deterioração
em virtude da agressividade do meio
CONSTITUINTES DAS TINTAS
CONSTITUINTES DAS TINTAS
Resinas
A resina, ligante ou veículo não-volátil, é 
definida na norma da ABNT NBR 15156, 
como o componente da tinta que confere a 
esta propriedades de coesão e adesão. 
• óleos vegetais, 
• resinas alquídicas, 
• resinas acrílicas, 
• resinas epóxidicas, 
• resinas poliuretânicas.
CONSTITUINTES DAS TINTAS
Veículos não voláteis (VNV) (Resinas) 
Os veículos não voláteis são os responsáveis pela
formação da película e são classificados em dois
grupos:
• os VNV conversíveis: quando na formação da
película, há polimerização do veículo não volátil
(resina).
• os VNV não-conversíveis: quando a película se
forma simplesmente pela evaporação do veículo
volátil, sem modificação estrutural.
CONSTITUINTES DAS TINTAS
Veículos não voláteis (VNV)
Conversíveis
Vernizes óleo-resinosos:
• óleo (linhaça, mamona) que contem duplas
ligações C=C + resina (breu, resinato de zinco...)
• a resina aumenta a dureza superficial e o brilho
• o óleo forma uma película por oxidação ao ar:
CONSTITUINTES DAS TINTAS
Veículos não voláteis (VNV)
dando início à polimerização.
Conversíveis
Veículos não voláteis (VNV) Conversíveis
Resinas alquídicas (Tintas sintéticas):
• são poliésteres resultantes da reação de um 
poliácido com um poliálcool como por exemplo:
anidrido ftálico + glicerol
resina alquídica
• a reação ocorre por ativação térmica
• geralmente as resinas alquídicas são usadas em
combinação com óleos para formar polímeros,
neste caso são passíveis de serem saponificáveis.
Veículos não voláteis (VNV) Conversíveis
Resinas fenólicas:
• A reação ocorre por ativação térmica
• As tintas formadas com esse tipo de resina apresentam 
resistência química, térmica e a água, superior as tintas 
alquídicas.
Veículos não voláteis (VNV) Conversíveis
Resinas epoxídicas: são as mais efetivas contra
corrosão.
• as tintas epóxi são sistemas de dois componentes, uma
resina e um endurecedor, a serem misturados no momento do
uso.
Veículos não voláteis (VNV)
Poliuretanos: boas propriedades anticorrosivas
• os dois componentes da tinta são fornecidos em
embalagens separadas.
• a reação de polimerização ocorre à temperatura
ambiente.
Conversíveis
Resinas que formam película por evaporação do 
Solvente (Não-conversíveis)
- Resinas vinílicas: Contêm na sua estrutura o
grupamento vinil (H2C=CH2)
• São o cloreto de polivinila (PVC) e o acetato de
polivinila (PVA) obtidos a partir dos monômeros,
cloreto e acetato de vinila.
• Destacam-se por elevada resistência química a
ácidos, álcalis e sais.
• Tem baixa resistência térmica.
Não-conversíveis
- Resinas acrílicas:
• são obtidas a partir dos ácidos acrílico e
metacrílico por esterificação. São de dois tipos:
• Termoestáveis (termorígidas) que curam com
calor.
• Termoplásticas, que formam película por
evaporação do solvente.
- Borracha clorada:
• é obtida por cloração da borracha natural.
Resina Umidade Corrosão Durabilidade 
exterior
Resistência
química
Resistência à 
riscos
Acrílica E B E B E
Alquídica R R R R B
Epóxi E E D E E
Poliéster E B B B B
Poliuretano E B E B E
Vinílica E B B B B
E = excelente, B = bom, R = regular, D = deficiente
Durabilidade de tintas
Exemplos:
• hidrocarbonetos alifáticos (aguarrás),
• hidrocarbonetos aromáticos (tolueno e xileno),
• ésteres (acetato de etila, acetato de butila e acetato de
isopropila),
• álcoois (etanol, butanol e álcool isopropílico),
• cetonas (acetona, metiletilcetona, ciclohexanona),
• glicóis (etilglicol, butilglicol).
CONSTITUINTES DAS TINTAS
Veículos voláteis (Solventes)
São substâncias puras empregadas tanto para
auxiliar na fabricação das tintas, na solubilização da
resina e no controle da viscosidade.
CONSTITUINTES DAS TINTAS
Pigmentos
Os pigmentos são partículas sólidas, finamente
divididas, insolúveis no veículo fixo, utilizados
nas tintas com objetivo estético ou decorativo,
impermeabilizantes e proteção anticorrosiva.
CONSTITUINTES DAS TINTAS
Classificação dos Pigmentos
- opacificantes-coloridos: são os que se destinam a
fornecer opacidade e cor, por exemplo, dióxido de
titânio, azul da Prússia, etc.
- cargas: reforçam a película, regulam o brilho e a
consistência, aumentam o teor de sólidos nas tintas de
alta espessura e substituem parte do pigmento
anticorrosivo e parte da resina, por exemplo,
carbonatos, silicatos, sílicas e sulfatos;
- anticorrosivos: conferem propriedades anticorrosivas à
película de tinta, notadamente às de fundo, e são
divididos em inibidores (zarcão, cromato de zinco,
fosfato de zinco) e protetores (tintas ricas em zinco).
Pigmentos anti-corrosivos:
Zarcão - compostos de óxido vermelho de chumbo (Pb3O4) e 
pequena percentagem de (2 a 15 %) de litargério (PbO), é um 
dos pigmentos mais antigos.
Sua atuação deve-se à formação de um sabão com o ácido 
azelaico (presente em óleos), que é um inibidor. O zarcão 
deve ser utilizado com cuidado devido sua toxidade. 
Cromatos de zinco – tem a composição aproximada de 
4ZnO.K2O4CrO3.3H2O. Teoricamente faz cessar a corrosão por 
inibição anódica. Na prática, o uso do cromato vem sendo 
limitado, pois em locais úmidos tende a formar bolhas na 
película, além de ter caráter tóxico.
Fosfato de zinco: tem composição de Zn3 (PO4)2.2H2O, que 
possui excelente ação inibidora. Este pigmento vem sendo 
progressivamente utilizado em substituição ao zarcão, por 
possuir propriedades anticorrosivas similares e menor toxidade. 
Pó de Alumínio - Este pigmento é empregado em primers
anticorrosivos incorporados a veículos insaponificáveis,
mais comumente betuminosas, borracha-clorada e epoxi,
funciona como o mais eficiente mecanismo de barreira
física.
Óxido do ferro - de origem sintética ou natural vermelho é
vastamente empregado em primers para baratear o custo,
dando origem aos chamados primers mistos óxidos de
ferro/cromato de zinco. Não é inibidor de corrosão.
Pigmentos anti-corrosivos:
Tetróxicromato de zinco – tem fórmula aproximada
4,5ZnO.CrO3, seu uso principal na aplicação sobre estruturas de
alumínio ou galvânica, facilitando a aderência das tintas sobre
esses metais.
Pó de Zinco – são usados na forma metálica, como partículas
esféricas, variando seu diâmetro de 1 a 10mm. Para serem
eficientes devem estar presentes em altas concentrações (acima